Mostra de Lucia Laguna, biografia de Paulo Rónai e outras dicas

Semana tem Big Band da EMESP Tom Jobim; veja recomendações de cultura da Ilustríssima

[exposição] Lucia Laguna

Galeria Fortes d’Aloia & Gabriel. tel. (11) 3032-7066. De 5/3 a 16/5.

A exposição, primeira depois de “Vizinhança”, mostra panorâmica da artista ocorrida no Masp, em 2018, apresenta obras de Laguna que mesclam arquitetura, vegetação, planos geométricos e elementos figurativos. Essa composição, característica da artista, remete ao espaço e entorno de seu ateliê, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Laguna tem obras em importantes coleções públicas, como Masp, MAM-SP, MAM-RJ, MAR, entre outras.

[música] Mary Lou Williams Ensemble e Big Band EMESP

Theatro São Pedro - tel. (11) 3661-6600. Sex. (13), às 15h30. R$ 2, pelo theatrosaopedro.byinti.com. 90 minutos. Livre.

A Big Band EMESP Tom Jobim e o Mary Lou Williams Ensemble, da Juilliard School, fazem concerto durante o Festival EMESP de Jazz & Música Brasileira. No repertório, composições de artistas icônicos da música popular brasileira, como Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim e Anacleto de Medeiros.

[teatro] Gota d’Água (Preta)

Teatro do Sesi. tel. 3146-7439. Qua. 11, 18h. Grátis. Reservas em sesisp.org.br.

Releitura da peça de Chico Buarque e Paulo Pontes, o espetáculo ressalta questões raciais e tem elenco majoritariamente negro, além de utilizar instrumentos de percussão africanos e elementos da cultura hip-hop. Com a peça, o diretor, Jé Oliveira, ganhou o prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de melhor direção em 2019. O espetáculo integra a programação da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que começou no dia 5/3 e vai até domingo (15).

[música] Guinga e as vozes femininas

CCBB (RJ) - tel. (21) 3808-2020. Às qua. a partir de 4/3, 19h30. Grátis, com retirada de senha uma hora antes. Livre.

O músico e compositor Guinga, referência do violão no Brasil e no mundo, completa 70 anos de vida em 2020. Para celebrá-lo, o CCBB do Rio de Janeiro promove quatro encontros entre o artista e importantes vozes femininas e violonistas da nova geração: Jean Charnaux, com Gioia Persichetti (4/3) e Mônica Salmaso (11/3), Marcus Tardelli e Leila Pinheiro (18/3), e Thiago Amud e Anna Paes (25/3). Na sexta (20), Guinga conversa com o público sobre música e sobre seu universo musical.

[livro] O homem que aprendeu o Brasil: a vida de Paulo Rónai

Todavia. 384 págs. R$ 69,90.

Paulo Rónai é mais conhecido como tradutor, mas também foi filólogo, ensaísta e professor. Nascido em Budapeste, em 1909, e de origem judaica, veio ao Brasil em 1941 diante da ameaça do nazismo, sob o qual foi encarcerado em um campo de trabalhos forçados por seis meses. Não veio com documentos falsos ou escondido, mas com visto legal - ele aprendera português sozinho e publicara uma antologia de poesia brasileira em seu país natal. Segundo Ana Cecilia Impellizieri Martins, autora da biografia, esse foi seu salvo-conduto e o início de sua inserção na vida intelectual e literária brasileiras, a partir das quais conheceu e se tornou amigo próximo de Drummond, Cecília Meireles, Manuel Bandeira e Guimarães Rosa, entre outros.

[documentário] Get me Roger Stone

Documentário. 2017. 1h41. Netflix.

O documentário trata de Roger Stone, figura polêmica que transita pela política norte-americana há mais de 40 anos. Nos anos 1970, foi assessor de Richard Nixon (de quem tem o rosto tatuado nas costas); na década de 1980, fazia lobby para ditadores como Ferdinand Marcos, das Filipinas; e foi conselheiro de Donald Trump nos anos 2000. Recentemente, acabou condenado por mentir durante investigações sobre a interferência russa na eleição do atual presidente norte-americano —com pena abaixo da recomendada pelos promotores após interferência de Trump.

[cinema] Não Mexa com Ela

Auditório MIS-SP. tel. (11) 2117-4777. Ter. (10), 19h. 1h32. Grátis, com retirada de ingressos uma hora antes. 14 anos.

Orna é mãe de três filhos pequenos e passa por dificuldades financeiras. Quando consegue um emprego com potencial para melhor sua vida, vê-se diante de assédios de seu novo chefe. O filme, de 2018, e dirigido pela israelense Michal Aviad, faz parte do Ciclo de Cinema e Psicanálise, promovido a partir da parceria entre o MIS e a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP), com apoio da Folha. A exibição é seguida por debate com a psicanalista Ludmila Frateschi e Manoela Miklos, coeditora do blog #AgoraÉQueSãoElas, na Folha. A mediação é da diretora de cultura e comunidade da SBPSP, Luciana Saddi.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.