Bem-estar via consumo individual não pode orientar a esquerda, diz Tatiana Roque

Para professora da UFRJ, crise climática pode impulsionar economia verde e combate às desigualdades

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

No primeiro episódio de 2022, o Ilustríssima Conversa recebe a matemática Tatiana Roque, professora de história e filosofia da ciência da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

No livro "O Dia em que Voltamos de Marte: Uma História da Ciência e do Poder com Pistas para um Novo Presente" (Crítica), a autora analisa as relações entre ciência e política nos últimos 300 anos e defende que a humanidade vive um período inédito —o homem se tornou um agente geológico e passou a mudar radicalmente o planeta.

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, Roque explica por que a crise climática, face mais visível desse processo, rompe o próprio sentido do tempo: para a pesquisadora, o futuro, visto como promessa de melhoria das condições de vida e desenvolvimento tecnológico, hoje é símbolo de uma catástrofe iminente, o que vira pelo avesso a experiência da história.

A autora, no entanto, diz que isso não é necessariamente ruim e defende que é preciso parar de pensar sobre o que nós podemos fazer pelo planeta e começar a se perguntar o que as mudanças climáticas podem fazer por nós.

A Tatiana Roque com uma lousa verde ao fundo
Tatiana Roque, professora da UFRJ e autora de 'O Dia em que Voltamos de Marte' - Fernando Souza/Divulgação

Desse ponto de vista, a crise do clima pode ser uma oportunidade —também inédita— de refundar a sociedade com novas bases.

Em seu "realismo pragmático", Roque diz ser urgente fincar os pés na Terra, investindo em uma economia verde, em uma rede de proteção que garanta justiça social e no fortalecimento da democracia.

O Ilustríssima Conversa está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Margareth Dalcolmo, que falou sobre a variante ômicron e a perspectiva de tratamento precoce real da Covid-19, Marcelo Semer, autor de livro sobre o Judiciário e a política no Brasil, Eliane Brum, que alertou sobre a necessidade de preservar a Amazônia no contexto atual de crise climática, Renan Quinalha, para quem a LGBTfobia de Bolsonaro atualiza moralismo da ditadura "hétero-militar", Simone Duarte, que defendeu que o 11 de Setembro nunca terminou no Afeganistão, Natalia Viana, que discutiu a politização das Forças Armadas, Camila Rocha, pesquisadora da nova direita brasileira, Antonio Sérgio Guimarães, que recuperou a história do antirracismo no Brasil, Eugênio Bucci, que defendeu que redes sociais extraem o olhar de seus usuários, Rafael Mafei, autor de livro sobre a história do impeachment no Brasil, Kauê Lopes dos Santos, que debateu a economia política de Gana, Rosa Freire D’Aguiar, organizadora de coletânea de cartas de Celso Furtado, entre outros convidados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.