Morre Michael Lang, um dos organizadores do festival de música de Woodstock

Vítima de câncer, empresário tinha 24 anos quando o marco da contracultura aconteceu, em agosto de 1969

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Nova York | AFP

Michael Lang, um dos organizadores do festival de música de Woodstock, o maior marco da contracultura nos Estados Unidos, morreu no sábado, aos 77 anos, vítima de câncer, anunciou a imprensa americana no domingo.

Lang morreu de "uma forma rara de linfoma de Hodkging no hospital Sloan Kettering em Nova York", segundo um comunicado da família divulgado por Michael Pagnotta, um velho amigo dele, relatado na imprensa.

Michael Lang, um dos organizadores do festival de Woodstock nos Estados Unidos - Joe Traver/Reuters

No Twitter, Pagnotta, representante do artista e supervisor musical, escreveu "lamentamos saber que o ícone lendário de Woodstock e amigo de longa data da família Michael Lang morreu aos 77 anos após uma breve doença". "Descanse em paz."

"Ele deixou sua mulher Tamara, seus filhos Harry e Laszlo, e suas filhas LariAnn, Shala e Molly", disse o comunicado, que foi publicado pela CNN.

Lang tinha 24 anos quando o festival de música e artes de Woodstock nasceu, em agosto de 1969, na região das montanhas de Catskill no estado de Nova York, uma congregação hippie que se tornou um momento crucial na história da música popular e a consolidação definitiva da contracultura surgida nos anos 1960 nos Estados Unidos.

De 15 de agosto, uma sexta-feira, até a segunda-feira seguinte daquele ano, grupos de rock se apresentaram durante o festival que reuniu quase meio milhão de pessoas em uma fazenda perto da cidade de Woodstock, que lhe deu o nome e o tornou mundialmente famoso.

O evento foi imortalizado no documentário "Woodstock: 3 Dias de Paz e Música", vencedor do Oscar.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.