Série do Sesc promove live com Morin

Pensador francês participa de encontro on-line neste domingo

Danilo Santos de Miranda

Sociólogo, é diretor regional do Sesc-SP (Serviço Social do Comércio)

[resumo] Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo, comenta a relevância da obra do filósofo e sociólogo francês Edgar Morin. Miranda e Morin participam de encontro on-line neste domingo (26), às 11h, com mediação da jornalista Heloisa Pisani. No mesmo dia, o Sesc lança um site dedicado à vida e obra do pensador.

Poucos são os pensadores ainda vivos cuja obra exerce impacto em escala planetária. Raros são aqueles que se tornam autores imprescindíveis, dada sua importância para o processo da civilização, sem perder a originalidade ou a atração magnética que se sente na leitura —e cujo prazer da descoberta mescla-se ao espírito da aventura do conhecimento.

Essa afirmação é ainda mais expressiva por conta da nossa contemporaneidade. Somos constantemente surpreendidos pela incessante avalanche de transformações, as quais alteram a percepção que temos sobre a realidade e acentuam a noção dos limites da experiência humana sobre a terra.

E, no entanto, o impacto permanece: somente o pensamento forjado na complexidade, distinto em procurar unir o que está dividido, em sintonizar a natureza humana com as suas próprias condições sociais de existência, tem se mostrado pertinente para atravessar as gerações.

Poucos são os pensadores ainda vivos, também, cuja biografia continua a ser caudalosa em novas produções, sem perder a potência ou mostrar afastamento do campo intelectual e da reflexão voltada à vida pública —sem retiro ou abstenção, e sim com generosidade, solidariedade e comunhão.

Uma biografia única não parece dar conta de abraçar a substância de vida, a carga simbólica constitutiva dos acontecimentos mais relevantes na existência de uma pessoa. De origem no grego bizantino, a experiência da vida enquanto relato acopla experiências da memória e da realidade, a prosa e a poesia que literatizam a inteligibilidade possível de um itinerário de vida, juntando nas mãos alegrias e dores, medos e heroísmos, juízos e loucuras, dados e sonhos.

Não uma única biografia, com certeza. Ainda mais quando esse itinerário de profundas realizações traz a luminescência de 99 anos de vida. Ainda mais quando se trata do grande Edgar Morin.

Esse marco, completado no dia 8 de julho, é celebração que evidencia a jovialidade deste pensador incansável. Sob tal signo, resplandece sua atenção à vida humana, seu compromisso com o próximo, sua responsabilidade perante o mundo.

Em suas inúmeras passagens pelo Brasil, e em especial pelo Sesc, desde o início de 1990, tive o prazer e a felicidade de acompanhar suas reflexões, nutrindo-me delas, e de estabelecer um vínculo de amizade. Lembro-me especialmente do seminário de 1999, ano em que Morin apresentou a proposta de reforma do ensino secundário francês.

Com o título “Cultura e Sociedade: a Complexidade Humana. Compreensão e Ética para Entrar no Terceiro Milênio”, suas palavras pavimentavam a importância da cultura e da educação para a constituição humana, valores basilares que me são caros e me acompanham. Ele mostrou que o conhecimento é processo, tradução e reconstrução, e como tal não se encerra em si mesmo, porque se vincula à descoberta; é movimento constante que funda a novidade e o inusitado.

Que o pensamento complexo redimensiona a relação entre os saberes, alicerçando a conexão com tudo que nos cerca e com todas as formas de vida. Que cultura é aprendizado, e, ao ser herança e projeto, liga o passado com o presente e abre as portas do futuro. E mais, que “todos somos múltiplos, sendo um só”, de maneira que a diversidade é um valor; é a razão e a fundante da identidade, e não o contrário.

Esse vigor da obra de Edgar Morin já tinha sido motivo para a criação de um site, pelo Sesc, em 2002. Passados 18 anos, noticio com alegria sua versão ampliada e atualizada, disponível para acesso ao público a partir deste domingo, no intuito de manter acesa, a reflexão feita sobre a memória, a cultura, a latinidade, as incertezas e os anseios que caracterizam a humanidade no século 21.

O site abriga uma compilação de sua obra com lista bibliográfica completa em português e francês, além de artigos, entrevistas, palestras, vídeos de cursos e conferências realizados no Brasil. Um adensado itinerário de vida surge, simbolicamente, em formato de história em quadrinhos.

E para conhecer algumas das veredas que compõem a experiência humanista de Edgar Morin, 64 palavras-chave formam o Círculo Poético, como fragmentos de sua obra, a fim de apresentar a abrangência e atualidade de seu pensamento complexo. Ainda está previsto para setembro, pelas Edições Sesc, o lançamento do livro “A aventura de O Método”, narrando a criação de suas ideias fundamentais.

A produção de Edgar Morin é incessante, ao cerzir as bordas esgarçadas do presente. Só nestes primeiros meses de 2020 dois novos livros em francês estão no prelo, um deles reunindo a reflexão dos últimos meses acerca da pandemia por Covid-19 —algo inusitado até mesmo para ele, que atravessou o longo século 20.

O pensador tem sido convidado para participar de lives e proferido inúmeras entrevistas a jornais, redes de televisão e revistas, na França e em outros países, com avaliações críticas acerca de nosso momento histórico, pesando os agravos e riscos lançados à vida, à democracia, à liberdade e à cidadania neste momento de ressurgência de um pensamento político retrógrado.

Ao lado da vida e obra de Edgar Morin, é preciso sempre reafirmar os principais valores que constituem a vida em sociedade, na ampliação da diversidade, da cidadania e da importância da educação e da cultura —evitando posturas que cerceiem a democracia e nos levem para a barbárie.

Desejamos, portanto, uma ótima navegação a todas e todos, singrando por este mar de conhecimentos e saberes que Edgar Morin soube tão bem constituir. E agora presente neste acervo, a se espraiar pelas redes sociais e pelas vidas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.