Descrição de chapéu Coronavírus

Sidarta Ribeiro discute horrores da pandemia em conversa ficcional

Neurocientista imagina diálogo de amigos sobre ultradireita e gestão da crise de Covid-19

Sidarta Ribeiro

Neurocientista e fundador do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), é autor de "O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho" (Companhia das Letras)

[RESUMO]Em nova conversa ficcional, desta vez entre três amigos —cujos nomes ecoam personagens do livro “Diálogo sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo” (1632), de Galileu Galilei—, autor comenta o impacto destrutivo do coronavírus no país, o risco de pandemias se tornarem mais frequentes e os rumos da política brasileira nos próximos anos.

*

Simplícia, Sagredo e Salviati, amigos de outros Carnavais, em uma sexta-feira, 7 de agosto de 2020, Brazil.

Sagredo
Que loucura, minha gente! A casa caiu, só que não.

Salviati
Claro que caiu, Sagredo. Entramos na espiral da morte. Ao contrário do que aconteceu com a Sars e a Mers, a gestão sanitária da Covid-19 foi desastrosa, e agora o vírus está pipocando em toda a parte. Nem chegaremos a ter uma segunda onda, vai ser apenas uma primeira e enorme onda letal.

Na gripe espanhola, há cem anos, morreram entre 50 e 100 milhões de pessoas. Desta vez pode ser até pior, e as pandemias vão se tornar cada vez mais frequentes nas próximas décadas, por causa da indústria alimentícia de massacre animal e da aceleração do contato destrutivo com a natureza. Estamos no início de uma cadeia de eventos que pode levar à extinção da nossa espécie.

Sagredo
Meu caro Salviati, hiperbólico mestre do boletim do fim do mundo! Eu sabia que você viria ao nosso boteco virtual botar água no chope, cheguei a prevenir a Simplícia quando ela me disse que ia te convidar. Somos amigos desde o milênio passado e continuo achando lastimável esse seu hábito de transformar alarmismo em método de interpretação da realidade. Nós estamos é no caminho da redenção.

Simplícia
Redenção de quê, Sagredo? Vou ter que começar concordando com o Salviati. Ele também me avisou sobre você, com essa sustentação delirante do otimismo apesar de tudo. A verdade nua e crua é que o mundo está perigosamente perdendo a mão da pandemia sob a liderança desses verdadeiros anticristos. O Brasil tem pouco mais de 2,8% da população mundial, mas chegou a 13% das mortes planetárias por Covid-19, o que dá 4,7 vezes mais mortes do que seria de se esperar pela proporção da população total.

Nos EUA está ainda pior, 4,2% da população mundial com 22% das mortes do planeta, o que dá 5,3 vezes mais mortes do que o esperado pelo tamanho da população da Gringolândia. Redenção uma ova, está mais é pra juízo final.

Sagredo
Não exagera, Simplícia. Você está extrapolando o que o Leonardo Boff tem dito com alguma propriedade. Sim, são desgovernos terríveis. Mas anticristo é uma palavra forte demais. Trump e Bozo não são melhores nem piores do que Cômodo, Tito ou Calígula.

Simplícia
Se liga, Sagredo, olha só a comparação que você está fazendo. Apenas prova o meu ponto.

Sagredo

Não discordo de que agir como anticristo provavelmente foi a norma patriarcal da espécie desde a aurora paleolítica, mas aos poucos estamos superando esse atraso. Inexoravelmente. Jamais houve tantas mulheres empoderadas nem nunca houve tantos movimentos de resistência e superação das desigualdades por minorias étnicas e comportamentais de todo tipo.

Simplícia
Papo bem anacrônico, meu amigo. Acorda: isso aí era na época do Obama e do Lula. Se Tito destruiu Jerusalém, Trump e Bozo estão destruindo o planeta. O Criolo já deu a real: “Meninos mimados não podem reger a nação”.

Salviati
É verdade, Simplícia, mas o problema vai muito além da pandemia, que já é um horror descomunal. Estamos tão ocupados nessa disputa pra saber quem está certo e quem está errado, tão mesmerizados pela Torre de Babel eletrônica e essa multiplicidade de opiniões febris das redes sociais, tão ofuscados de bile, cancelamento e lacração, tão longe da luz da razão e da sabedoria, que começa a nos escapar por entre os dedos o significado absolutamente profundo e urgente da péssima situação sanitária, econômica, ambiental, política e ética em que estamos metidos. Se não formos capazes de formular uma resposta coesa, científica e amorosa para esse desafio, seremos simplesmente varridos do mapa.

Sagredo
Eitchalelê! Esse drama todo me dá muita sede, meu camaradinha. É muita paranoia pra pouca sexta-feira. Vocês falam como se não existissem Lia de Itamaracá, Daiara Tukano, Leci Brandão, Bia Lessa, Maria Bethânia, Lilia Schwarcz, Jaqueline Goes, Luiza Erundina, Fernanda Diamant, Mãe Ana de Xangô. Viva a póvoa mestiça brasileira, preta, ameríndia e branca!

Simplícia
Finalmente falou alguma coisa certa, Sagredo. Mas esqueceu as japonesas. Vou abrir a cerveja preta que fiz em casa e que já deve estar no ponto. Estupidamente gelada! Zero grau!

Salviati
Que, a propósito, não é a temperatura certa desse tipo de cerveja.

Simplícia
Lá vem você com suas firulas.

Salviati
Parem com isso e vamos logo pra não demorar. Vou ali também, mas prefiro ir Jah.

Sagredo
Hehehe....

(intervalo)

Sagredo
Que loucura, mestre Salviati! Há muito tempo a gente não conversava, mas já estou entendendo por que o Sagredo te convidou. Toca fogo no circo de uma vez! Beleza, pode vir quente que eu estou fervendo. Quanto a mim, prefiro ver o copo meio cheio do que meio vazio. Aliás, vou enchê-lo e esvaziá-lo agora mesmo. Porque como cantam Gil e Chico, é bom lembrar que um copo vazio está cheio de ar.

Salviati
Sois um bebum e poeta inveterado.

Sagredo
Bebo sim, estou vivendo, tem gente que não bebe e está morrendo...

Salviati
Pelo menos vê se ingere bastante água depois da birita, pra não se desidratar demais.

Sagredo
Com cerveja, meu amigo, com cerveja! O que vocês precisam entender é que a história é um pêndulo. O populismo de ultradireita já deu o que tinha que dar. Estados Unidos, Brasil e Índia estão empurrando o planeta para o precipício e vão se desmoralizar completamente. As gestões catastróficas da pandemia vão enterrar esses lunáticos perigosos. Trump caminha a passos largos para perder a eleição para o Biden, e tá com cara que vai ser de lavada. E aqui no Brasil não será diferente. Com certeza o povo brasileiro logo vai terminar de perceber que o Bozo não tem condição nenhuma de governar, pois nunca teve!

Simplícia
Como sempre, seu otimismo sem nenhuma base na realidade me deixa boquiaberta, Sagredo. Se a eleição fosse hoje ele venceria. O país está sendo despedaçado e comido por dentro. Estamos totalmente perdidos, desprovidos de lideranças e esperanças.

Sagredo
Claro que não, Simplícia. Imagina. Chegou finalmente a hora da renovação. As contradições se imiscuem por todas as brechas. Quem poderia supor que seria no governo do Bozo que o Fundeb se tornaria constitucional e progressivo?

Simplícia
Admito que o resultado até agora é bom, mas tá contando com o ovo no “aí dentro” da galinha. Isso ainda nem passou no Senado, vamos ver o que resta ao final, depois dos vetos presidenciais.

Sagredo
Vão manter, foi um acordo com a ala militar.

Simplícia
Vai saber. Não existe força hegemônica entre os milicos, os pastores e os olavistas. Nessa confusão quem sempre ganha são os oportunistas. O país está sendo saqueado.

Sagredo
Isso tudo é verdade, mas será interrompido, no mais tardar até a próxima eleição. O que interessa é que começa a amadurecer um projeto de país rumo à revolução educacional e científica. Há poucos dias um eminente microbiologista escreveu que chegou a hora de termos um cientista na Presidência, prevendo um tsunami de votos. A Angela Merkel é cientista e está administrando muito bem a Covid-19. Nunca antes houve uma percepção tão aguda da importância da ciência para a sociedade!

Simplícia
Chance zero de vencer. Quem vai ganhar é algum apresentador de TV. Além disso, já tivemos um sociólogo e não deu muito certo, lembra?

Sagredo
Claro que lembro. Tenho críticas ao FHC, claro, mas foi na gestão dele que tivemos o Plano Real, a criação do Fundef, que é o pai do Fundeb, e também a criação dos fundos setoriais do MCTI.

Simplícia
O pai do Fundeb é o Haddad.

Salviati
Imagina, meu. É o Lula!

Sagredo
Mas quem plantou a semente foi o FHC.

Simplícia
Com fundos contingenciados, meu querido. E o Plano Real quem fez foi o Itamar Franco.

Sagredo
Claro que não! Foram o FHC e seu time de economistas, Persio Arida, André Lara Resende, Edmar Bacha e companhia.

Simplícia
Coitado do Itamar.

Salviati
Coitados de nós! Mas isso que Sagredo falou é verdade. Circula com vigor crescente nos meios acadêmicos a ideia de que precisamos de cientistas nos cargos mais relevantes da República.

Simplícia
Pois para mim ser cientista não é condição necessária nem suficiente para ser um bom governante. Veja que Lula, que foi o melhor presidente das últimas décadas, e quem mais apoiou a ciência, nem curso superior tinha.

Sagredo
É claro que não é necessário nem suficiente, mas uma liderança com autoridade científica, moral e administrativa seria uma lufada de ar fresco nessa mediocridade criminosa e corrupta que tomou conta do país. Claro que a chance de vencer as eleições é pequena, embora nunca se saiba... mas por isso mesmo seria uma plataforma bastante eficaz, descompromissada das futricas da política, alimentada com tudo que a ciência provê e livre para arejar as ideias de milhões de pessoas durante a campanha eleitoral tétrica e patética que se avizinha.

Simplícia
Mas porque especificamente cientistas?

Sagredo
Porque em várias eleições já houve pastores como candidatos à Presidência. Não tem pra onde correr. É preciso haver cientistas candidatos, caso contrário a ciência estará fadada à invisibilidade. Além disso, essa reivindicação não é setorial, pois a ciência é a própria porta de saída para o atoleiro atual.

Salviati
Sei não... acho que estamos assistindo ao fim do mundo lento e fedorento do qual o imunologista Nelson Vaz sempre fala...

Simplícia
Adoro ele, Salviati. Além de ser um cientista genial, é um baita sambista.

Sagredo
Chora cavaco!

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.