Seminário com Mangabeira Unger, mostra de Regina Silveira e mais dicas

Veja as indicações culturais da Ilustríssima para a próxima semana

[SEMINÁRIO] Mangabeira Unger

Faculdade de Direito da USP. (11) 3111-4000. Ter. (12), das 9h às 22h. Grátis.

O filósofo e professor da Universidade Harvard é homenageado com um dia de debates sobre sua obra, que reúne do cantor Caetano Veloso até o político Ciro Gomes, com participação de acadêmicos como o professor de direito econômico Alessandro Octaviani, da USP, o professor de direito e ciências sociais Charles Sabel, da Universidade Columbia, e o cientista político Carlos Sávio Teixeira, que lança um livro sobre o autor.

[ÓPERA] A Viúva Alegre

Theatro Municipal de São Paulo. (11) 3053-2100. De 14 a 24/11, exceto seg. (18). De ter. a sáb., às 20h; dom., às 18h. De R$ 20 a R$ 120.

O espetáculo cômico é a primeira opereta dirigida por Miguel Falabella e apresenta de forma inédita o texto do austríaco Franz Lehár em português. Na montagem, que cumpre curta temporada e é acompanhada pela Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, uma jovem viúva de milionário busca um novo par numa festa aristocrática e se reencontra com um antigo amor.

porcelana quebrada
'Crash' (2014), de Regina Silveira - Divulgação

[EXPOSIÇÃO] Regina Silveira

Luciana Brito Galeria. (11) 3842-0634. De ter. a sex., das 10h às 19h; sáb., das 11h às 18h. Até 29/2. Grátis.

Na mostra intitulada “Coisas”, artista plástica de 80 anos conhecida por suas instalações, reúne pela primeira vez um panorama de sua obra em porcelanato e vidro. São 30 trabalhos, feitos de 1990 a 2018, nos quais ela intervém sobre objetos do cotidiano e os desloca em busca de um novo significado poético.

[LIVRO] Fantina: Cenas da Escravidão

Chão Editora. 192 págs. R$ 49.

O romance escrito originalmente em 1881 por Francisco Duarte Badaró descreve a maneira como um senhor, após conquistar uma viúva num casamento de interesse, passa a abusar sexualmente de suas escravas —provocando o drama da personagem-título, que é uma delas. A obra tem posfácio de Sidney Chalhoub, historiador da Universidade Harvard, que discute o papel essencial da literatura no abolicionismo brasileiro.

[MOSTRA] William Blake

Casa das Rosas. (11) 3285-6986. De ter. a sáb., das 10h às 22h; dom., das 10h às 18h. De 13/11 a 19/1. Grátis.

A exposição traz recriações modernas de chapas e impressos do poeta britânico, considerado precursor de movimentos como a geração beat e o surrealismo, que produzia livros inteiros de forma artesanal. Também há obras do acervo de Haroldo de Campos e adaptação de seu irmão, Augusto, para um poema do escritor.

[TEATRO] Plínio Marcos

Galeria Olido. (11) 2899-7370. Seg. (11 e 18/11), qui.(14 e 21/11) e qua. (27/11), às 19h. Grátis.

Ciclo de leituras dramáticas com elenco e direção rotativa apresenta algumas das principais obras do dramaturgo paulista morto há 20 anos, como “Abajur Lilás”, que terá Genézio de Barros em cena, “Navalha na Carne”, com a participação de Tuna Dwek, e o monólogo “O Homem do Caminho”, com Greco Trevisan.

[LIVRO] O Avesso das Coisas

Companhia das Letras. 288 págs. R$ 59,90.

Lançado originalmente em 1987, o volume agora reeditado reúne aforismos de Carlos Drummond de Andrade, organizados em forma de verbetes quase dicionarizados, permitindo que o autor de “Sentimento do Mundo” ofereça suas definições próprias para palavras de uso diário e fazendo o leitor repensar suas ideias.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.