Bolsonaro é consequência de atrofia no imaginário brasileiro, diz crítico

Para autor, ideais da nova direita vinham sendo preparados no imaginário nacional por décadas

máscara de bolsonaro

Máscara de Jair Bolsonaro à venda em São Paulo  Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress

Claudio Szynkier

[RESUMO] Autor argumenta, à luz da filosofia de Merleau-Ponty, que ideais em torno dos quais se congregou a nova direita brasileira foram preparados no imaginário brasileiro por décadas. 

 

A filosofia do francês Maurice Merleau-Ponty (1908-1961) pode ser em grande parte definida como um trabalho de tradução e expansão da filosofia de investigação espiritual estabelecida pelos alemães Edmund Husserl (1859-1938) e Martin Heidegger (1889-1976).

Ponty incumbiu-se, ao mesmo tempo, de ser desbravador aventureiro e intérprete. E teve um reencontro em densidade com uma velha perspectiva fenomenológica (a fenomenologia, o “exame das essências”, é a escola filosófica inaugurada por Husserl): o mundo da vida.

O mundo da vida seria o mundo invisível do espírito humano e das formas em sua envergadura fundamental. O mundo social está contaminado pelo que acontece e se desenrola nesse mundo da vida, nessa dimensão do ‘sutil’, um tipo de reino da pré-consciência.

Nessa aldeia do imaginário e das percepções, há permanente gestação. Uma transformação que torna a dinâmica imaginativa matéria palpável. Ou seja, o que existe no mundo da vida, nessa esplanada da imaginação, nesse horizonte sutil, se converte em ideias, racionalizações, crenças; corporifica-se. Vira política e vira realidade. As coisas invisíveis, ensina Ponty, “encarnam”.

O que ocorreu no Brasil nos últimos 30 anos, culminando com a eleição de Jair Bolsonaro, foi uma lenta e brutal oscilação no governo do sutil e do mundo da vida. Bolsonaro é o retorno mais do que moral, estético, da burguesia ao poder oficial. Um retorno possibilitado por um confisco do mundo da vida, após um longo processo de litígio silencioso.

Para entender essa marcha, convém notar algumas faces da superfície do processo. Uma delas é a tese direitista popularizada nas redes sociais que afirma que a cultura brasileira seria predominantemente “esquerdista e humanista”, “inimiga dos valores tradicionais do capital, da civilização ocidental e da família”.

No entanto, há algo anterior a isso, mais significativo. A direita se fingiu de vítima nos últimos anos visando consolidar, com o bônus dos injustiçados, aquilo que já estava ganho, conquistado pelo triunfo aterrador no horizonte das sensibilidades.

A denúncia do asfixiamento de “qualquer pensar direitista” foi um refrão derramado pelos tutores e militantes da “onda direitista” e da eleição de Bolsonaro.

Nomes como Bernardo Küster, membros de uma nova organização conservadora (um think tank com timbre corporativo-tradicionalista chamado Brasil Paralelo) e Filipe Garcia Martins —hoje assessor de política internacional do governo— aromatizaram o ambiente online não só com o cheiro das catacumbas literárias que ensinam sobre a ordem clássica e a depravação modernista, mas com essa ideia de “asfixia da direita”.

A ideia se comprova mentirosa numa investigação simples sobre a história brasileira pela perspectiva do mundo da vida, das forças do invisível a determinar o curso das imaginações e dos projetos corporalizados.

O Brasil desde o Império vem penetrando, sem quaisquer pontos de insurgência notáveis, o campo da produção modernizante e do desenvolvimento material —com suas benesses reservadas aos que “trabalham duro”, aos que cultivam arrojamento empreendedor, aos que transformam sua biografia em um casamento sistêmico com o mercado, desde a escola (esse cada vez mais equipado laboratório de modelagem para o mercado de trabalho).

Esse acordo do desenvolvimento, do mercado, do produtivismo em detrimento da invenção humanista está no núcleo da história nacional, e esta é a verdade tropical: desenvolvimento e progresso, cuja matriz é uma tradição perene de escravagismo, versus desleixo fantasioso e ânimo inventivo a neutralizar e nublar o desenvolvimentismo que predomina numa terra que convida à placidez, a um descompasso desafiador da prosperidade compulsória.

O que ocorreu nos últimos 30 anos foi a quebra dessa estranha harmonia —e uma lenta degeneração do criar, de um tipo de criar mais inventivo, mais capaz de despertar uma sede de alforria em relação à vida consagrada ao produto. A ebulição criativa da esquerda pós-68, em geral, cessou ou foi isolada, o que deixou campo escancarado para o aprofundamento de uma “imaginação do consumo”, do “marketing pessoal”.

As cidades cresceram ao estágio de antros do colapso, criadouros do crime de toda sorte e reservatórios de tristeza humana, amortecida por remédios industriais destinados não tanto à pacificação das dores, mas à manutenção da ordem na produção. A equipe, o “time”, não funciona tão bem com pessoas transtornadas.

Os governos Lula e Dilma não foram senão o símbolo trágico de resistência despossuída, sem forças para evitar a derrota diante dessa abertura de campo, tão engenhosamente urdida quanto irrefreável. 

O bolsonarismo é, sem dúvida, um movimento popular. Mas um movimento popular fecundado nas nervuras da sensibilidade dominante nos últimos anos, já alterada e pervertida como um descampado arrendado à mentalidade business, uma zona livre a atrair “vencedores”, gente albergada em subempregos que quer “vencer” e futuros novos-ricos. 

O que a esquerda perdeu de maneira definitiva nos últimos 30 anos não foi a narrativa, mas a regência do mundo da vida. O balanço outrora vigoroso existente no coração da cultura brasileira entre o que seriam dois modos de vivência dentro do mundo da vida —o empresarial e o humano— se desintegrou.

Os elementos são amplos: a mentalidade corporativa, os centros urbanos inchados por uma sede de eficiência atordoante de um lado, de outro por uma atrofia nervosa; a vida orientada desde a infância pela ordem da produtividade; uma “virilidade atmosférica” norteada pela ética dos serviços com excelência. 

Ao mesmo tempo, há faces menos concretas desse fenômeno corporativo, que habitam a dimensão mais própria do mundo do sutil: a música popular robotizada, recriada como androide hedonista no funk; a ode a uma vida de aventuras humanas e musicais torpes no sertanejo universitário. Esses processos confluentes prepararam uma nova regulagem no “sutil” (perceber, crer, imaginar), uma desertificação segura, seguida de recolonização e loteamento do mundo da vida.

Esse foi o grande edifício projetado e erguido pela direita. Um serviço de aquisição integral da imaginação. Foi a primeira fase de colonização do “invisível”. Não foi preciso muito, com o processo de brutalização então maturado, para criar e explorar fases avançadas no confisco do horizonte sutil.

A partir da ação literária capitaneada pela editora Record, objetos culturais —espécie de “alta filosofia corporativa”— esboçaram uma ocupação do ambiente literário. Destacam-se títulos como “A Corrupção da Inteligência”, de Flavio Gordon, “Direitos Máximos, Deveres Mínimos”, de Bruno Garschagen, e “Por Trás da Máscara”, de Flavio Morgenstern. Cada um equivale a um fascículo de um manual de excitação de classe. São exames sobre o ambiente brasileiro “infestado de comunismo”.

O que os volumes trazem, além de teorias “antimídia” sobre assuntos correntes, é um esquema sofisticado de convocação cívica a bacharéis e gerentes. Uma solicitação a ativar e fundir substâncias culturais perdidas e caras à “civilização”. Cada um se faz documento das virtudes gramaticais de seus respectivos escritores emprestadas à pajelança reanimadora de um espírito corporativo de vanguarda no Brasil.

Não foi tão difícil convencer e unir uma comunidade de serviços esterilizada e funcional. Uma comunidade que é o reflexo e a fachada ideal para uma cordilheira de neuroses que não se deixam perceber e soam como pleitos civilizatórios, como alianças orgânicas entre pessoas “de verdade”, “simples”, “sinceras”, unidas ao “mecânico” que não aguenta mais ser “assaltado por vagabundo”.

O jogo já estava quase ganho no dia em que eclodiu a primeira manifestação de 2013, inicialmente coordenada pelo Movimento Passe Livre.

Na época não era claro, mas a imagem mais simbólica e premonitória ali foi captada pela TV: um jovem marombeiro saindo do trabalho, tentando arrombar a porta do Paço Municipal, no centro de São Paulo. Era o “fortinho de balada”. O fortinho —com mãos e, depois, rosto ensanguentado após confronto com a polícia— era uma imagem desfocada, mas já repleta de significados.

Em meio às névoas da ocasião, não se deu a devida importância àquele elemento revoltoso, trajando paramentos e símbolos da burguesia urbana brasileira. Não se entendeu o peso simbólico de sua participação.

O fortinho era a encarnação do que estava por vir. Um vulto da indignação sedenta por honra e desforra e, ao mesmo tempo, o suporte humano de uma imponência histérica. Essa era sua estética. Essa era a expressão do reino do sutil sobre ele. Com sua desabrida postura de rebelionário corporativo contra “tudo o que estava lá”, era o eleitor de Bolsonaro germinando, saindo do covil dos esquecidos para a atmosfera do sutil, e dali para a verdade encarnada das ruas.

O fortinho foi a primeira exteriorização do desfecho de 2018, que não foi outra senão o desenlace de uma reintegração de posse. O empresariado brasileiro sempre teve tudo, mas dividia o domínio do horizonte sutil, da circulação imaginativa, com a esquerda. Que, a fórceps, desbravou para si, ao longo do século 20, um campo de vanguarda, um acampamento provisório. Mas esse campo foi minguando —tornou-se aberto à grilagem, à ocupação daqueles que sempre desejaram possuir a área completa, sem concessões.

A história moderna, não só para Merleau-Ponty, seria a de um certo salvamento em meio aos assédios de uma velha ordem da dessensibilização e da animalidade que não quer desvanecer, uma ordem da obscuridade primitiva à qual se junta a descontrolada vontade “técnica”, um ávido “sub-racionalismo” a tentar escravizar e destroçar o espírito humano. É nesse sentido da “história mística” da modernidade que o bolsonarismo seria “pré-moderno”.

A esquerda, desanimada e intoxicada com bobagens (prezando menos a arte do que sua transfiguração como suporte pra recadinhos), não entendeu nada. Não entendeu a Revolução Playboy chegando em dissimulado esplendor. Não conseguiu comunicar as coisas sérias.

E não demorou muito para que a classe média, mobilizada em estado de euforia restauradora de sua glória, empregasse-se na exortação pelo porte de arma, “pra atirar em vagabundo”. É própria da vida do mercado a ideia de “sobrevivência dramática”, de “eliminação dos focos problemáticos dentro da organização”.

A coroação desse estado de alma brasileiro se deu em camadas múltiplas. No dia a dia, o dialeto do WhatsApp inundou as vísceras imaginativas da população com montagens amadoras do “mito” Bolsonaro e humor de escritório politicamente incorreto incubado na tradição brejeira nacional, aquela baseada no composto família, igreja, masculinidade torpe & pinga.

Um gênero humorístico de exaltação ao trabalhador revoltado com “os políticos”, mas feliz por uma visita ao puteiro. Uma disenteria de símbolos suburbanos peçonhentos, provenientes de perfis de Twitter, entufou celulares em 2018.

Não era incomum a nata literária do direitismo compartilhando publicações do gênero. Isso se explica porque as embalagens de sofisticação, as coleções de invólucros religiosos e de suportes de linguagem derivados de algum submovimento de vanguarda online, pescados nas postagens do fórum internacional de psicose conservadora 4chan, nunca foram exatamente antagônicos ao filistinismo, ao espírito burguês dessa “nova cultura” brasileira. A mesma coroação também se deu nos pactos formais que conflagram coisas de maior vulto.

Jair Bolsonaro é a corporificação dos sentimentos de uma classe média asselvajada talvez por natureza, mas também encorajada pela modulação no mundo das criações. O candidato que era a própria orquestração das vozes de uma elite convenientemente assustada (e atracada nas profecias de um apocalipse social que, se existir, não será reflexo de outro fenômeno senão o desenvolvimento afiançado por ela própria) venceu em solo livre.

Em terreno ressecado, mas firme o suficiente para continuar a construir o que quiser a imaginação de seus tutores e da massa que o conjurou numa espécie de espelho mágico.


Claudio Szynkier é crítico e pesquisador de arte.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.