Descrição de chapéu Coronavírus

Em diálogo ficcional, Sidarta Ribeiro discute atual sinuca de bico de militares

Neurocientista imagina conversa de dois amigos sobre Bolsonaro e os rumos do Brasil

Jair Bolsonaro cercado de militares

Jair Bolsonaro em cerimônia de comemoração do Dia do Soldado, no QG do Exército, em Brasília Pedro Ladeira - 23.ago.2019/Folhapress

Sidarta Ribeiro

Neurocientista e fundador do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), é autor de "O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho" (Companhia das Letras)

[RESUMO] Em conversa ficcional entre dois amigos —cujos nomes ecoam personagens do livro "Diálogo sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo" (1632), de Galileu Galilei—, autor reflete sobre temas da conjuntura política, sanitária e econômica do Brasil, como a relação das Forças Armadas com o governo Bolsonaro e a negligência do Executivo nas decisões para combater a pandemia de Covid-19.

Simplícia e Sagredo, amigos de longa data, se encontram no boteco virtual no domingo, 28 de junho de 2020, no Brazil.

— Pois eu digo que a mente é uma democracia. Esquerda ou direita? Isto ou aquilo? Sim ou não? Os pensamentos convergem e divergem, concordam e discordam, vetam e votam. O que a gente pensa é quase sempre uma balbúrdia enorme. E o que a gente termina por fazer, afinal, é o que realmente interessa. Isso é da condição humana. Até mesmo os ditadores trazem dúvidas na cabeça. Vou abrir uma gelada em homenagem a esse pensamento, minha cara Simplícia.

— Pode ser, mas os militares não têm dúvidas. Estão fechados com o homem até o fim, Sagredo.

— Truco. Já estiveram, por broncas justificadas e injustificadas com o PT. Mas agora acabou. A casa caiu. Eles não vão segurar esse cometa.

— Será? Até agora seguraram, né? Aliás, elegeram o cara. E com certeza eles já sabiam de tudo antes do ventilador espalhar a merda.

— Mas agora é diferente, a podridão está vindo à tona.

— Por isso mesmo que estou dizendo: existe um constrangimento geral, mas no íntimo eles concordam —ou no mínimo não se opõem— ao que o governo vem fazendo, ou melhor: desfazendo. Detonando tudo.

— Pois eu digo que o melhor da tradição militar brasileira não abandonará sua missão constitucional.

— Que tradição? A de trucidar o povo descalço do Paraguai e de Canudos? A de golpear a democracia, matar e torturar?

— Claro que não. Estou falando da tradição de Benjamin Constant, professor e engenheiro, estadista republicano e pacifista. Estou falando do marechal Rondon, sertanista criador do lema de jamais matar índios: “Morrer se preciso for, matar nunca”. Estou falando do Apolônio de Carvalho, herói da resistência contra o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial, condecorado com a Legião de Honra pela França. Estou falando do general Felicíssimo Cardoso, líder da campanha O Petróleo é Nosso e de ligas antifascistas pela emancipação nacional. Estou falando dos tantos militares patriotas que tiveram papel fundamental na criação da Petrobras, Embraer, Embrapa e Finep.

— Pois eu discordo. Você está citando exceções. Acho que os militares não se dividem em bons e maus, na verdade eles são quase todos bem parecidos: querem defender o deles. Não viu o que fizeram na reforma da Previdência, se dando bem em cima dos civis? E as atrocidades que estão fazendo e permitindo que façam com os indígenas agora? Eles querem mais é que acabem.

— Não exagera. Verás que um filho teu não foge à luta.

— Que bobagem! Só abrindo outra cerva, bora... Não se esqueça de que o lema do positivismo era “o amor por princípio, a ordem por base; o progresso por fim”. A palavra amor foi retirada do lema da bandeira pelos militares que derrubaram dom Pedro 2º, inclusive o teu querido Benjamin Constant. Deixaram só ordem e progresso, sem reparar em nada as injustiças macabras da escravidão. E os militares de agora não garantem nem isso! Nem amor, nem ordem, nem progresso.

— Concordo. Mas o que estou tentando te dizer é que, daqui pra frente, só vai melhorar. O fundo do poço foi agora.

— Será? A natureza humana é um abismo. Não existe isso de militar legalista. Têm todos, mais ou menos, a mesma consistência política, de miolo mole e espinha curvada de tanto obedecer ordens absurdas. E agora, lá no topo, dizem que não aceitam ordens absurdas!

— Te afianço que eles não vão compactuar com esses absurdos antidemocráticos.

— Pois, pra mim, o que eles consideram absurda é a democracia.

— A ciência e a razão estão no DNA das Forças Armadas brasileiras. O primeiro presidente do CNPq, no início dos anos 1950, foi o almirante Álvaro Alberto.

— Ciência pode até ser, mas razão não sei não. Ética muito menos. As contradições estão em toda parte. Quatro décadas antes de presidir o CNPq, o Álvaro Alberto participou da repressão violenta dos marinheiros amotinados na Revolta da Chibata.

— Sério isso?

— Sério e bem doido, pois o líder da revolta, João Cândido, “o almirante negro” de tanta coragem, alguns anos depois aderiu ao integralismo.

— Não pode ser!

— Verdade.

— Tô vendo aqui no Wikipédia... sim... só que o Álvaro Alberto saiu gravemente ferido naquele episódio. Ele era uma pessoa honrada, de repente estava tentando apaziguar e foi atingido. Era um patriota importante, não só pela criação do CNPq, mas também pelo programa nuclear brasileiro.

— Ao qual cabem muitas críticas.

— De todo modo, o que você diz serve pra ilustrar o que eu estava falando no início: a mente é uma democracia de pensamentos e a todo momento a maioria muda, a pessoa faz uma inflexão na vida. Por isso as pessoas podem mudar, sempre. O fato é que os militares estão numa sinuca de bico histórica, por causa do segredo de polichinelo do Bozo.

— Exato. Sempre souberam das mutretas tenebrosas dele com o Queiroz, mas isso pra eles era “inteligência”, informação por baixo dos panos, omitida durante a campanha eleitoral inclusive. Eles adoram essa falta de transparência. Mas agora estão publicamente associados a essas lambanças todas. Mourão inclusive.

— O jacaré da boca aberta. Esperando o poder cair de maduro no seu colo.

— O próprio.

— Isso sem falar da Covid-19, né?

— Isso sem falar nela! Depois que Trump e Bolsonaro conseguiram realmente fomentar a segunda onda de infecções, estamos entrando na montanha-russa da morte. Saiu na Nature Medicine um artigo mostrando que a imunidade pode diminuir depois de três meses, já pensou? Enquanto não houver 7 bilhões de doses de uma boa vacina, continuaremos em risco permanente. Ou 14 bilhões, se for preciso reforço. E os militares entrando no Ministério da Saúde só para dar eficiência à contagem de cadáveres. Administrar a mortandade, etiquetar corpos... E falham até nisso! Como fizeram durante o surto de meningite no início dos anos 1970, abafando em vez de admitir os números. As coisas ainda vão piorar muito antes de melhorar, Sagredo. O bicho vai pegar, a cobra vai fumar. Cloroquina blues.

— Acho que você está sendo dramático demais. Os militares já perceberam que escolheram o pior. Vão ficar marcados por isso se deixarem correr frouxo, perdendo o bom nome que já vinham recuperando por osmose, simplesmente por deixarem o golpismo quieto e por construírem estradas. Foram muito bem tratados pelos governos do PT e depois embarcaram na canoa furada da desconstrução do Estado, ao preço de muitas boquinhas. Mas com certeza tem gente ali que é muito capaz! Só os melhores conseguem galgar. É um sistema meritocrático.

— Mais ou menos. O puxa-saquismo tem importância central. É por isso que eles acatam tudo que o celerado diz. E a questão da boquinha não é acessória. Simplesmente eles aderiram, em troca de milhares de cargos comissionados e outras benesses, ao governo mais entreguista e lesa-pátria que o Brasil já teve desde dom João 6º.

— Você acha que nos bastidores eles não estão agindo pra defender o país?

— Devem estar, né? Reduzindo danos... pelo menos alguns deles. Ou não... vai ver estão nos cozinhando. Não se esqueça de que muitos militares de alta patente recebem bem acima do teto constitucional. Eles perderam toda a moral. Somos governados por um péssimo ex-capitão, que eles mesmos expulsaram. Lembro do grande Salviati Torturra quando se refere ao capanguismo. Vivemos a República dos Jagunços, do DOI-Codi e dos especialistas em covardia e presepada, como foi no Riocentro.

— Tinha me esquecido disso.

— Pois é. Como disse um grande mestre de capoeira amigo meu, a facada cada vez mais parece “operação tabajara de paraquedistas”. Isso sem falar no sadismo boçal que celebra o AI-5 e os desaparecimentos. Patriarcado, supremacia branca, brutalidade policial e aporofobia são a marca da Besta.

— Aporoquê?

— Medo de pobre, em grego.

— Saquei. Tá mais pra ódio de pobre, né?

— Verdade. E isso rola em todas as classes sociais, inclusive entre os pobres. Um tipo de anticristianismo, um “foda-se o outro” coletivo. No jogo de polícia e bandido, só morrem pretos e pretas pobres de todos os lados, inclusive quem só deu azar de estar ali, naquela hora e lugar. O esgarçamento dos laços de solidariedade num momento de crise é um suicídio evolutivo, estamos involuindo socialmente.

— Por que você acha que essa loucura de negar o vírus tem tanto apoio?

— Em primeiro lugar porque a educação em geral é muito ruim. As professoras são super mal pagas, as turmas são enormes, lemos muito pouco e vivemos em profundo analfabetismo científico. Mas tem também o locus ceruleus.

— Locusquê?

— O locus ceruleus é um grupo de neurônios lá no fundo do cérebro, diretamente envolvido com a detecção de novidades. Ele tem tudo a ver com o fato de que o cérebro se habitua a tudo, pois essas células deixam de se ativar quando o estímulo se repete. A gente gosta do que é novo, mas logo se habitua. A única exceção é a dor, que nunca leva à habituação. Só que as pessoas só sentem a dor em si, não a dor dos outros. Aí é só um estímulo a mais, e o locus ceruleus se habitua. As pessoas ficaram mais chocadas com as primeiras 10 mil mortes do que com as últimas 40 mil. Por isso mesmo, o prognóstico de indignação cívica é improvável.

— Caramba. É isso aí. Simples assim...

— Por isso mesmo, o método de manipulação preferido dos neofascistas é falar coisas de alto teor atencional, de alta octanagem emocional, atirando em direções opostas de modo chocante e rápido, deixando todo mundo zonzo. Em inglês isso se chama “gaslighting”. No Brazil é o pum distrator do palhaço assassino.

— Você tem razão. Está todo mundo abalado, ninguém tá pensando direito. Na democracia da cabeça das pessoas está rolando muita gritaria e pouca ação eficaz.

Na pintura, uma cama está pegando fogo. Ela está sobre um tapete e a parede tem um papel de parede.
'Cama' (2015), óleo sobre tela da artista plástica Ana Elisa Egreja - Filipe Berndt/Divulgação

— Pudera, está tudo errado! Com o fim dessa merreca de R$ 600, o consumo vai afundar de vez, e a crise econômica vai se prolongar sem perspectiva de recuperação no horizonte. E quando mais precisamos de investimentos em ciência e tecnologia, realmente capazes de aumentar nossa produtividade e agregar valor à produção, os recursos legalmente estipulados para esse fim, como o FNDCT, continuam quase totalmente congelados. Muitos dos pesquisadores envolvidos na busca de vacinas, tratamentos e testes são pós-graduandos e pós-doutorandos sem bolsa. Estão matando a ciência brasileira quando ela é mais necessária. Como aconteceu com George Floyd, a ciência não consegue respirar com os joelhos do bolsonarismo no pescoço.

— Por isso mesmo, Simplícia, precisamos reagir e implementar um projeto viável de país, com horizontes de semanas, meses e anos.

— Concordo, Sagredo, mas hoje, infelizmente, caminhamos é para o caos. Muita gente me pergunta se os sonhos das pessoas mudaram nos últimos meses. Ora, é claro que mudaram! Pior governo do mundo na pandemia, mais aumento da letalidade policial contra negras e negros de qualquer idade, mesmo crianças, tiro na cabecinha... mais destruição da Amazônia e dos povos da floresta... que país horrível.

— Mas na última semana a coisa melhorou, admita. O Estado parece ter ressuscitado. O STF começou o enfrentamento efetivo das milícias reais e virtuais, e o Weintraub fugiu pra Gringolândia, cometendo crime diplomático. Além disso, novo estudo sobre a dexametasona trouxe esperança para os casos graves de Covid.

— Isso tudo é perfumaria. O coronavírus não está indo embora, está chegando. Já morreram 50 mil pessoas no Brasil e vão morrer muitas mais. Rastreio de infectados é quase inexistente no país. Levantar a quarentena agora é como se esconder da explosão da granada durante a contagem regressiva, pra então, já no final, levantar a cabeça e receber os estilhaços na cara.

— Realmente, parece que caminhamos para o abate bovinamente. E pensar que o comando dessa estratégia que mata brasileiros por negligência é militar... São gestores incompetentes ou genocidas intencionais? Será que a motivação é de eugenia? Porque a mortandade é principalmente de negras e negros.

— É mais uma bomba explodindo no colo da nação, uma bomba gigante, sem precedentes. A história julgará esses vermes.

— Por que você acha que eles se radicalizaram tanto?

— Radicalizados eles já eram, mas saíram do armário novamente porque a Comissão da Verdade errou em não investigar os crimes da esquerda.

— Mas nesses casos não era violência do Estado.

— Mesmo assim, seria mais equânime. Baixava a bola e eles teriam que se desculpar de verdade, olhando nas câmeras de TV e pedindo perdão pelas monstruosidades que cometeram. Isso nunca aconteceu do jeito que precisaria ter acontecido pra seguirmos adiante, Sagredo. O autoritarismo e a violência de quem ilegalmente vende segurança, luz e gás nas favelas tem suas raízes na impenitência dos torturadores. É por isso que o Bozo sempre lembra do Ustra. Foi cagada da esquerda não passar tudo em pratos limpos. Até porque foram poucos casos, em comparação com a multidão que a ditadura matou.

— Pois eu acho que é bem mais complicado do que isso. Tem a ver com a Intentona Comunista de 1935 e com a submissão aos Estados Unidos como parceiro estratégico dominante.

— Cooperação caracu. Eles entram com a cara e nós...

— Simplícia, esse teu lirismo de botequim me faz lembrar do Maiakóvski: “Por enquanto há escória de sobra / o tempo é escasso / mãos à obra”.

— Lindo esse poema comunista. “Primeiro é preciso transformar a vida / para cantá-la em seguida.”

— Viva o Lula.

— Fala sério. Lula nunca foi comunista. A democracia da minha mente acabou de votar por mais uma breja.

— Pois se ele estivesse aqui, eu beijava a mão dele. As duas. É que nem “A Lista de Schindler.” Por mais que você critique o cara por ter jogado o jogo sujo, na hora H ele salvou vidas. Muitas. O que importa, no final das contas, é o que você faz.

— Mas roubou.

— Não está provado, mas vamos lá, suponhamos que sim. Roubar quase todos roubam, há 500 anos. Se compararmos o governo militar com os governos democráticos que vieram depois, não dá pra saber quem ganhou o campeonato da corrupção. Mas só o Lula conseguiu fazer algo de verdade pelo povo. Hospitais, escolas, pontos de cultura, institutos federais, universidades. Aumento real do salario mínimo.

— Apenas distribuiu as migalhas do capitalismo.

— Pra você ver: essas migalhas fizeram uma diferença enorme! Vá perguntar pra juventude pujante do Nordeste se a vida não melhorou naquela época? Vá a Juazeiro, vá a Petrolina.

— Mas ele está vacilando de não entrar na frente ampla.

— Sim, verdade. Mas é compreensível. Nem Fernando Henrique, nem Marina nem Ciro apoiaram o Haddad quando era a hora de formar a frente ampla pra impedir o desastre.

— Mas um erro não justifica o outro.

— Calma que o Lula vai chegar, ele é imprescindível. A mente é uma democracia de ondas elétricas que pensam e despensam muitas vezes antes de decidir. É só uma pausa dramática. E ele tem suas razões. Sem autocrítica dos golpistas da Dilma, sem autocrítica da loucura do mercado de apostar num psicopata declarado, fica difícil se aproximar.

— E a autocrítica do PT?

— Vem acontecendo.

— Eu não vi nada contundente.

— Calma. Está na hora de tudo isso se juntar e acontecer ao mesmo tempo. Programa mínimo: saúde, educação, ambiente, ciência, cultura, esporte e direitos humanos. Disso aí quase ninguém discorda. O que a gente pode discutir é qual papel cabe ao Estado e qual cabe ao setor privado. Precisamos de um projeto de país que una todas e todos pelo saber e amor no coração, da esquerda à direita, comprometidos com o que é fundamental: a vida.

— Sei não, fico com o Milton Santos, a Eliane Brum e o Guilherme Boulos nessa aí... tá faltando enfrentar de verdade o problema do racismo. O Estado brasileiro é uma máquina de prejudicar e assassinar pretas e pretos, moendo na base, na infância e na adolescência, os descendentes dos escravos que construíram a nação. Enquanto isso não for reparado, curado com cuidado, não teremos paz.

— Verdade.

— E tem também o que o Ailton Krenak falou: não projetamos nada que preste até hoje, e deu no que deu... Agora é olhar o carro capotar e ver se, depois de tudo, encontramos na balbúrdia de nossos pensamentos um outro jeito de estar no mundo.

— Saideira?

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.