Descrição de chapéu Cinema Folhajus

Cineasta Asghar Farhadi é indiciado por plagiar ex-aluna no filme 'Um Herói'

Tribunal considerou que há evidências de que diretor violou direitos autorais, mas processo ainda não terminou

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O primeiro entedimento da justiça iraniana é de que o diretor Asghar Farhadi, vencedor de dois Oscar, plagiou um documentário de uma ex-aluna para fazer seu último filme, "Um Herói". Segundo reportagem do The Hollywood Reporter, o diretor foi indiciado por um tribunal em Teerã, que encontrou evidências de violação de direitos autorais e de cópia de elementos-chave do curta da jovem, sem o devido crédito.

O caso rola desde o final de março, quando Azadeh Masihzadeh, que foi aluna de Farhadi em um workshop em 2014, viu semelhanças entre a trama do longa e a do seu filme "All Winners, All Losers" —ou, todos vencedores, todos perdedores—, sobre um homem que encontra uma sacola de ouro e decide devolvê-la ao dono.

O cineasta iraniano Asghar Farhadi, diretor do filme 'Um Herói', segura a estatueta do Oscar que recebeu por 'A Separação' - Mike Blake - 26.fev.2012/Reuters

Agora, o processo passará para um segundo juiz, cuja decisão pode ser contestada em um tribunal de apelação ou, ainda, pode ser ordenado que seja reexaminado. ​Como afirmou Kaveh Rad, advogado do cineasta, em sua conta no Instagram, diz que a primeira decisão discordou sobre a partilha do faturamento do filme com a jovem, e pode ser "considerada parte do processo de julgamento", mas não uma sentença final.

Na época, Farhadi processou Masihzadeh por difamação e Masihzadeh rebateu alegando que Farhadi cometeu plágio. Por ora, os dois processos estão a favor da moça, descartando o caso de difamação.

De acordo com a lei iraniana, se a justiça considerar Farhadi inocente, Masihzadeh pode receber 74 chicotadas como punição, além de ficar dois anos presa. Ele, por outro lado, pode ficar preso por um período e, como quer a jovem, entregar os lucros do filme, o que foi negado nessa primeira decisão.

Em um comunicado, a Alexandre Mallet-Guy, da Memento Production, que coproduziu "Um Herói", acredita que o tribunal acabará decidindo por Farhadi, já que a história que inspirou o filme seria de "domínio público", e que circulara na imprensa "anos antes do documentário de Masihzadeh ser lançado".

Masihzadeh considera que, por ser uma história local, o cineasta não tenha conseguido fazer uma investigação independente. O diretor premiado afirmou ainda que tirara inspiração da peça "A Vida de Galileu", de Bertolt Brecht.

Em paralelo, Shokri, o homem real que teve sua história documentada por Masihzadeh e ficcionalizada por Farhadi também tentou abrir um processo contra o diretor, alegando que sua reputação foi prejudicada pelo longa. A ação foi arquivada pelo tribunal.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.