Prédio que desabou em São Paulo simboliza ruínas do modernismo

Para autora, edifício no largo do Paissandu entra num hall em que também estão as Torres Gêmeas

Ana Ottoni

[RESUMO]  Autora afirma que o prédio que desabou em maio no largo do Paissandu (São Paulo) entrou no hall das grandes ruínas simbólicas do modernismo, cujos maiores representantes são um conjunto habitacional nos EUA e as Torres Gêmeas.

 

Desleixo, descaso, hipocrisia, ausência do poder público, exploração da pobreza. Esses foram só alguns dos termos associados, nas últimas semanas, à monstruosa imagem do edifício Wilton Paes de Almeida, um puro-sangue da arquitetura modernista, despencando em chamas em pleno centro da cidade de São Paulo.

O papel alegórico da ruína como símbolo de corrupção e mau governo remonta ao livro sagrado do catolicismo: imagens de flagelo urbano inspiradas nos prédios de Roma povoaram a Bíblia de Lutero, representando a decadência moral católica.

Desde então, o imaginário de ruínas vem ganhando diversas conotações, como a recuperação do clássico no Renascimento e da nostalgia no período romântico. Na arte contemporânea, ruínas passaram a ter um sentido crítico sobre a paisagem herdada do modernismo e da industrialização, são "ruínas reflexivas" —termo cunhado pela pesquisadora Svetlana Boym em "The Future of Nostalgia" (Basic Books, 2001).

As imagens do incêndio e da queda da "torre de vidro" no largo Paissandu, registradas na madrugada do último 1º de maio, imediatamente resgataram o sentido bíblico. Elas se tornaram símbolo da falência do poder público e da sociedade em cuidar minimamente —na cidade mais rica do país— da vida de seus habitantes mais pobres.

 

Paradoxalmente, a arquitetura modernista surgiu, em grande parte, exatamente como resposta a essa demanda. As populações das cidades europeias explodiram no século 19 com a migração do campo devido à industrialização. A qualidade de vida dos operários, aglomerados em moradias precárias —prédios e ruas completamente insalubres—, provavelmente foi uma das piores da história.

Não à toa, Le Corbusier, o maior ícone do modernismo europeu (e tão influente no brasileiro), defende, em "Por uma Arquitetura" (Perspectiva, 1973), que apenas a substituição das antigas construções por uma arquitetura serial, industrializada, viabilizada pelas novas tecnologias do concreto e do ferro, poderia evitar a revolução de classes.

A inspiração do arquiteto Roger Zmekhol para a pele de vidro do edifício Wilton Paes de Almeida foram os arranha-céus norte-americanos de Mies van der Rohe, descritos por Giulio Carlo Argan em "A Época do Funcionalismo" (que integra o livro "Arte Moderna", Companhia das Letras, 1992) como "os primeiros elementos da cidade futura" —caixas de vidro em torno de uma estrutura central de serviços que permite a leveza da caixilharia das fachadas.

O prédio paulistano foi um dos representantes mais notórios do extremismo racionalista miesiano na cidade e, por essa razão, havia sido tombado em 1992, com apenas 24 anos de vida.

Prédios modernistas que se tornaram imagem da falência do poder público no Brasil não faltam, começando pelos óbvios exemplos das ruínas de Brasília. Mais desapercebidos passam os enormes esqueletos brutalistas encomendados pelas diferentes instituições do estado e da Prefeitura de São Paulo e abandonados antes sequer de serem acabados, nossas legítimas "ruínas do futuro".

Nenhum exemplo, porém, poderia ser mais significante do que a torre de cristal de São Paulo, pela expressividade progressista contida nessa arquitetura, pelo uso que passou a ter nos últimos anos, pela forma cinematográfica como caiu levando uma figura heroica do acidente —o morador Tatuagem—, por questão de segundos.

O prédio do Paissandu entrou no hall das grandes ruínas simbólicas do modernismo, cujos dois maiores representantes são o conjunto habitacional de Pruitt-Igoe, construído na década de 1950 em Saint Louis, Missouri, e implodido em 1972, e claro, as Torres Gêmeas do World Trade Center.

O momento da implosão do conjunto habitacional —15h32 de 15 de julho de 1972—, televisionado para todo o país, foi declarado pelo arquiteto Charles Jencks como o marco do final da arquitetura modernista.

predios desabando
Implosão do conjunto habitacional Pruitt Igoe, em 1972 - Getty Images

O complexo de 33 prédios de moradias de baixa renda era um premiado projeto do arquiteto Minoru Yamasaki, completado em 1956, mas que acabou se tornando famoso pela pobreza, segregação racial e violência. Era odiado por seus próprios residentes que, em 1971, pediram a destruição como única saída para resolver seus problemas. Para Jenks e outros pós-modernistas, o fracasso da construção se deu pelo autoritarismo de sua arquitetura e pela indiferença aos desejos das pessoas.

Por uma triste coincidência, o arquiteto Minoru Yamasaki foi também o autor das Torres Gêmeas do World Trade Center. Mas foi poupado de assistir à segunda destruição: morreu de câncer no estômago em 1986, aos 73 anos.

torres gemeas caindo
Torre sul do World Trade Center é atingida por avião enquanto a norte exala fumaça negra durante ataque terrorista em Nova York (EUA). - Sean Adair/Reuters

O primeiro emprego do arquiteto em Nova York foi no Shreve, Lamb & Harmon, escritório responsável pelo projeto do Empire State Building —outra pequena obra do acaso, se lembrarmos da piada que se fazia antes do 11 de Setembro, sobre as Torres Gêmeas serem as caixas de embrulho do Empire State e do Chrisler Building, os dois representantes mais admirados da arquitetura art déco nova-iorquina.

A construção das duas torres também não foi bem-vinda pela comunidade local, que nem foi consultada. A realização foi considerada fruto da arrogância e dos desejos pessoais do diretor da Autoridade Portuária e do presidente da Associação Lower Manhattan, o banqueiro David Rockefeller.

Yamasaki e o engenheiro estrutural Leslie Robertson desenvolveram uma estrutura inovadora, que concentrava as cargas de sustentação nas fachadas, similar a uma asa de avião —nada mais coerente com arranha-céus dessa grandeza.

Isso permitiu que os espaços internos dos andares fossem livres de pilares e ajudou também a explosão cinematográfica da construção pelo choque com as aeronaves, gerando teorias conspiratórias de céticos que desacreditavam que as torres poderiam simplesmente cair assim, como se tivessem sido implodidas.

O escritor T.J. Clark, em "O Estado do Espetáculo" (publicado no livro "Modernismos", Cosac Naify, 2007), diz que esse foi o maior sucesso do ataque. As imagens foram repetidas ininterruptamente pelas televisões, fazendo com que os terroristas se apropriassem da lógica do espetáculo do inimigo —o capitalismo acumulativo— para derrotá-lo, e o fizeram "espetacularmente".

Os dois maiores projetos de Yamasaki tiveram o fim mais inesperado: duas explosões intencionais cujas imagens não poderiam ter se tornado mais paradigmáticas de uma espécie de era das desilusões.

A primeira acabou se caracterizando mais como o fim dos extremismos que a arquitetura modernista alcançou no pós-guerra do que do modernismo em si.

A segunda se tornou evidência dos insucessos do capitalismo globalizado, cujas assustadoras consequências temos presenciado, e um palmo de terra a mais sobre o projeto racionalista.

O arquiteto e escritor russo Vladimir Paperny, ao descrever o ataque, escreveu: "os terroristas que destruíram as Torres Gêmeas podem ter sido modernistas melhores que Yamasaki. Eles basicamente redirecionaram duas forças da modernidade, mirando uma contra a outra: o avião mais poderoso do mundo (o resultado da fascinação modernista por voar) e os edifícios mais altos do mundo (o resultado da fascinação modernista com a verticalidade e a altura)". Em outras palavras: o feitiço virou contra o feiticeiro.

Paperny levanta uma questão: "O modernismo tem um mecanismo de autodestruição interno?". Num certo sentido sim, responde, a arrogância e generalização modernistas criaram seus próprios inimigos e detratores.

Mas completa: "A arquitetura moderna morreu em 1972, como proclamou Jenks? Longe disso. Uma nova geração de modernistas aprendeu a superar os excessos dos mestres, trazendo inovação, vitalidade e respeito ao genius loci [espírito do lugar]".

O que nos dirão as imagens dos escombros do Paissandu no futuro? 


Ana Ottoni, fotógrafa e arquiteta, é doutoranda pela FAU-USP com a pesquisa "Nostalgia reflexiva e a ruína modernista: o abandono na produção imagética contemporânea.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.