'Perco os cabelos como perco os dias', escreve Marina Colasanti em poema inédito

Primeira coletânea para adultos da autora em uma década chega às lojas no fim do mês

Marina Colasanti

[SOBRE O TEXTO] Os dois poemas nesta página integram o livro "Mais Longa Vida", primeira coletânea poética da autora para adultos em uma década, que a editora Record publica no final deste mês.

Tela de Marina Colasanti que estará em seu livro 'Mais Longa Vida'
Tela de Marina Colasanti que estará em seu livro 'Mais Longa Vida' - Reprodução

O que se vai

Perco os cabelos
como perco os dias
um a um.
Um fio
de toda a cabeleira
nada vale.
Da vida
pouco vale
um dia somente.
Porém
o cabelo no pente
o dia no travesseiro
se alinham
idos
perdidos
mortos
e o que se vai
mais pesa.
Não terei calva a cabeça
isso é seguro
a cada fio que parte
um se enraíza
— o crânio é campo fértil
mais que a vida.
Os dias
no entanto
têm sua cota de estoque
limitada
e eu os vejo passar em fila indiana
sem que reposição me seja dada
e sem saber o ponto
em que a fatura
terá que ser quitada.

Marcando meus pontos

A morte me espera sentada.
Eu cada manhã me levanto
escovo esses dentes já gastos
penteio os cabelos
tão ralos
tão finos
espalho o batom sobre os lábios
sorrio para o espelho.
E sei que ela olha,
sem pressa
sem pressa nenhuma,
senhora do meu ritual
e dona de mim
sentada
tranquila
marcando meus pontos na ficha
desde que nasci.


Poemas e ilustração de Marina Colasanti, escritora, jornalista e tradutora, autora de "Contos de Amor Rasgados" (ed. Record).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.