Saltar para o conteúdo principal
 
09/11/2011 - 16h30

"No futebol o politicamente correto é uma babaquice", diz autor

JULIANA FARANO
da Livraria da Folha

O que seria do futebol sem as provocações sadias entre os torcedores, os apelidos "carinhosos" e a rivalidade natural que o esporte desperta? Certamente perderia boa parte do seu apelo popular. Hoje em dia, dentro de campo não são mais permitidas certas provocações. Por exemplo, se diante de uma partida praticamente ganha um jogador arriscar um drible mais ousado ou algumas firulas, como embaixadinhas e brincadeiras com a bola, ou então cutucar a torcida rival, além da falta dura do adversário ele ainda pode ganhar um cartão do juiz e, dependendo do que as câmeras de TV capturarem, leva também uma suspensão. É inevitável pensar o que seria de craques como Pelé e Garrincha nesses tempos modernos, em que o respeito ao adversário é confundido com um jogo morno, onde os atletas não podem demonstrar toda a sua habilidade com a bola nos pés.

Divulgação
Veja piadas feitas para provocar torcedores do Corinthians
Veja piadas feitas para provocar torcedores do Corinthians

Felizmente, tais restrições não são impostas às torcidas e, resta a elas, lidar com o humor e as piadas que são componentes essenciais da alma do futebol. Para o jornalista Luís Pimentel, autor da série de livros "Piadas de Sacanear", as ações "politicamente corretas" não se encaixam no futebol. "Isso inibe a irreverência, a espontaneidade e a sacanagem sadia de atletas e de torcedores", afirma.

Baiano e flamenguista doente, Pimentel mora no Rio de Janeiro, onde trabalhou nas principais redações de jornais e revistas, além de escrever roteiros para alguns programas humorísticos de TV, como "Escolinha do Professor Raymundo" e "Zorra Total". A paixão pelo futebol e as piadas ouvidas nas mesas de bar incentivaram o escritor a misturar as duas coisas e, a partir daí, ele não parou mais. A série conta com os títulos: Piadas de Sacanear Coxa-Branca e Piadas de Sacanear Atleticano (não disponíveis para a venda), Piadas de Sacanear Corintiano, Piadas de Sacanear Palmeirense, Piadas de Sacanear Botafoguense, Piadas de Sacanear Tricolor, Piadas de Sacanear Vascaíno e Piadas de Sacanear Flamenguista.

O autor conversou com a Livraria da Folha sobre futebol, humor e, é claro, piadas! Confira abaixo.

Livraria da Folha - Qual é a sua relação com o futebol?
Luís Pimentel - Minha relação com o futebol começou na infância. Eu sonhava em ser jogador de futebol, como 99% dos meninos brasileiros, sobretudo os mais pobres, como era o meu caso. Quando vi que não levava jeito para ser jogador, me contentei em ser torcedor. Depois, como jornalista, andei escrevendo alguma coisa sobre o assunto em jornais.

Livraria - De onde surgiu a ideia de escrever um livro de piadas de futebol?
Pimentel - Sempre escrevi humor, em jornais, revistas, livros e televisão. A ideia inicial nasceu num papo com o jornalista e humorista paranaense Dante Mendonça. Fizemos quatro livros juntos de uma tacada só: "Piadas de Sacanear Atleticano" e "Piadas de Sacanear Coxa-branca", para os times do Paraná; e Piadas de Sacanear Vascaíno e Piadas de Sacanear Flamenguista, para o Rio. Depois me animei e segui com a coleção: fiz Corinthians, Palmeiras, Botafogo e Fluminense.

Divulgação
Autor reuniu piadas para atazanar os torcedores do Palmeiras
Autor reuniu piadas para atazanar os torcedores do Palmeiras

Livraria - Por que escolheu esses times?
Pimentel - Com Palmeiras e Corinthians, assim como Vasco e Flamengo, foi para brincar com as rivalidades. Botafogo e Fluminense vieram para completar a coleção dos grandes times do Rio.

Livraria - De onde surgiram as piadas? Você fez algum tipo de pesquisa ou os amigos colaboraram?
Pimentel - Elas surgiram de todo lado. Não são piadas autorais, assino os livros como "Piadas recontadas por Luís Pimentel". Elas vêm de amigos, de mesas de bares, internet, seções de piadas de jornais e revistas e etc. Só que reescrevo e reconto todas, a meu modo, com a minha linguagem.

Livraria - Em sua opinião, qual é a importância do humor e da provocação sadia dentro do esporte?
Pimentel - O humor é o lado gostoso, brincalhão e charmoso da rivalidade no futebol; o outro lado, execrável, é o da agressão, das ofensas e da pancadaria.

Livraria - Hoje em dia, o futebol dentro de campo está cada vez mais politicamente correto, com jogadores sendo suspensos por comemorações mais exaltadas ou provocações aos adversários. O que você acha disso?
Pimentel - O politicamente correto é estúpido e incorreto em qualquer situação. No humor nem se fala. Deve-se perder o amigo, mas não a piada, como já disseram. No futebol, então, é uma babaquice, pois inibe a irreverência, a espontaneidade e a sacanagem sadia de atletas e de torcedores.

Livraria - Para você, quais são os maiores clássicos do futebol brasileiro?
Pimentel - Os maiores clássicos continuam sendo os das rivalidades estaduais: Flamengo e Vasco, Palmeiras e Corinthians, Bahia e Vitória, Grenal, Atlético e Cruzeiro e etc. Será sempre assim.

 
Voltar ao topo da página