Descrição de chapéu Cinema oriente médio

'Doutor Estranho' é banido de países árabes por causa de personagem lésbica

Disney se recusou a cortar cenas do filme uma semana após Warner Bros. censurar 'Animais Fantásticos' para a China

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O novo filme da Marvel, "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura", foi banido de países árabes por causa de uma personagem lésbica. De acordo com a revista americana The Hollywood Reporter, autoridades da Arábia Saudita proibiram que o filme estreasse por lá, enquanto no Qatar e no Kuwait, redes de cinema interromperam a venda antecipada de ingressos sem dar explicações.

Nesses países, a homossexualidade é proibida por lei, o que impede que vários filmes estrangeiros com personagens LGBTQIA+ cheguem às telas da região. Muitas vezes, estúdios de Hollywood censuram os próprios lançamentos, retirando cenas consideradas sensíveis, para entrar em mercados hostis a essa população. Foi o que ocorreu na semana passada, com "Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore".

Xochitl Gomez como America Chavez, personagem lésbica de "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura", ao lado de Benedict Wong e Benedict Cumberbatch
Xochitl Gomez como America Chavez, personagem lésbica de "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura", ao lado de Benedict Wong e Benedict Cumberbatch - Jay Maidment/Divulgação

Na ocasião, a Warner Bros. acatou ao pedido de autoridades da China e retirou diálogos que mostravam que o personagem Alvo Dumbledore é gay —algo que deveria ser central na trama, já que ela gira em torno de sua rivalidade com seu antigo amante, o bruxo das trevas Gerardo Grindelwald.

A decisão da Disney de não retirar tais cenas acontece em meio a críticas dirigidas ao estúdio pela maneira como lidou com uma controversa lei da Flórida que proíbe discussões sobre sexualidade e identidade de gênero nas escolas, para alunos de determinadas idades.

No passado, a empresa de Mickey Mouse já havia se recusado a fazer cortes em seus filmes para estrear em mercados como o Oriente Médio e a China. Foi o caso de "Eternos", uma das principais apostas no ano passado e que teve o primeiro herói abertamente gay do estúdio, e de "Amor, Sublime Amor", musical de Steven Spielberg com um personagem trans.

Na nova série "Cavaleiro da Lua", ambientada em grande parte no Egito, chegou a tocar a música "El Melouk" nos créditos do segundo episódio. O gênero da canção, conhecido como mahraganat, é proibido pelo regime local.

Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos são os principais mercados cinematográficos da região. No segundo país, ainda não há informações sobre um possível banimento a "Doutor Estranho". No Brasil, o longa está previsto para estrear em 5 de maio.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.