Descrição de chapéu Livros

Saiba como Gaza vai além da guerra e da violência com geração de poetas jovens

Volume com trabalhos de 17 autores é traduzido no Brasil e mostra predileção pelos versos que acompanham as ideias

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Washington

Gaza é uma ilha às margens.

A imagem aparece quando o professor da USP Michel Sleiman fala sobre uma antologia de poetas desse território. Uma ilha, diz, porque a faixa de Gaza está cercada por Israel e pelo Egito e a circulação de pessoas é quase impossível. Às margens, continua, porque até hoje suas vozes estão abafadas —mesmo quando se ouve os palestinos, são em geral aqueles que vivem em outro lugar, na Cisjordânia.

O livro "Gaza, Terra da Poesia" é uma brecha nesse cerco, uma ponte ligando leitores à ilha. A obra, que chega ao Brasil pela Tabla, reúne textos de 17 poetas nascidos na faixa de Gaza, em sua maioria jovens. "É uma garotada que mostra que, à revelia, existe uma vida literária ali", Sleiman afirma à Folha.

obra de arte
'Blood Money', obra da artista palestina Laila Shawa da série 'Walls of Gaza', de 1994, em que sobrepõe símbolos como dólares e outras intervenções e fotografias de mensagens de protesto e de esperança pichados nos muros de Gaza - Google Arts and Culture/Reprodução

Essa ideia é de contracorrente, visto que mesmo no mundo de língua árabe persiste a ideia de que Gaza é um território intelectualmente árido onde só florescem radicalismos religiosos. A faixa é hoje governada pela facção Hamas, considerada terrorista por Israel e pelos Estados Unidos. A maior parte da rara atenção é dada a poetas de outras regiões palestinas, como Jerusalém e a Cisjordânia, governada pela facção Fatah e, em larga medida, ocupada pelas forças israelenses.

A tese da antologia, organizada por Muhammad Taysir, é de que existe, sim, poesia em Gaza. "Ainda que esses autores não estejam conectados em torno de um coletivo literário, são vozes que ecoam uma na outra", afirma Sleiman. "Há uma geração de bons poetas, talvez forjados pela vida dura. Não são apenas vozes soltas. No conjunto, eles estão falando sobre as mesmas coisas."

O projeto da antologia chegou à Tabla pelas mãos da professora da USP e tradutora veterana Safa Jubran. O livro saiu em Beirute no fim de 2021 e ainda não foi traduzido a nenhuma outra língua, além do português. Toda a receita do livro vai ser revertida para a organização sem fins lucrativos Tamer, que incentiva a leitura nos territórios palestinos, incluindo a faixa de Gaza.

obra de arte
'Passages to Freedom', obra da artista palestina Laila Shawa da série 'Walls of Gaza', de 1994, em que sobrepõe símbolos como dólares e outras intervenções e fotografias de mensagens de protesto e de esperança pichados nos muros de Gaza - Google Arts and Culture/Reprodução

Esse ineditismo marca o amadurecimento do mercado editorial brasileiro em árabe que, impulsionado pela Tabla e pela formação de jovens tradutores, tem disponibilizado obras importantes da região —como os textos de Mahmud Darwich, a principal voz da poesia palestina.

A antologia foi vertida pelo grupo de tradução da poesia árabe contemporânea da USP, sob coordenação de Sleiman. São alunos e ex-alunos da universidade. O próprio Sleiman assina uma das traduções, assim como a professora Jubran.

Há uma série de traços em comum entre os autores de "Gaza, Terra da Poesia", Sleiman diz. Em termos de forma, está claro que esses poetas não estão preocupados com coisas como a métrica e a rima.

Gerações anteriores gastaram saliva e nanquim, discutindo qual era afinal a forma da poesia em árabe. Os poetas da antologia, porém, passam por essa conversa sem olhar para trás. "Eles falam, apenas isso", diz Sleiman. "Há uma predileção pelo poema em prosa. O verso termina onde termina a ideia. É quase como se o verso livre fosse o ponto de partida dado deles. Não há a sugestão de novas formas."

obra de arte
'Letter to a Mother', obra da artista palestina Laila Shawa da série 'Walls of Gaza', de 1994, em que sobrepõe símbolos como dólares e outras intervenções e fotografias de mensagens de protesto e de esperança pichados nos muros de Gaza - Google Arts and Culture/Reprodução

Já no tema os poetas se parecem em sua predileção pelo cotidiano —a vida na escola, a passagem à maturidade, a primeira menstruação, a descoberta da sexualidade. "Está ali, também, o retrato de uma vida difícil e de uma desesperança com a situação", diz Sleiman. Sitiada, Gaza tem difícil acesso à ajuda humanitária. Nos últimos anos, Israel bombardeou a faixa repetidas vezes, destruindo vidas e a infraestrutura. Falta de tudo, inclusive educação. "É um ambiente que tem pouco a oferecer", diz o professor.

Nem por isso os poemas de "Gaza, Terra da Poesia" tratam da guerra diretamente ou falam ao mundo com a voz de quem é apenas vítima. "Esses poetas são fruto da guerra, mas recusam a violência", afirma Sleiman. "Estão buscando saídas, e os poemas são essa sua alternativa de vida."

De certa maneira, Laura di Pietro, editora da Tabla, enxerga o livro como uma intervenção no debate público sobre Gaza. O próprio título tem esse impacto de desafiar os estereótipos de que Gaza é uma terra de conflitos. A antologia sugere que Gaza é, na verdade, uma terra de poesias, de gente que enxerga o belo mesmo no feio.

"Apesar de tudo, dessa coisa horrível, da ocupação israelense, do embargo, apesar de tudo isso existe cultura", diz. "As pessoas estão fazendo literatura, poesia. Existe gente vivendo ali."

Gaza, Terra da Poesia

  • Preço R$ 30 (120 págs.)
  • Editora Tabla
  • Organização Muhammad Taysir
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.