Com tsunami Sanders, socialismo deixa de ser palavrão nos EUA

Voluntário em comitê, Idelber Avelar explica entusiasmo de jovens pelo populista de 78 anos

Idelber Avelar

[resumo] Professor brasileiro voluntário na campanha do pré-candidato democrata explica como o político de 78 anos mobilizou multidão de jovens e fez do termo socialista, antes quase palavrão nos EUA, uma plataforma possível

“E o Oscar vai para… elegibilidade!” Na sala repleta de laptops e celulares em que nos reunimos em mutirões de telefonemas pela candidatura de Bernie Sanders, a voluntária repete a piada interna, já clássica entre nós, sobre a preocupação do eleitor. Mais de 60% dos democratas têm como prioridade a escolha de um candidato, qualquer que seja ele, que derrote o presidente Donald Trump na eleição deste ano.

Desmontar o argumento sobre a suposta inelegibilidade de Sanders tornou-se o pão nosso de cada dia. Digo aos colegas que no meu país de origem o argumento é reiterado, porque como lente para entender os EUA de 2020 muitos só têm o Brasil de 2018. Olho ao meu redor e noto que o voluntário mais velho terá, no máximo, metade dos meus 50 anos.

Com intensidade rara nos EUA, um aluvião de jovens de 16 a 25 identificou-se com um político de 78 anos que defende as mesmas políticas antes de que muitos de seus pais tivessem nascido. O tsunami Sanders é uma temporalidade insólita, que reúne o velhinho a garotos que o defendem com devoção.

Bernie impulsionou os mais novos a abraçar políticas públicas que há dez anos eram impensáveis, desqualificadas como extremas. Elas são hoje factíveis porque os muitos jovens reconheceram em Sanders a longevidade da consistência (na linda expressão cunhada pelo escritor Cornel West). Esse reconhecimento começou na histórica rebelião Occupy Wall Street, em 2011, brutalmente reprimida pela polícia de Nova York, que chegou a ter dias cariocas.

Ainda há muito o que se fazer na análise dos movimentos progressistas deste século, mas sabemos de uma singularidade dos EUA. As relações entre Sanders e o Occupy Wall Street não têm paralelo. Ele surgiu como líder que capitalizou a revolta e traduziu-a em plataforma de governo (o que Marina Silva poderia ter feito em junho de 2013), mas há outra volta do parafuso.

As revoltas só aconteceram porque Sanders havia estado lá durante décadas, dizendo as mesmas coisas, solitário, incógnito, com a paciente convicção de estar insistindo em uma promessa para o futuro. Quando os manifestantes se reuniram em Zucotti Park no outono de 2011, muitos já eram inspirados por ele. E ele não era ninguém nacionalmente antes de os inspirar.

Essa retroalimentação entre Sanders e o Occupy Wall Street se desdobra em um populismo que rompe com o foco personalista na figura do líder. A consigna mais reiterada do movimento que se congrega em torno dele é “não eu, nós”.

Analistas do discurso político hão de convir que a experiência do movimento Sanders é notável. Não conheço paralelo de uma transformação como a que ele impõe ao vocábulo socialista, que em menos de dez anos, na maioria das variações dialetais do inglês falado nos EUA, foi de palavrão-espantalho a plataforma possível à mesa de cozinha.

Sanders reivindica a palavra há mais de 50 anos, mas o deslocamento de sua pragmática nos EUA é coisa de 10, especialmente quando modificada pelo adjetivo democrático, que é o contexto em que ele sempre usa o substantivo. O sujeito da enunciação se articula na primeira pessoa do plural: mesmo na onda Obama de participação jovem em 2008, os voluntários se submetiam a uma hierarquia, com chefes que se reportavam ao comando geral. Agora, o aplicativo BERN permite aos voluntários que se auto-organizem e dirijam seus próprios mutirões de telefonemas e visitas a domicílio. 

O entusiasmo dos jovens com Barack Obama em 2008 foi uma irrupção centrada na figura do político; a mobilização em torno a Sanders em 2016-20 se conforma em outra temporalidade, cozinhada ao longo de anos na revolta contra precariedade, dívidas, guerras. Essa diferença se expressa em uma campanha tentacular, com reiteradas experiências de autogestão em suas bases. 

Sanders tem comitês autogestionados dando telefonemas em espanhol, português, mandarim, árabe e o que mais você imaginar. Depois de sua estrondosa goleada nas prévias de Nevada (22/2), boa parte do establishment descobriu que 140 mil filipinos vivem naquele estado e que há cinco anos a campanha de Sanders dá telefonemas e faz visitas a domicílio em tagalo —a quarta língua mais falada nos EUA.

Não seria incorreto caracterizar  Sanders como populista, e assim ele tem sido nomeado (“progressista” ou “de esquerda” são outros rótulos comuns). Nas teorias sobre o populismo, em geral aponta-se a presença de um antagonismo que opõe o povo a algo exterior a ele. 

Esse antagonismo existe no discurso de Sanders: trata-se do 1%, os bilionários que terão que pagar seu quinhão de impostos para que se realizem o sistema universal de saúde, o ensino superior público sem pagamento de mensalidade e o cancelamento da trilionária dívida estudantil. 

Sabe-se que a operação que possibilita o slogan do 1% é eufêmica. A social-democracia sanderseana só pode ser paga com aumentos de impostos sobre uma faixa bem mais ampla, e isso é sabido pelo setor da classe média que o apoia e é dito pelo candidato. 

Ao ouvir “aumento de impostos para a classe média”, os voluntários temos a resposta na ponta da língua: jamais foram contestados os números da campanha; para a classe média, o aumento de impostos será menor do que a economia com mensalidades, copagamentos e remédios. Xeque-mate, e ao levá-lo o interlocutor volta à … elegibilidade! 

É uma espiral infinita, porque o legítimo debate sobre elegibilidade foi prejudicado pela fixação do partido Democrata e de parte da imprensa na “interferência russa”, muleta com que se mascarou o desastre de Hillary Clinton na eleição de 2016, quando ela se referiu a metade do eleitorado como “cesto de deploráveis” e nem sequer lembrou-se de viajar a estados-pêndulo como Michigan, ocupada em visitar estados republicanos como a Geórgia, para transformar a suposta vitória em goleada. 

É como perder de virada aos 44  e 46 porque você decidiu que era necessário humilhar o adversário com um gol de cabeça de seu goleiro aos 43. Mesmo assim, há um senso comum pontificando que se a candidata centrista fracassou contra a extrema-direita, fracassará também o esquerdista. No caso de observadores brasileiros, a suposição inclui uma analogia com o Brasil de 2018. 

Como o antipetismo elegeu Bolsonaro, como o petismo é a força mais à esquerda entre as grandes, e como Ciro, Alckmin ou Marina teriam tido mais chances contra Bolsonaro no segundo turno que o petismo, o palpitólogo imagina que Joe Biden, Michael Bloomberg e Pete Buttigieg têm mais chances que Sanders contra Trump, afinal são “mais moderados”. É um erro elementar.

Tanto os mapas eleitorais como a bibliografia sugerem que a clivagem que vai se conformando nos EUA não acontece em um contínuo direita-esquerda, mas em um plano ortogonal a essa linha, entre (usemos caricaturas alegóricas) “elites globalizadas que fazem Nafta e guerras” e “populistas com foco nas dores do povo”. 

Essa não é uma clivagem idêntica à dicotomia direita-esquerda, tanto porque as elites globalizadas podem ser republicanas ou democratas como porque a dor do povo pode se traduzir em políticas igualitárias, como no populismo de esquerda de Sanders, ou em ressentimento racializado e isolacionista, como no populismo de direita de Trump

Mas o fato decisivo sobre as eleições de 2016 é que o eleitor de Oshkosh (estado de Wisconsin) ou Flint (Michigan), que era operário de fábrica e orgulhoso pai de família com salário de US$ 75 mil anuais, agora se escraviza no Walmart por US$ 15 mil, sem plano de saúde. Esse pauperizado olha Hillary e vê a coautora do Nafta que lhe ceifou o emprego. 

Foi esse eleitor que caiu na lábia racializada e xenófoba de Trump e decidiu 2016. O mapa da ascensão do trumpismo nos EUA é o mapa dos condados que votaram Obama em 2008 e 2012 e mudaram o voto para Trump em 2016. Isso é o básico a se saber nesta campanha eleitoral.

Apesar de estar à esquerda do americano médio dos cafundós de Iowa ou Wisconsin, Sanders sempre teve um canal com o trabalhador do miolão da América, porque há 40 anos se opõe a acordos de livre comércio que incluem desregulamentação trabalhista. E opõe-se a guerras.

Que Sanders transita melhor que Hillary ou Biden nesse eleitorado é sabido pelas pesquisas, contudo quem se preocupa em lê-las se já se têm à mão o automatismo “elas erraram em 2016?”.

O argumento, tão comum na boca dos que falam de fake news russas, é escandalosamente falso. As pesquisas presidenciais americanas de 2016 cravaram o resultado final com exatidão: vitória de 2-3 pontos de Hillary no voto popular e curva ascendente pró-Trump nos estados decisivos do Meio Oeste, curva que o clintonismo não leu, inebriado na euforia da lacração que só fala consigo mesma. 

Que Sanders tem um potencial mais alto que Hillary ou Biden entre o eleitorado trabalhador do Meio Oeste não é, portanto, um segredo guardado a sete chaves. É fato conhecido, mas há um outro dado sem o qual é impossível entender o tema. O comitê nacional e a coalizão do establishment Democrata preferiam uma Presidência Trump a uma Presidência Sanders, preferiam perder com Hillary a vencer com Sanders.

E eis que aqui uma analogia com o Brasil se impõe. A estratégia do establishment Democrata repetiu-se na estratégia petista de 2018, de inflar Bolsonaro, dinamitar alternativas de centro e insistir no hegemonismo, na esperança de que ficar quietinho sem confrontar Bolsonaro ajudaria a levá-lo ao segundo turno e garantiria outra vitória. 

É um conhecido jogo petista, jogado com particular virulência contra Marina Silva em 2014, para garantir um segundo turno contra o candidato mais rotulável como direita, Aécio Neves (PSDB) naquela ocasião. Funcionou em 2014, por um fio, mas de tanto usarem “direita” como espantalho, a direita de verdade apareceu. E quando do outro lado está Bolsonaro, a estratégia deixa de ser funcionamento do sistema político e se transforma em molecagem irresponsável, cúmplice da possibilidade de destruição da democracia. 

O equivalente do petismo no jogo político dos EUA, portanto, não é Sanders, que nunca governou os EUA, e sim o establishment Democrata, cuja líder, Hillary Clinton, estimulou seus correligionários a fortalecer Trump nas primárias republicanas, já que contra a caricatura extremista a vitória seria mais fácil. Em inglês temos até uma palavrinha para o jogo, triangulation. Invenção patenteada dos Clinton. 

A aposta do movimento que se reúne em torno a Sanders é um populismo com outro tipo de enunciação, longe da incessante produção de antagonismos (o registro em que funciona um movimento como o chavismo) e longe das triangulações do oxímoro lulista (oxímoro é a afirmação simultânea de opostos: “círculo quadrado” ou “água seca”; lulismo é o movimento que de manhã insufla sua base contra a Rede Globo e à tarde nomeia Hélio Costa ministro das Comunicações, um dos exemplos de uma sinfonia de oxímoros que funcionou bem de 2005 a 2013). 

No caso de Sanders, o antagonismo ao 1% bilionário está sempre presente, então mantenhamos o termo populista. Mas também está presente o lembrete da modéstia da concessão que se planeja impor, uma alíquota de impostos sobre super ricos ainda bem inferior à média europeia. E nunca se dissipa a ênfase na expressão de Sanders por excelência, bring people together [juntar gente], em uma retórica da qual não está ausente a utopia do anonimato na multidão. 

Lembremos que Sanders sempre teve ótimas relações com a tradição anarquista, incluído seu grande representante nos EUA, Noam Chomsky, o primeiro palestrante que convidou quando era prefeito de Burlington, nos anos 1980. 

Populista sem ser personalista, coletivista sem ser centralizada, a retórica do movimento que se reuniu em torno ao pré-candidato tem primos em movimentos progressistas de outros países, mas não tem nenhum irmão genuíno. Solitário, inclusive porque oriundo da estável plutocracia-democracia (valha o oxímoro) do país mais rico do mundo e mais desigual entre os ricos, onde até outro dia “liberal” era um palavrão à esquerda, esse movimento só diz que não é pouco o que se joga nas eleições americanas de 2020, para a nossa espécie e para as demais. E que “Sanders é inelegível” é argumento de quem não leu nada sobre o assunto. 

Ele entra nesta Super Terça (3/3), principal dia das prévias partidárias, com a liderança no número de delegados, grande vantagem na arrecadação e o embalo gerado pela base mobilizada. Sanders pode impor uma distância quase intransponível aos concorrentes democratas, especialmente se o campo do establishment centrista continuar fragmentado. 

Na Super Terça, votam 14 estados e decide-se um terço dos delegados da convenção democrata. Sanders já venceu com maioria estrondosa entre os latinos em Nevada. As pesquisas mostram as linhas de Sanders e Biden em trajetórias opostas, com o primeiro à frente 13 pontos na Califórnia e 7 pontos no Texas. 

Não há dúvidas de que, nas eleições gerais, tudo será montanha acima: apesar da precariedade, medo e endividamento em que vive boa parte da população, a economia dos EUA roda hoje a taxas de quase pleno emprego, e o impeachment de Trum ruiu.

No entanto, a experiência no ativismo, os mapas eleitorais e a bibliografia me dizem que, se há alguém que possa derrotar Trump, esse alguém é o velhinho que reuniu, como nenhum outro presidenciável na história dos EUA, a longevidade da consistência. 

O leitor não deve excluir a possibilidade de que a cintilante imagem de Jair Bolsonaro assistindo à TV anunciar Sanders eleito presidente dos EUA esteja nublando meu raciocínio com indevido otimismo. Mas Sanders pode ganhar, sim, disso ninguém que importa duvida mais.


Idelber Avelar, professor titular na Universidade Tulane (EUA), publicou “Figuras da Violência” (Ed. UFMG), entre outros. Lança neste ano, pela Record, ‘Eles em Nós: Retórica e Luta Política no Brasil do Século XXI’

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.