Sequestros de crianças comprovam violência extrema da ditadura

Eduardo Reina, convidado do podcast da Ilustríssima, escreveu livro sobre esse tema pouco abordado

No livro "Cativeiro sem Fim" (ed. Alameda), o jornalista Eduardo Reina aborda um tema pouco explorado: o sequestro de bebês, crianças e adolescentes durante a ditadura militar.

Reina relata 19 casos, como o de recém-nascidos adotados de forma irregular por militares, com certidões de nascimento falsas.

Em outro episódio, uma garota de cerca de 10 anos foi presa e torturada ao lado da mãe. E houve até mesmo o caso de um menino sequestrado por engano.

Na entrevista ao episódio desta semana do podcast Ilustríssima Conversa, ele conta detalhes dos sequestros e da luta atual das vítimas para encontrar suas verdadeiras famílias.

eduardo reina
O jornalista Eduardo Reina, autor de "Cativeiro sem Fim" - Marcus Leoni/Folhapress

Além do link acima, a Ilustríssima Conversa pode ser acessada nos principais sites e aplicativos de podcasts, como Stitcher e o Spotify, ou direto pelo app Podcasts, que já vem instalado em iPhones. O ouvinte pode se inscrever e assinar o podcast —sem qualquer custo—, passando assim a receber alertas quando novos episódios são publicados.

O podcast Ilustríssima Conversa entrevista, a cada duas semanas, intelectuais e autores de livros de não ficção para discutir suas obras e seus objetos de pesquisa.

Já participaram do programa Sidarta Ribeiro, neurocientista que estuda o sono e os sonhos; Laurentino Gomes, que falou sobre seu novo livro, "Escravidão"; Sérgio Haddad, biógrafo de Paulo Freire; Giselle Beiguelman, que discutiu as políticas de memória e esquecimento do Brasil; a psicanalista Maria Rita Kehl; o arquiteto e urbanista Guilherme Wisnik; o cientista político Sérgio Abranches; a antropóloga Lilia Schwarcz; o ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro; a economista Laura Carvalho, entre outros. 

Você encontra a lista completa de episódios no índice do podcast Ilustríssima Conversa. ​​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.