Descrição de chapéu Perspectivas

No século 21, romance se renovou no Brasil e periferia ganhou projeção

Crítico avalia o que há de forte e permanente na literatura brasileira neste final de década

Luís Augusto Fischer

Estimar o futuro pode ser exercício ocioso, a menos que nasça do exame de interesses e tendências relevantes do presente. Vale lembrar o exemplo de Machado de Assis, que aos 40 anos, em 1879, desenvolveu um diagnóstico de singular inteligência no artigo “A nova geração”. 

Ele observava que, para os jovens, ocorrera “uma circunstância grave, o desenvolvimento das ciências modernas, que despovoaram o céu dos rapazes, que lhes deram diferente noção das coisas”, de tal modo que “um dos caracteres da nova direção intelectual terá de ser um otimismo, não só tranquilo, mas triunfante”. 

Era a força não dos temas da ciência de moda, figurada no evolucionismo, mas sim do espírito triunfante dessa corrente. 

Com um sentido aguçado para os processos históricos, Machado percebeu: os jovens tripudiavam do romantismo, mas algo dele permaneceria, “alguma coisa entra e fica no pecúlio do espírito humano”. A pergunta é: o que temos de realmente forte, no fim da segunda década do século 21, que indique permanência?

Nas três gerações em atuação hoje —nascidos nos anos 30 e 40, como Verissimo, Chico Buarque e Augusto de Campos; outra com nascidos nos 50 e 60, como Hatoum, Tezza, Mussa, Ruffato, Paulo Lins, Rubens Figueiredo, Beatriz Bracher; e a mais nova, dos nascidos depois de 70 e 80—, há conquistas estáveis, territórios temáticos, estruturais e linguísticos incorporados ao pecúlio geral da literatura. 

A indiscutível excelência na canção (gênero obviamente literário), desde há 50 anos pelo menos, encontra paralelo na força do rap nas últimas décadas. O impressionante e inesperado papel das letras do rap na educação poética da juventude periférica parece confluir no vigor dos festivais de slam hoje. 

Em poesia, nenhuma voz se impôs claramente, suspeito que exatamente pela força da canção. Mas temos figuras de primeiro nível (Paulo Henriques Britto, Ricardo Aleixo, Angélica Freitas). 

O romance conheceu forte renovação nas três gerações. Com vocação para acolher a variedade da vida em seus próprios termos, tem sabido vocalizar experiências de incontáveis grupos humanos específicos, incluindo a vida na periferia, a perspectiva feminina (Maria Valéria Rezende, Elvira Vigna) e a condição negra (Conceição Evaristo, Ana Maria Gonçalves), tanto quanto o universo LGBT (Trevisan, Marcelino Freire). A autoficção teve já realizações de alta qualidade (Tezza, Tiago Ferro).

Rap e romance formam um par que se reforça internamente no registro da vida das periferias, tanto quanto, nos anos 70 e 80, parece ter acontecido com a canção e o conto.

Os Racionais, Paulo Lins e Ferréz são já clássicos a ponto de figurarem entre leituras obrigatórias de vestibular, abrindo caminho para revisão do passado (Firmina dos Reis, Lima Barreto, Carolina Maria de Jesus) e para o trabalho das novas gerações (Geovani Martins, Jessé Andarilho, Cidinha da Silva, Jeferson Tenório). Nada nessas tendências sugere esgotamento. 

geovani olha para o alto
O escritor carioca Geovani Martins - Reinaldo Canato/Folhapress

O que anda desprestigiado, como tema e horizonte mental, é aquilo que se chamava, mal e genericamente, de “regionalismo”, o registro dos mundos interioranos das províncias. Contam-se nos dedos de uma mão os exemplos atuais bem-sucedidos (Francisco Dantas, Ronaldo Correia de Brito, os novos Itamar Vieira Júnior, Ana Paula Maia).

Uma tendência visível mas ainda não consolidada é a literatura feita por indígenas, que enfrenta problemas imensos e vivos. É verdade que desde os anos 1980 se conhecem iniciativas editoriais nesse sentido, havendo já figuras consolidadas (Daniel Munduruku, Eliane Potiguara).

Há mesmo obra sublime, de alcance inédito e permanência certa, “A Queda do Céu”, de Davi Kopenawa e Bruce Albert, um feito literário singular, fruto de décadas de interação entre os dois autores, um xamã e um antropólogo francês.

Vista a cena em panorama, creio que o teor radical da tese do lugar de fala tende a perder sentido, na medida em que periféricos, mulheres, LGBTs, negros, indígenas escrevem e são lidos sem entraves intransponíveis.

Dois grandes campos de interesse não têm sido tratados com a força que merecem. Um deles é a dimensão internacional. Salvo alguns momentos e casos pontuais, a literatura atual dialoga pouco com o mundo extra-brasileiro, eco perfeito do autoisolamento do país. Outro é o mundo do poder, econômico ou político. São também excepcionais casos como os de Bernardo Carvalho e Ricardo Lísias, dispostos a examinar o andar de cima.

Olhando tendências da literatura ocidental, pouco tem aparecido no Brasil da mescla de narrativa ficcional, memória e ensaio, que caracterizou a obra de figuras maiúsculas como Ricardo Piglia e W.G Sebald. Esta promissora frente de atuação, que depende de uma estreita interação entre pensamento crítico e criação ficcional, terá bom caminho em português?


Luís Augusto Fischer é professor de literatura na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e autor de “Literatura Brasileira - Modos de Usar” (L&PM).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.