Descrição de chapéu

Especial do Porta dos Fundos é conservador e ridiculariza gays

Segundo Vincent Villari, autor da Globo, espanta que direita cristã tenha reagido

Vincent Villari

[RESUMO] Especial de Natal do grupo de humoristas é conservador ao mostrar vitória do filho de Deus sobre tentação de Diabo homossexual caricato; espanta que a direita cristã tenha reagido.

“O conservadorismo venceu”. Foi o que pensei após assistir ao especial de Natal do Porta dos Fundos. Gosto da turma, acompanho sua obra com interesse e me diverti com o especial do ano anterior, então minhas expectativas para o novo programa eram altas. De fato, ri com as tiradas sagazes disparadas ao longo do episódio. Mas o conjunto... (A partir daqui, há spoilers, caso você tenha passado férias em outro planeta.) 

Durante o programa, fica subentendido que Jesus cedeu às tentações sexuais do “amigo Orlando”, no deserto. Em nenhum momento ele se assume gay ou beija o amigo na boca; o Jesus do episódio se assemelha mais a um rapazote da geração Z, meio atordoado diante das várias possibilidades oferecidas pelas “relações líquidas” atualmente disponíveis.

Não que o humor do grupo possa ser acusado de sutil, pois piadas de duplo sentido jorram como maná, mas a abordagem desse novo padrão de comportamento, distante da afetação costumeiramente associada aos gays em programas de humor, me pareceu um ponto a favor. 

Só que o “amigo Orlando” é, na verdade, Lúcifer, um homossexual tão exuberante e ridículo quanto os Seus Perus e as Veras Verões da época em que os gays se prestavam docilmente ao escárnio dos “cidadãos de bem” para serem, se não aceitos, ao menos suportados no cantinho da sala.

Lúcifer revela-se o mal encarnado, com a avidez voluptuosa de uma Paola Bracho, e Jesus, afinal, um bom rapaz, combate o demônio e o vence, honrando o título de Filho de Deus. Não que o Deus fanfarrão do episódio valha grande coisa, mas o mundo se reordena exatamente de acordo com a premissa bíblica do êxito do Bem sobre as tentações do Mal.

E o que está em primeiro plano no Mal apresentado no episódio? A homossexualidade. Através da qual Jesus foi tentado no deserto e sobre a qual ele triunfa. 

É claro que a turma do Porta não é a favor da cura gay —e, justiça seja feita, o Jesus “emo” sai de cena excitando-se com a escalação de seus apóstolos varões. Também não é o caso de se esperar que um programa de humor force a sociedade a refletir sobre seus padrões morais e comportamentais —embora possa fazer isso, como Hannah Gadsby demonstrou recentemente. Mas um Jesus bem-intencionado derrotando um Diabo gay num especial de Natal? 

Senti um travo amargo diante daquele Lúcifer homossexual vulgar e grotesco que tentava corromper e degenerar, e acabava sendo destruído pela força do Bem. Era a última mensagem que eu desejava receber no final daquele quase distópico ano de 2019, ainda mais vindo do Porta dos Fundos! 

Considerei que, talvez, prevendo a reação do público cristão, os realizadores tivessem buscado uma espécie de equilíbrio (um Jesus um pouco gay do bem e um diabo muito gay do mal) que, ao desagradar a todos por igual, obteria um saldo positivo.

Um excesso de cautela inútil, pensei —afinal, se o Jesus do especial anterior era um mau-caráter e ninguém ligou, por que se queixariam agora? Cautela vã e também equivocada, porque, diante de tamanha associação da homossexualidade ao Mal, a comunidade gay vai criticar esse programa que claramente resultou conservador e tendencioso, o que será um merecido puxão de orelhas no grupo —e com isso concluí minha breve análise. Desliguei a TV e não pensei mais nisso.

Dias depois, ouço comentários sobre a ampla e ruidosa repercussão negativa ao programa. Fui conferir e levei o último grande susto do ano ao descobrir que não eram os gays que estavam se insurgindo, e sim os conservadores.

Que Deus fosse mulherengo e capcioso, tudo bem; que Lúcifer parecesse uma dominatrix do Vaticano, tanto fazia; mas o Ungido de Deus não podia ser representado daquela forma. Nenhum problema em relação ao Jesus bandido do outro especial —mas um Jesus viado, ah, agora esses humoristinhas passaram dos limites.

Logo a repercussão saltou do mundo virtual para o real, com direito a processos, tentativas legais de tirar o programa do ar e até um atentado terrorista à produtora do grupo.

O cristianismo fez do sexo o maior tabu da humanidade —quem diz isso não sou eu, é a história. Ocorre que, nos últimos 20 séculos, os modelos de comportamento social e sexual eram pouco numerosos e bem decalcados: tínhamos o bem e o mal, o pio e o ímpio, o certo e o errado. Contudo, nos últimos 20 anos, esses modelos se multiplicaram de modo exponencial, e o que possuía a clareza de um único tom se diluiu em inúmeros matizes possíveis.

Hoje, podemos ver em uma mesma rua ou casa um homem que pratica valores da Idade Média, uma universitária que se prostitui para pagar o supletivo do marido, um bissexual celibatário, a Laerte e sua esposa.

Há um consenso crescente, mundial e irreversível de que o uso que cada pessoa faz de sua identidade e orientação sexual não a define como boa ou má, pois só se pode ser bom ou mau em relação a alguém, enquanto os modos de vivenciar a própria sexualidade são decisões de caráter estritamente individual. 

De acordo com esses novos padrões, você pode escolher a pasta mais adequada para seus dentes, o queijo mais saboroso para o seu paladar e o jogo sexual que melhor lhe aprouver, sem que o terceiro caso tenha mais peso que os outros dois e sem que essas decisões o tornem mais ou menos digno de respeito.

O entendimento sobre o que cabe nos limites da individualidade mudou muito em muito pouco tempo, e as pessoas que não têm conseguido acompanhar essas mudanças se encerram em uma bolha conservadora na tentativa de conservar suas então frágeis e questionadas certezas (outro típico movimento histórico).

O resultado é que nunca pessoas que pensam, sentem e agem de modos tão diferentes foram obrigadas a coabitar um mesmo espaço social, o que tem gerado raiva, angústia, violência, frustração e medo. Efeitos colaterais necessários para a elaboração de um novo mundo?

Nunca, no Brasil, se falou tanto em sexo quanto em 2019. Temos, pela primeira vez, um governo federal que explora o assunto ininterruptamente, quase sempre em tom discriminatório, e sempre causando apaixonadas reações. 

Ora, segundo o Antigo Testamento, a homossexualidade não é um pecado mais mortal que comer camarão ou trabalhar no dia do Senhor, e eu nunca vi ninguém ir bater panela na frente do Coco Bambu em um dia de domingo. Por que, então, tamanha obsessão diante do comportamento sexual alheio?

Por mais que façamos parte de uma cultura judaico-cristã que sempre reprimiu o prazer e de uma cultura latina que sempre enalteceu a macheza e o machismo, há algo de profundamente anacrônico na importância aterrorizada que seguimos dando a isso.

O caso do Porta dos Fundos é exemplar por trazer dois Jesus justapostos: um macho e vilão, outro gay e bom. O que causou repulsa foi o segundo.

Em 2011, um político declarou, com convicção, que preferia ter um filho morto a um filho gay. Sete anos depois, elegemos como presidente da nossa República, entre 13 candidatos possíveis, esse mesmo homem, que apresentou em torno dessa opinião um conjunto de valores correspondentes e não admite contrariedades. Essa é uma escolha fortemente significativa, porque expressa quem somos atualmente como nação e como funcionamos. 

Estariam a classe dominante e seus simpatizantes temerosos diante da perda de um protagonismo social até então inviolável? Afinal, se já é possível considerar um Cristo gay, é porque os gays adquiriram força suficiente para sair do cantinho e ocupar o centro da sala... 

Creio que o ímpeto de censurar o programa e calar seus realizadores tenha mais a ver com um desejo de manutenção de poder e recuperação do controle social e cultural do que com o respeito à fé cristã.

Afinal, se toda a moral católica foi erigida em torno da busca pelo Bem, não faz sentido ignorarmos um Jesus que faz o mal e nos horrorizarmos com outro que é bom, apenas por ter relações sexuais com outros homens. Fazer sexo não pode ser pior que fazer o mal.

É preciso refletir sobre esta nossa idiossincrasia moral, porque aí reside uma chave crucial daquilo que nos segrega, nos isola em bolhas e fomenta nossas aversões. 
Temos de reaprender a dialogar, a atualizar nossas opiniões, a compartilhar com mais generosidade a coautoria da história e a discordar sem menosprezar ou desrespeitar. Jesus, hétero ou gay, estaria de acordo. Mas creio que será um longo processo. 

Quando fui conversar com amigos gays sobre o especial, a maioria não quis ver, por não ter interesse nas “transgressões vilamadalênicas”; e os que viram, pouca graça acharam.

Em relação à censura, achei que haveria apoio ao grupo, mas novamente me enganei: nenhuma solidariedade especial, já que, como gays, não se sentiam representados e tudo lhes parecia apenas uma tediosa briga de homens héteros, brancos e de classe média entre si. Estamos mais cindidos, mais feridos e mais ressentidos do que supomos. 

Todos se sentiram desagradados, de fato, mas gritou mais alto quem está menos habituado a lidar com isso. Pensando bem, acho que o Porta dos Fundos involuntariamente acabou sendo ainda mais bem-sucedido que Hannah Gadsby ao colocar a nossa sociedade nua e sem maquiagem diante do implacável espelho da história.

Somos o que pensamos, somos como agimos, e estes somos nós hoje, para o Bem e para o Mal. Refletir-nos a nós mesmos, eis uma das funções mais nobres de qualquer expressão artística.

Vincent Villari

Jornalista e roteirista, autor das novelas ‘Ti-ti-ti’, ‘Sangue Bom’ e ‘A Lei do Amor’, da TV Globo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.