De 'golden shower' a piada com japoneses, obsessão fálica marca Bolsonaro

Especialistas comentam fixação do presidente com genitais e sexualidade

Naief Haddad

[RESUMO] Presidente preocupa-se com a higiene do pênis, exibe vídeo de ‘golden shower’, faz gracejo com orientais e convida amigos para ‘abraço hétero’. O que especialistas têm a dizer sobre isso?

figura abstrata tridimensional
Capa da Ilustríssima - Rodolpho Parigi

Em junho de 1961, Jânio Quadros decidiu regular peitos e bundas. O então presidente da República proibiu o uso de biquíni nas praias e piscinas do país. Mas, como ele renunciou apenas dois meses depois, a determinação teve vida curta.

“O que ninguém sabe é que eu atendi a um abaixo-assinado de milhares de damas de São Paulo”, disse um Jânio exaltado ao programa Globo Repórter duas décadas depois. 

Jânio Quadros e Jair Bolsonaro se assemelham, entre outras coisas, na indignação contra o que veem como depravação sexual, mas uma diferença anatômica os separa. O presidente do “varre, varre, vassourinha” preocupou-se com seios e nádegas enquanto Bolsonaro parece mais atento ao pênis —em que pese a preferência por citações anais de seu ideólogo-mor, Olavo de Carvalho.

Diferentemente de Jânio, o atual ocupante do Planalto ainda não levou suas convicções sobre a sexualidade a decretos e medidas provisórias. Mas o repertório da genitália está presente em encontros com admiradores e postagens nas redes sociais desde antes da campanha. Assuntos das esferas pública e privada se misturam, sem mediação.

O episódio mais recente, revelador dessa inclinação presidencial, aconteceu no dia 15 de maio, quando Bolsonaro foi abordado por um estrangeiro de feições asiáticas no aeroporto de Manaus. Entre sorrisos e abraços, o homem disse apenas “Brasil” e “gostoso”. Ao ouvir o adjetivo, o presidente soltou um “opa!” e levantou os braços, sem quebrar o clima de descontração. Em seguida, aproximou o polegar do dedo indicador e perguntou ao rapaz: “Tudo pequenininho aí?”. Os assessores riram.

Nove dias depois, o presidente voltou ao assunto ao comentar a reforma da Previdência. “Se for uma reforma de japonês, ele [o ministro Paulo Guedes] vai embora. Lá [no Japão], tudo é miniatura”, disse. Representantes da comunidade japonesa no Brasil reagiram de modos diferentes. Alguns trataram os casos como piada; outros se incomodaram.

bolsonaro faz gesto de pinça perto de turista japonês
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) faz piada com turista japonês ao passar pelo aeroporto de Manaus (AM) a caminho de Dallas (EUA) - Reprodução

Pouco antes, em abril, o pênis tinha sido evocado como tema de saúde pública. “Nós temos por ano mil amputações de pênis por falta de água e sabão. Quando se chega em um ponto desse, a gente vê que nós estamos realmente no fundo do poço”, disse Bolsonaro na saída de um encontro no Ministério da Educação.

O alerta sobre a importância da higiene peniana e os gracejos pueris sobre o tamanho do órgão dos japoneses foram manifestações de recato se comparadas à mais ruidosa investida do mandatário na seara fálica: a famigerada postagem de um vídeo, durante o Carnaval, em que se via um um homem enfiando o dedo no próprio ânus e depois recebendo um jato de urina na nuca —prática conhecida como “golden shower”.

“Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população tomar conhecimento e sempre tomar suas prioridades”, escreveu Bolsonaro. No dia seguinte, ele voltou a tuitar: “O que é golden shower?”.

O psicanalista e colunista da Folha Contardo Calligaris diz que “se Bolsonaro se sentiu abismado com aquela situação, é porque algo ressoa nele. Não que ele tenha a fantasia de fazer isso [o golden shower], mas a dimensão sexual possível daquilo lhe apareceu em algum lugar a ponto de ouriçá-lo”.

Desde o início de sua carreira parlamentar de quase três décadas, não foram poucas as vezes em que Bolsonaro “se sentiu abismado” e fez referências discriminatórias contra a comunidade LGBT —ainda hoje insiste na piada insossa de convidar homens para “um abraço hétero”.

“Não se pode entender uma posição repressora contra os outros, seja ela qual for, a não ser como um modo de a pessoa se reprimir, de lidar com as suas próprias dificuldades”, afirma Calligaris.

Estamos no universo do recalque, um dos conceitos fundamentais da psicanálise. Consiste em “afastar determinada coisa do consciente, mantendo-a à distância”, escreveu Sigmund Freud.

“O que a gente reprime no mundo exterior é o que a gente precisa reprimir dentro de nós. É quase uma lei do funcionamento psíquico”, afirma Maria Lúcia Homem, psicanalista e professora da Faap.

Ela enfatiza, porém, que essas associações não podem ser feitas de maneira mecânica. Seria impreciso, portanto, dizer que quem não gosta de homossexuais é necessariamente gay enrustido. “Em alguma medida, todos somos [bissexuais], segundo Freud, porque a pulsão é acéfala”, explica a psicanalista. “Mas pode ser algo mais amplo, como uma defesa para preservar certa visão do macho alfa branco, que tem poder e autoridade.”

Em direção diferente da de Contardo e Maria Lúcia, Ageu Heringer Lisboa segue uma corrente que acredita “na integração da experiência religiosa e da sabedoria bíblica ao campo da psicologia e da psiquiatria” —como ele define. Em 1976, foi um dos fundadores do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), fraternidade da qual se tornou o primeiro presidente. O grupo reúne profissionais católicos e evangélicos de variadas denominações.

Para Lisboa, Bolsonaro demonstra incapacidade de conviver com gays, uma condição que se explica pela máxima “rejeito o que me causa estranheza”. Mas ele evita se estender sobre o tema por não conhecer de perto a vida do presidente.

O que Lisboa descreve como sentimento de “estranheza” foi responsável por outra decisão rumorosa, a ordem para retirar de circulação uma peça de publicidade do Banco do Brasil. Voltada para o público jovem, a propaganda apostava na diversidade contemporânea: uma mulher careca negra, um rapaz em um salão de beleza, uma negra com cabelos loiros, uma mulher com visual rastafári, um jovem branco de cabelos curtos e, supostamente, uma pessoa com aparência de transexual. 

Embora considere que Bolsonaro “mexeu com algo que não devia, uma questão boba”, Lisboa é compreensivo: “O que ele disse é que faltou uma tipificação de outros modelos. Não pode ser crucificado por isso”.

Bem diferente é o ponto de vista de Mário César Lugarinho, professor de literatura da USP, com especialização em estudos de gênero. Para ele, o veto à propaganda evidencia um olhar viciado. “Lembrando Freud, a perversão não está no objeto em si, está no olhar de quem olha. Para mim, que sou gay, era só mais uma propaganda. Não havia motivo para escândalo”.

Na avaliação de Calligaris, Bolsonaro se incomodou com a atmosfera de gente descolada da publicidade. “É como se ele pensasse: ‘O mundo está indo para um lado em que eu, com meu terno preto e meu chinelo Rider, não caibo’.”

Nascido na Itália, Calligaris estudou em universidades da França e dos EUA, países onde também atendeu pacientes. Sua análise do conservadorismo moral no país leva em conta uma perspectiva global.

“O Brasil é um país extremamente careta. Mesmo as pessoas que se presumem liberadas são caretas. Como temos as bundas no Carnaval, existe esse mito da sensualidade brasileira. Mas sexualidade é outra coisa. Tira a parte de cima do biquíni em Ipanema para ver o que acontece.” 

A caretice, diz ele, é sinal de falta de cultura. “Não tem nada de natural no sexo entre os humanos. O sexo é totalmente cultural. No Brasil, faz falta o recurso cultural, que permite elaborar fetiches, fantasias. Não é à toa que Paris é a capital erótica do mundo.”

Para entender o recrudescimento das visões moralistas, é preciso também considerar, segundo ele, a “onda de tentação sexual absolutamente insuportável” das últimas décadas nos meios de comunicação e numa internet povoada por pornografia. Nesse contexto, é inevitável que algumas pessoas “se sintam sitiadas pelos seus próprios desejos”, o que parece se aplicar ao perfil psicológico bolsonarista.

Na visão de Maria Lúcia Homem, a internet funciona como uma espécie de tecnologia antirrecalque. “Com o celular na mão, há contato direto com uma rede que pulsa. A pulsão não está mais aprisionada”, diz ela.

Antes de censurar a propaganda do Banco do Brasil, Bolsonaro já havia se indisposto com a Caderneta de Saúde da Adolescente, distribuída pelo Ministério da Saúde para meninas de 10 a 19 anos. Durante transmissão no Facebook, no início de março, ele alertou: “São 40 páginas, tem muitas informações boas, precisas, mas o final dela fica complicado”.

Continuou: “Quem tiver a cartilha em casa, dá uma olhada porque vai estar na mão dos seus filhos. Se você achar que é o caso, tira essas páginas que tratam desse tipo de assunto”.

Enquanto fazia suas recomendações, o presidente mostrava as páginas que julgava inadequadas. Uma delas exibia um passo-a-passo do uso da camisinha masculina. Outra identificava as diferentes partes da vulva.

A assessoria do Ministério da Saúde, chefiado por Luiz Henrique Mandetta, disse à reportagem que a possibilidade de produção de uma nova cartilha ainda está em análise.

Até que ponto Bolsonaro toma tais iniciativas por suas convicções morais e até que ponto encena situações midiáticas com vistas a manter a fidelidade de seu eleitorado ultraconservador?

“Essas questões de ordem moral compõem seu jeito de ser, suas contradições. Mas ele sabe que isso tem um apelo, que gera um efeito agregador”, analisa o antropólogo Ronaldo de Almeida, professor da Unicamp que se dedica ao estudo das religiões.

Segundo o professor de sociologia da USP Ricardo Mariano, especialista no segmento evangélico, Bolsonaro soube se reinventar na legislatura iniciada em 2011, quando se aproximou mais dos parlamentares dessa vertente. Até então, suas ligações políticas praticamente se restringiam à chamada bancada da bala. O presidente se define como católico, mas foi batizado nas águas do Rio Jordão, em Israel, em 2016, pelo pastor Everaldo (PSC).

Atento aos apelos por restauração moral encampados por religiosos e sem abrir mão das habituais promessas na segurança pública, Bolsonaro conquistou mais popularidade.

Foram, principalmente, as denúncias do fantasioso “kit gay”, a partir de 2011, que o tornaram mais forte no eleitorado evangélico. “O ‘kit gay’ foi uma catapulta na minha carreira política”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo, em abril de 2017.

A partir daí, a dita bancada da Bíblia colecionou triunfos, como a escolha do pastor Marco Feliciano para presidir a Comissão de Direitos Humanos, em 2013, e a vitória de Eduardo Cunha para o comando da Câmara dos Deputados, em 2015.

Em vídeo publicado em 2016, Bolsonaro acusava o PT, da então presidente Dilma Rousseff, de promover a sexualização precoce de meninos e meninas. Fazia críticas duras à divulgação de material cujo objetivo, segundo ele, era ensinar a criança a se tornar homossexual. 

Na verdade, o kit Escola sem Homofobia tinha sido encomendado pela Câmara dos Deputados ao Ministério da Educação e elaborado por ONGs especializadas. Não mostrava “crianças se acariciando e meninos se beijando”, como havia dito Bolsonaro. Além disso, não foi oficialmente distribuído nas escolas —sob pressão da bancada evangélica, Dilma cancelou a iniciativa.

Quando o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou a suspensão dos links com a expressão “kit gay”, em outubro de 2018, o vídeo somava 8,6 milhões de visualizações. 

Durante a campanha, o “kit gay” ganhou um subproduto insólito, a mamadeira de piroca. Veio a público em vídeo de 25 de setembro nas redes sociais. A produção, pelo que se sabe por ora, não partiu da campanha oficial do candidato do PSL.

A peça exibia mamadeiras com bicos em formato de pênis. Segundo o narrador do vídeo, esses objetos bizarros teriam sido distribuídos nas creches paulistanas durante a gestão de Fernando Haddad (PT). Foi outro ataque moralista das fake news, também suspenso pelo TSE.

Segundo pesquisa do Datafolha realizada três dias antes do segundo turno, 69% dos evangélicos declaravam seu voto em Bolsonaro e 26% preferiam Fernando Haddad, uma diferença expressiva em comparação com os índices da população como um todo. Com as urnas apuradas, o candidato do PSL atingiu 55% dos votos válidos, e o do PT, 45%.

A força de Bolsonaro nesse segmento não explica completamente a vitória dele na eleição, mas sem dúvida foi um fator de peso.

Para Ricardo Mariano, o candidato do PSL e seus admiradores souberam atiçar os “pânicos morais” da sociedade brasileira, especialmente dos evangélicos. Esses grupos mais conservadores, de acordo com o sociólogo, “acionam teorias conspiratórias, fake news inclusive, a partir das quais formulam diagnósticos de que a esquerda defende políticas anticristãs”.

Ageu Heringer Lisboa, do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos, discorda dessa avaliação. “O material de ensino do PT era claramente enviesado, fazia uma apologia LGBT. Era contra a discriminação [aos gays], mas também havia doutrinação”. Para preparar projetos dessa natureza, ele acredita, é preciso ouvir não só psicólogos, mas também representantes religiosos.

Embora critique os modos virulentos de Bolsonaro, Lisboa admite que o presidente soube “vocalizar as angústias de muitas famílias, assustadas com as formas como a sexualidade é apresentada na TV Globo e em outros veículos da mídia”.

Para ele, as famílias lideradas por casais heterossexuais são, em geral, retratadas de modo negativo nas novelas. “Já as famílias não tradicionais são vistas como descoladas”, diz.

Tomando como base o dia-a-dia do seu consultório, “um ponto de observação privilegiadíssimo”, Maria Lúcia Homem argumenta que essa “família cristã, tradicional, pautada na ética do trabalho” é quase uma ficção. “Falo com base na ciência, na psicanálise como um paradigma do conhecimento.”

Para a psicanalista, vivemos em meio a uma importante virada de civilização, que implica uma busca contínua para levar a consciência a lugares obscuros. “Estamos num projeto que dá lugar de nobreza à capacidade de pensar mais, de se conhecer melhor.” 

Segundo ela, a sanha moralista é um refluxo significativo, mas incapaz de deter esse movimento maior, que descreve como hiperiluminista. “Essa situação [do Brasil hoje] tem um custo psíquico altíssimo. Estamos num delírio coletivo que não é baseado no conhecimento da realidade e, por isso, não é sustentável, não vai durar muito tempo.”

Por outros caminhos, o antropólogo Ronaldo de Almeida chega a conclusão semelhante. Para ele, os grupos mais conservadores veem na realidade brasileira um processo de degeneração que tem duas bases principais: a corrupção, especialmente na política, e o enfraquecimento moral, ligado à visibilidade recente de novas configurações da sexualidade. 

Bolsonaro assumiu a Presidência com a promessa de travar esse duplo combate, mas reveses se impõem. Numa das frentes, surgem denúncias envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, que podem afetar a imagem de retidão ética do governante.

Em outra esfera, diz o antropólogo, embora ainda estejam em sintonia com Bolsonaro em causas como a defesa da família tradicional, setores evangélicos começam a se incomodar com os “procedimentos persecutórios” do presidente em relação a alguns grupos, como os gays. 

Almeida acredita que esse padrão não vai se sustentar a longo prazo —e faz uma paródia da frase bíblica frequentemente citada por Bolsonaro: “A verdade nos libertará!”. 

Vamos falar de sexo?

Kit gay
Um material preparado por ONGs ligadas à causa LGBT, a pedido do Ministério da Educação (liderado à época por Fernando Haddad), passou a ser chamado de kit gay por Bolsonaro em 2011. Segundo o então deputado federal, era um estímulo para que os alunos se tornassem homossexuais. Ao contrário do que ele disse, o kit não mostrava “crianças se acariciando e meninos se beijando”. Além disso, nunca foi oficialmente distribuído para as escolas —após críticas da bancada evangélica, Dilma Rousseff havia engavetado a iniciativa. Durante a campanha de 2018, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) suspendeu links com a expressão kit gay

Mamadeira de piroca
É um subproduto do kit gay. Durante a campanha, circulou um vídeo que mostrava uma mamadeira com bico em formato de pênis, apontada como um objeto distribuído nas creches paulistanas em iniciativa do ex-prefeito Fernando Haddad. A informação era falsa, o que levou o TSE a determinar a retirada do vídeo

“Aparelho Sexual e Cia.”
No Jornal Nacional, em agosto de 2018, o então candidato Jair Bolsonaro criticou o Ministério da Educação pela adoção do livro infantojuvenil “Aparelho Sexual e Cia.” (Companhia  das Letras), informação desmentida pelo ministério e pela editora. “O pai que tenha filho na sala agora retira o filho da sala para ele não ver isso aqui [o livro]”, disse. Seguindo as regras das sabatinas, os apresentadores o impediram de mostrar o livro

Golden shower
Durante o Carnaval deste ano, Bolsonaro divulgou vídeo que mostrava um homem introduzindo um dedo no próprio ânus e recebendo um jato de urina na nuca. Eram participantes de um bloco de Carnaval de São Paulo. No dia seguinte, tuitou ”o que é golden shower?”

Propaganda do Banco do Brasil
Em abril, Bolsonaro mandou tirar do ar uma campanha publicitária do Banco do Brasil dirigida ao público jovem com atores que representavam a diversidade racial e sexual. “A linha mudou. A massa quer o quê? Respeito à família”, disse

Turismo com mulheres
No fim de abril, o presidente afirmou que “quem quiser vir aqui [ao Brasil] fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”. E emendou: “O Brasil não pode ser um país de turismo gay” porque aqui “temos famílias”

Sem aditivos
Em maio, Bolsonaro disse a Silvio Santos que está “na ativa, sem aditivos”, referência a medicamentos contra impotência sexual

Japonês
Também em maio, um homem de feições asiáticas abordou Bolsonaro para tirar uma foto. Brincando com o presidente, o admirador disse “Brasil” e “gostoso”. O mandatário o abraçou e, ao aproximar o polegar do indicador, perguntou: “Tudo pequenininho aí?”. Nove dias depois, Bolsonaro retomou a associação entre japonês e pênis pequeno ao comentar a declaração do ministro Paulo Guedes de que deixaria o país caso fosse aprovada uma “reforminha” da Previdência. “Se for uma reforma de japonês, ele vai embora. Lá [no Japão], tudo é miniatura”, declarou


Naief Haddad é jornalista da Folha.

Ilustrações de Rodolpho Parigi, artista visual.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.