Descrição de chapéu Livros oriente médio

Israelenses evitam encarar os traumas dos palestinos, diz David Grossman

Traduzido para mais de 30 idiomas, escritor explora traumas passados de geração em geração em novo romance

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

tela em branco com várias perfurações verticais

'Concetto Spaziale, Attesa', obra do artista italiano Lucio Fontana (1899-1968) famoso por suas telas perfuradas Divulgação

São Paulo

A arte é uma ferramenta poderosa para que as novas gerações compreendam os traumas sofridos por seus antepassados. É o que diz o escritor israelense David Grossman, um dos principais representantes da literatura do país e autor de "A Vida Brinca Muito Comigo" —romance lançado agora pela Companhia das Letras que fala justamente sobre esse tipo de trauma intergeracional.

O escritor e ativista israelense David Grossman em retrato de 2012 - Effigie/Leemage/AFP

"Trauma é algo que afeta não apenas o indivíduo que o sofre, mas também as gerações seguintes. De certa forma, é como se ficasse gravado no nosso DNA", afirma o autor, em entrevista por chamada de vídeo.

Grossman, hoje com 68 anos, ressalta que a Shoá —palavra em hebraico usada pelos judeus para se referir ao Holocausto— segue sendo uma ferida aberta na identidade israelense. "Existe uma necessidade de entender este trauma. Ele continua a irradiar tão violentamente nas nossas vidas que nós não conseguimos respirar."

Ao mesmo tempo, o autor, nascido em Jerusalém, lembra que "estamos chegando a um momento em que não haverá mais sobreviventes da Shoá vivos para nos contar exatamente como foram as atrocidades". Nesse sentido, diz, a arte é um dos poucos meios disponíveis para imaginar "como era estar nos campos de concentração, como era estar dentro da máquina de assassinar dos nazistas".

Para ele, além de entender o sofrimento das vítimas, também é preciso se colocar no lugar dos perpetradores da violência. "Como um ser humano normal se torna um assassino? Do que você tem que abrir mão para se render a esse tipo de comportamento?", questiona.

O autor afirma os traumas da sociedade israelense não estão restritos ao passado, na medida em que o contexto geopolítico regional segue produzindo sofrimento para as famílias.

Grossman é testemunha disso. Ele perdeu o filho Uri, combatente das Forças de Defesa de Israel, durante a guerra contra o grupo libanês Hizbullah, em 2006.

Por outro lado, ele diz acreditar que seus compatriotas ainda não estão preparados para encarar os traumas sofridos pelos palestinos.

"Muitos de nós colaboraram com a ocupação [dos territórios palestinos], esse sistema de opressão", diz Grossman. Ele também serviu no Exército israelense —o alistamento militar é obrigatório no país.

Atualmente, Grossman é crítico da expansão de assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, territórios ocupados por Israel desde 1967. Em entrevista à Rádio do Exército em dezembro, descreveu as políticas israelenses nos territórios palestinos como um "apartheid".

"É difícil esperar que um lado seja tão generoso a ponto de permitir que o trauma do inimigo seja incorporado à própria narrativa. Quando alcançarmos a paz, poderemos começar a entender o que permitiu que a ocupação perdurasse ao longo dos últimos 55 anos", diz.

"Há uma minoria muito pequena disposta a reconhecer que os palestinos também sofreram traumas. A impressão é que, se reconhecermos o trauma deles, então o nosso trauma será diminuído ou distorcido."

Grossman estudou filosofia e teatro na Universidade Hebraica de Jerusalém, e é um dos principais escritores israelenses da atualidade. Sua obra, que inclui títulos como "Fora do Tempo", "A Mulher Foge" e "O Inferno dos Outros", já foi traduzida para mais de 30 idiomas.

Em "A Vida Brinca Muito Comigo", que sai pela Companhia das Letras, ele conta a história de três gerações de mulheres de uma família israelense que embarcam em uma jornada para revisitar o passado. Elas viajam à Croácia, onde a protagonista, Vera, fora mantida prisioneira em um campo de detenção do regime do general Tito na antiga Iugoslávia.

Vera teve a sorte de sobreviver, diferente dos seus pais, que haviam sido enviados para os campos de extermínio nazistas. Ainda assim, o cárcere deixou marcas não apenas nela, mas também em sua filha, Nina, que cresceu órfã e viria a ser uma mãe ausente.

Já a neta, Guili, a narradora da história, nutre um ódio profundo pela mãe por ter sido abandonada na infância. Ela toma para si a missão de registrar o passado da família em um documentário, e neste processo acaba se aproximando de Nina.

O trauma intergeracional é, portanto, o fio condutor da narrativa. Por um lado, aparece como gerador de conflitos familiares. Mas ele se torna também força motriz da reconciliação das personagens.

"O livro é sobre uma jornada de retorno dessas mulheres ao lugar onde a ferida originou", afirma Grossman. "Só então elas compreendem que não estão fadadas às armadilhas desse passado doloroso."

Ainda segundo o autor, a obra traz lições sobre como manter a cabeça erguida diante do autoritarismo ao retratar a resiliência de Vera no cárcere.

O personagem de Vera é inspirado em Eva Panié Nahir, que foi amiga de Grossman por duas décadas até a sua morte em 2015, aos 97 anos de idade. "Era a pessoa mais corajosa que eu conheci", conta o escritor.

"Ao rejeitarmos as narrativas impostas pelos poderosos, deixamos de ser vítimas desamparadas e nos transformamos em enclaves de liberdade", diz. "É uma forma de não sermos esmagados completamente pelo sistema, mesmo quando sabemos que a batalha está perdida."​

A Vida Brinca Muito Comigo

  • Preço R$ 99,90 (293 págs.); R$ 44,90 (ebook)
  • Autor David Grossman
  • Editora Companhia das Letras
  • Tradução Paulo Geiger
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.