Saltar para o conteúdo principal
 
09/11/2012 - 14h30

Leia trecho de 'História dos Mercenários'

da Livraria da Folha

Em "História dos Mercenários: De 1789 aos Nossos Dias", Walter Bruyère-Ostells, especialista em história militar, resgata a importância estratégica de soldados contratados --por vezes de outras nações-- no desenrolar de uma guerra. Muitas vezes sem motivação ideológica, esses guerreiros foram vistos como criminosos ou aventureiros.

Walter Bruyère-Ostells, professor de história contemporânea em Aix-en-Provence, na França, é autor de diversas obras sobre história napoleônica. "História dos Mercenários" foi selecionado como uma das melhores obras de história militar por diferentes júris na França.

Abaixo, leia um trecho do livro.

*

Os mercenários, vítimas da Revolução?

"O quê?! Essas cortes estrangeiras
Ditariam sua lei em nossos lares!
O quê?! Essas falanges mercenárias
Abateriam nossos intrépidos guerreiros!"

Divulgação
Mercenários constituíram a espinha dorsal dos exércitos europeu
Mercenários constituíram a espinha dorsal dos exércitos europeu

Esta terceira estrofe do hino nacional francês, A Marselhesa, mostra claramente a ruptura representada pela Revolução Francesa na longa história da atividade mercenária, associada à prática guerreira desde a mais alta Antiguidade. Como dizia Bob Denard, um dos mais célebres Cães de Guerra da Guerra Fria, a "atividade mercenária é a segunda profissão mais antiga no mundo". Porém, no final do século XVIII, essa corporação é desvalorizada pela Grande Nação. A Revolução Francesa deseja substituí-la pelo alistamento militar como princípio básico da organização das forças armadas de um Estado.

A concretização dessa importante mudança explica o ponto de vista habitualmente negativo que recai sobre os mercenários. Desde 1789, eles são percebidos como homens sem fé nem lei, que se vendem a quem pagar mais. No entanto, constituíram por muito tempo a espinha dorsal dos exércitos europeus. A partir de 1453, os soberanos franceses e os cantões suíços assinam "capitulações" para o recrutamento dos mercenários a serviço da Coroa. Na verdade, a Monarquia francesa apenas segue a longa tradição guerreira ocidental desde a Antiguidade. Já no final do século V a.C., o ateniense Xenofonte narra as campanhas que liderou à frente de seus "dez mil mercenários". Mais tarde, Cartago emprega inúmeros soldados da fortuna (mercenários) para enfrentar Roma na Primeira Guerra Púnica, a ponto, aliás, de arcar com o peso de um novo conflito, a "Guerra dos Mercenários" (241-238 a.C.), para reprimir essas forças suplementares descontentes com sua desmobilização! Na Idade Média, o condestável Bertrand Du Guesclin assume esse papel na Espanha, levando os célebres e experientes soldados ao campo de batalha castelhano: o capitão francês consegue entronizar Henrique de Trastâmara ao depor seu irmão Pedro I de Castela, o Cruel. Aragoneses ou castelhanos, brabanteses ou alemães, esses guerreiros livres formam "grandes companhias". Até irem para a Espanha, elas serviam-se da Guerra dos Cem Anos para submeter a sangue e fogo o reino da França a seus próprios interesses. Assim, suas façanhas sangrentas valeram a alguns de seus chefes o codinome de "carniceiros".

A Época Moderna é marcada, em seguida, pela lenta construção do Estado. Progressivamente, os reis impõem seu monopólio de fazer a guerra: "A guerra faz o Estado e o Estado faz a guerra", dizia Charles de Tilly. Todavia, as forças que os soberanos utilizam estão ainda longe de ser totalmente controladas ou estatizadas. Na Renascença, ao contrário, os condottieri fazem e desfazem os príncipes italianos - que os empregam por meio de um contrato, a condotta - e acabam por comandar os principados mais poderosos, a exemplo dos Sforza. Filho de camponeses, Muzio Attendolo torna-se condottiere e ganha rapidamente o codinome de Sforza devido à sua força excepcional. Seu filho, Francesco, lidera seus mercenários e, antes de mudar de lado, combate pelos Visconti de Milão contra o papa. Casado com uma filha ilegítima do duque de Milão, ele sitia a cidade por sua conta em 1450 e é reconhecido duque pela população. Sua dinastia governa o principado lombardo até 1532. Durante toda a Época Moderna, o papel dos mercenários permanece crucial. Lansquenetes e retres alemães são as principais forças dos imperadores Habsburgos na Guerra dos Trinta Anos. Por sua vez, exilados irlandeses, chamados de "Gansos Selvagens", servem fielmente ao rei Luís XV e destacam-se na Batalha de Fontenoy, em 1745. Nos conflitos entre a França e a Inglaterra, os corsários diferenciam-se dos vulgares piratas e bucaneiros. Por meio das cartas de corso (origem do nome) assinadas pelo rei, eles realizam missões em todos os oceanos contra o inimigo inglês e angariam fortunas pessoais mais do que confortáveis. Alguns, como Jean Bart, tornam-se lendas da Marinha francesa: encarregado por Luís XIV de travar uma luta sem misericórdia contra as frotas inglesa e holandesa, o corsário de Dunquerque ataca várias vezes as costas da Grã-Bretanha e quase captura o soberano inglês Guilherme d'Orange. Com um título de nobreza e condecorado com a ordem de São Luís, Jean Bart termina a carreira como chefe de esquadra.

De modo geral, nas monarquias do Antigo Regime, os regimentos são privatizados de fato, já que cabe aos nobres que os comandam organizar o recrutamento das tropas. Assim, eles apelam regularmente para mercenários. Os cadetes da mais alta aristocracia também podem servir a regimes estrangeiros com sua tropa, a exemplo do príncipe Eugênio de Saboia no reinado de Luís XIV. No de Luís XV, Maurício da Saxônia, filho natural de um Eleitor da Saxônia, torna-se um mercenário de grande envergadura. Jovem e afortunado, Maurício leva uma vida desregrada, entre intrigas amorosas e duelos de honra. Expulso pelo pai, ele orgulha Luís XV durante a campanha de sucessão da Áustria, de 1745 a 1748. No entanto, desde o início do século XVIII, a Suécia de Carlos xii constitui uma exceção: é o exemplo mais precoce do desejo de um Estado de criar um exército nacional. Brutalmente interrompida pela derrota na Batalha de Poltava, em 1709, essa experiência abre o debate sobre a reorganização das forças armadas. As controvérsias são particularmente intensas na França na época do Iluminismo. A supressão da venalidade no Exército e o fim da possibilidade de os coronéis serem proprietários de seu regimento, instituída por Luís XV, inicia uma inflexão em 1762. Mas as transformações efetivas das tropas francesas só ocorrem com a Revolução.

Por fim, a imagem desvalorizada do mercenário é uma construção mental muito recente, induzida pela Revolução Francesa. A queda da Monarquia em 1792 parece coincidir com o desaparecimento de seus soldados da fortuna. Quando a Assembleia Nacional decide dissolver todos os corpos mercenários a serviço da França em julho de 1791, ela preserva, contudo, a helvética, que serve à Monarquia há mais de 350 anos. Enquanto os demais membros são licenciados, os guardas suíços constituem o núcleo da Casa Militar do rei, mas caem com a Monarquia, na tomada do Palácio das Tulherias, em 10 de agosto de 1792. A família real vai buscar a proteção da Assembleia Nacional, e 950 mercenários helvéticos defendem o palácio contra cerca de 12 mil sans-culottes. Quando um punhado de revolucionários descobre uma porta aberta e entra no palácio, os guardas suíços do rei abrem fogo e repelem os sitiantes. A revolta parece em seguida voltar-se para o pátio Caroussel, mas, por volta das dez horas, um grupo de voluntários marselheses, esperando pelo exército, consegue novamente penetrar nas Tulherias. Os homens, que ficaram no palácio, são mortos pela multidão, ainda que a retirada da guarda real seja ordenada. Luís XVI determina que os suíços deponham as armas e, quando se dirigem aos seus quartéis, são atacados pelos revolucionários. Cerca de sessenta guardas são massacrados no Hôtel de Ville, para onde foram levados. Outros serão assassinados nas prisões, durante os massacres de setembro, alguns dias mais tarde.

A partir da proclamação da República, os historiadores estabeleceram com frequência uma distinção entre os voluntários estrangeiros (geralmente agrupados em legiões) e os mercenários "clássicos". No entanto, nem sempre essa diferenciação é evidente. No sentido estrito, o termo latino mercenarius designa um "soldado contratado mediante dinheiro" ou um "doméstico que se paga". Logo adquiriu o sentido de militar que serve a uma organização ou a um governo estrangeiro mediante remuneração. Poderíamos definir o mercenário como um prestador de serviços que, independentemente das causas, motivações, acontecimentos, meios de recrutamento e de retribuição, coloca uma força armada à disposição de um empregador (público ou privado). Esses combatentes não nacionais foram-se espalhando pelo mundo juntamente com a globalização do comércio e dos conflitos. Por essa razão, adotaram o lema Orbs patria nostra ("O mundo é nossa pátria").

A definição ampla que acabamos de formular não permite uma distinção clara entre um voluntário estrangeiro e um mercenário. Todo prestador de serviços detentor de uma força armada empregado por estrangeiros seria um mercenário? Como classificar, então, os conselheiros militares? Os agentes de segurança? Os estrangeiros que servem em corpos francos? Apoiado nos princípios enunciados pela Revolução Francesa, o século XIX não se questiona muito. A situação evolui após 1945 como também as ambigüidades de certas legiões (por exemplo, a Legião Francesa dos voluntários enviada ao front russo pela Alemanha nazista). Além disso, a partir dos anos 1960 e da multiplicação dos combatentes estrangeiros nas guerras da descolonização, a comunidade internacional sente a necessidade de estabelecer uma definição legal e precisa da atividade mercenária.

Para a ONU, o termo refere-se a toda pessoa especialmente recrutada no país ou no exterior para combater em um conflito armado. O mercenário assume uma participação direta ou indireta nos combates, mediante uma remuneração elevada ou com vistas a obter um ganho pessoal. Além disso, ele não tem a nacionalidade, não reside em nenhuma das nações em conflito, nem é membro de uma das forças armadas. Tampouco foi oficialmente enviado por outro Estado. Feito esse esclarecimento sobre a posição do soldado da fortuna, a comunidade internacional choca-se com um segundo obstáculo. Deve-se criminalizar essa atividade em nome dos princípios correntes desde 1789? Veremos que essa questão é ainda mais pertinente no final do século XX, devido às mudanças no mundo dos soldados da fortuna.

Desacreditados na era da "nação em armas", destinados às operações paralelas no século XX, eles têm má reputação no mundo contemporâneo. Na realidade, quase sempre houve contestações. Já na Renascença, nos textos de Maquiavel, A arte da guerra ou O príncipe, por exemplo, a escalada do sentimento patriótico é acompanhada do desejo de construir um verdadeiro exército nacional. Porém, a Revolução Francesa constitui realmente uma ruptura essencial, pois, desde a Batalha de Valmy, ela parece traduzir-se pelo triunfo do povo em armas contra os mercenários do Antigo Regime. Essa organização das forças militares dos Estados, contudo, parece estar recuando hoje em dia; a terceirização das ações armadas encontra-se no cerne dos conflitos do início do século XXI (Iraque, Afeganistão). Pode-se prever o retorno de conflitos privados? Nossa época estaria fechando o ciclo dos Estados-nações, como leva a pensar o desaparecimento da mobilização de alistados? Ou, ao contrário, assiste-se atualmente a uma maior transparência na utilização de soldados da fortuna desde 1789? A uma delimitação da nebulosa mercenária e à sua inscrição nas regras do Direito internacional?

*

"História dos Mercenários"
Autor: Walter Bruyère-Ostells
Editora: Contexto
Páginas: 240
Quanto: R$ 39 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página