Saltar para o conteúdo principal
 
14/11/2012 - 15h30

Livro resgata a história da Folha durante a ditadura

da Livraria da Folha

Em 1971, três caminhonetes de entrega da Folha foram incendiadas por guerrilheiros que acusavam a empresa de colaborar com o regime militar. "A inexistência de fotografias ou documentos que atestem ou descartem objetivamente a colaboração do jornal com a repressão faz desse capítulo um dos mais controversos da história da Folha", escreve Ana Estela de Sousa Pinto em "Folha Explica: Folha".

Divulgação
Fotos feitas pela polícia e arquivadas no Deops mostram carro de entrega da Folha incendiado por guerrilheiros, que escreveram no asfalto o nome de Carlos Lamarca; imagem do livro Folha Explica: Folha
Fotos mostram carro de entrega da Folha incendiado por guerrilheiros; imagens do livro

"Li centenas de fichas nos arquivos do Deops (Departamento de Ordem Política e Social) e localizei um militante de esquerda que incendiou uma caminhonete da Folha em 1971. Não encontrei prova que confirme a colaboração", contou Ana Estela à "Ilustrada".

Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-diretor do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna), disse em entrevista à autora que "só usávamos as nossas viaturas, que, para isso, eram bastante descaracterizadas: trocas de placas, mudanças de cor e disfarce de seus ocupantes".

Antes de ser unificado sob o título Folha de S.Paulo, três "Folhas" --"Folha da Manhã", "Folha da Tarde" e "Folha da Noite"-- dividiam espaço.

No endurecimento pós-AI-5, os militantes de esquerda que trabalhavam na "Folha da Tarde" foram "substituídos por jornalistas ligados à polícia, alguns com cargo de delegado ou patente de major ou capitão da PM", conta no livro. O periódico passou a usar linguagem policial.

A pesquisa para a composição do 86º título da coleção "Folha Explica" levou mais de dois anos. Para essa passagem, a jornalista dedicou quatro meses. Ao tocar em um assunto polêmico, Ana Estela resgata e busca esclarecer um episódio de interesse público.

Divulgação
No livro, autora aborda os momentos mais polêmicos da história do jornal
Livro aborda momentos polêmicos da história da Folha de S.Paulo

Aos incêndios se seguiu um clima de tensão em relação à esquerda armada. Um editorial questionando a existência de presos políticos precipitou uma crise interna no jornal. Cláudio Abramo se afastou da chefia.

"De 1969 a 1972 a Folha atravessou um período negro, em que não havia espaço político algum no jornal. Na verdade, o jornal não tinha condições de resistir a pressões do governo", escreve Abramo no livro "A Regra do Jogo".

O controle da informação para manipular a opinião pública é o sonho de ditaduras e ditadores em todas as partes do mundo. Como um personagem de "1984" que se dedica a censurar palavras subversivas, governantes tentam controlar o conteúdo das mídias com maior alcance.

Mais do que uma apologia institucional que só serve para encher os olhos dos donos da empresa, "Folha Explica: Folha" narra a trajetória do jornal --entre dificuldades e inovações-- e os detalhes de seu funcionamento diário.

Ana Estela de Sousa Pinto trabalha na Folha desde 1988. Autora de "Jornalismo Diário" e "A Vaga É Sua, a jornalista é editora de "Mercado"

*

"Folha Explica: Folha"
Autor: Ana Estela de Sousa Pinto
Editora: Publifolha
Páginas: 232
Quanto: R$ 15,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página