Saltar para o conteúdo principal
 
25/10/2012 - 20h30

Jornalista que escapou do nazismo morreu sob tortura no Brasil

da Livraria da Folha

Divulgação
Livro narra o episódio que marcou a história da luta política no Brasil
Livro narra o episódio que marcou a história da luta política no Brasil

Vlado Herzog nasceu em 1937, na Iugoslávia. Quando criança, sua família foi perseguida pelos nazistas que pretendiam exterminar os judeus. Em busca de liberdade e paz, rumaram para o paraíso tropical chamado Brasil. Em 25 de outubro de 1975, Herzog foi torturado e assassinado na sede do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna), em São Paulo.

O exército divulgou nota oficial alegando que Herzog havia se enforcado na cela. A versão foi contestada e, em 1978, no primeiro processo vitorioso do gênero, a União foi responsabilizada pela morte do jornalista.

A história de Vladimir --nome que adotou quando adulto-- está no livro "As Duas Guerras de Vlado Herzog", escrito pelo jornalista Audálio Dantas e publicado pela Civilização Brasileira.

Criado em São Paulo e brasileiro naturalizado, estudou filosofia na USP (Universidade de São Paulo) e entrou para o jornalismo em 1959. Na época de sua morte, por indicação de José Mindlin, era diretor de jornalismo da TV Cultura. Hoje, concede seu nome ao Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Instituto Vladimir Herzog
Vladimir Herzog na redação, em 1966
Vladimir Herzog na redação, em 1966
 
Voltar ao topo da página