Descrição de chapéu Todas

Barbara Sturm alavanca projetos femininos no audiovisual brasileiro

Como diretora de aquisições na Pandora e na programação do Cine Belas Artes, produtora buscava diversidade nas aquisições

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Um dos cinemas mais charmosos da cidade de São Paulo é o Belas Artes, que hoje é chamado de REAG Belas Artes, e nasceu na década de 1960. A programação sempre foi dedicada à diversidade, especialmente sob o olhar feminino, quando Barbara Sturm cuidava dos filmes que eram exibidos lá.

Envolvida na sétima arte desde pequena, Sturm se mudou de Campinas, no interior paulista, para São Paulo e passou a trabalhar com seu pai, André Sturm —ex-secretário da Cultura da cidade da capital—, que possuía uma distribuidora de filmes.

Mulher branca de cabelo curto
Barbara Sturm, diretora de conteúdo na Elo Studios, atuando também no Selo ELAS - Divulgação/Cica Neder

Sua trajetória no cinema começou influenciada por sua mãe, Alexandra Paioli, que sempre nutriu uma paixão pelo audiovisual e pela arte.

Desde criança, Sturm tinha contato com pintoras e escultoras, entre suas tias e avó, o que a proporcionou o privilégio de ter acesso à arte desde cedo, podendo experimentar e criar sem as formalidades associadas a este universo.

"Aos 14 anos, tive a oportunidade de participar de alguns festivais [de cinema], mesmo que em férias da escola. Gostei muito dessa experiência. Lembro especialmente de assistir ao filme '2046', de Wong Kar Wai. Fiquei maravilhada, pensando 'como alguém pode criar algo assim?'", diz.

"Foi um momento transformador para mim, perceber a sensibilidade com que ele, um homem chinês, abordou questões femininas, desafiando tantos preconceitos e estereótipos daquela época, nos anos 2000. Isso me fez perceber que o cinema era meu caminho", afirma a produtora.

Sturm estudava moda com enfoque comercial, o que a fez olhar para as coisas com uma abordagem mais voltada para o negócio. "Depois de um tempo, percebi que precisava seguir meu verdadeiro desejo, fazer cinema", conta.

Enquanto trabalhava como diretora de aquisições na Pandora e na programação do Cine Belas Artes, ela tinha a vontade de procurar mais filmes dirigidos por mulheres ou com histórias sobre mulheres.

"A maioria das pessoas com quem eu lidava no meio dos programadores de cinema, tanto independentes quanto comerciais, eram homens muito mais velhos. Isso me motivou a desenvolver uma abordagem diferente, pois sabia que precisava ser única", lembra.

A produtora buscava esse viés de diversidade em suas aquisições. Além de visibilidade feminina, ela buscava dar destaque para outros mercados cinematográficos, como o do leste asiático.

Dentre produções de que participou do lançamento, há "Tomboy", de 2011, segundo filme de Céline Sciamma —que há cinco anos se tornou ganhadora do prêmio de melhor roteiro em Cannes por "Retrato de uma Jovem em Chamas"—; "A Visitante Francesa", de 2012, de Hong Sang-Soo; "Espuma dos Dias", de 2013, de Michel Gondry; "Que Horas Ela Volta?", de 2015, de Anna Muylaert, um dos maiores sucessos do cinema nacional, entre outros.

Em 2017, Sturm também assumiu a curadoria e supervisão de projetos na Elo Studios, que cria, desenvolve, produz e distribui conteúdos audiovisuais.

Durante sua trajetória profissional, ela enfrentou um ambiente predominantemente masculino, mas conseguiu se destacar e mudar o panorama do cinema, oferecendo apoio e empoderamento outras mulheres. "É frustrante lidar com tanto preconceito, mas estou feliz por estar nesta posição de impulsionar outras mulheres. É realmente emocionante ter a oportunidade de criar o Selo ELAS", diz. A iniciativa faz parte do Elo Studios.

"Nunca me disseram que por ser mulher eu não poderia fazer algo, foi assim que fui criada", completa. "Eu reconheço meus privilégios, sou uma pessoa otimista e persistente, sempre dei passos firmes em direção aos meus objetivos. Sei que conquistei muito, aproveitando as oportunidades para realizar meu trabalho e me realizar como pessoa. Ao longo do tempo, encontrei maneiras de promover mulheres, não apenas diretoras, mas também atrizes. Hoje, estou mais atenta à audiência feminina, pois trabalho diretamente com produtores e público", completa.

Ela acredita que seu trabalho une visão de mercado, paixão pela mensagem e potencial dos filmes que escolhe distribuir. Além disso, o compromisso em promover é evidente em cada projeto que abraça, deixando um impacto profundo no cenário cinematográfico brasileiro.

Em 2024, serão lançados cinco filmes que contaram com a consultoria do Selo Elas: "A Mulher Sem Chão", de Auritha Tabajara e Débora Mcdowell; "Nó", de Laís Melo; "La Mamma", dirigido por Carina Bini; "Deus é Mulher", de Bárbara Cunha; e "O Jardim de Maria", de Jade Rainho.

Também estão em processo de produção "Flores do Recôncavo", da dupla Ary Rosa e Glenda Nicácio; "Tempo Meio Azul Piscina", de Sofia Federico, ambos da Bahia; além de "Sereis Uma Só Carne", de Andréia Kaláboa, de Curitiba.

O Selo Elas segue investindo na pluralidade e representatividade para este e os próximos anos da iniciativa —que ainda se faz necessária devido à falta de oportunidades às mulheres no mercado audiovisual.

Como parte da iniciativa Todas, a Folha presenteia mulheres com três meses de assinatura digital grátis.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.