Saltar para o conteúdo principal
 
05/03/2013 - 09h11

No aniversário de Pasolini, conheça o diretor 'maldito'

da Livraria da Folha

Reprodução
Cineasta italiano Pier Paolo Pasolini.
Cineasta Pier Paolo Pasolini

Homossexual, ateu e comunista --ingressou no Partido Comunista Italiano na década de 1940--, o diretor Pier Paolo Pasolini nasceu em Bolonha, Itália, no dia 5 de março de 1922. Pasolini adaptou e filmou "O Decameron", clássico de Boccaccio (1313-1375), e Salò, inspirado em "Os 120 Dias de Sodoma", a obra-prima do marquês de Sade.

Monte sua estante com livros sobre Pasolini

Divulgação
Texto oferece chaves de interpretação para o universo de Pasolini
Oferece chaves de interpretação para o universo de Paolo Pasolini

Em novembro de 1975, o diretor italiano foi assassinado. Seu corpo foi desfigurado e apresentava lesões em diversas partes do corpo. A morte de Pasolini ainda gera debates.

Pino Pelosi, assassino confesso, voltou atrás e, em 2005, declarou não tê-lo matado. A alegação de Pelosi fez surgir um sem número de teorias sobre o crime.

Em "Todos os Corpos de Pasolini", o professor Luiz Nazário reconstrói a obra de Pasolini soterrada sob escândalos e sensacionalismo. O livro percorre um universo artístico de mais de 16 mil páginas de poemas, romances, contos, crônicas, ensaios, peças, roteiros, cartas, 26 filmes, traduções, desenhos e pinturas.

A coleção "Folha Cine Europeu" prestou homenagem ao diretor com "Mamma Roma", censurado na Itália na década de 1960. Mamma Roma (Anna Magnani) economiza dinheiro para tentar mudar de vida após anos de trabalho como prostituta.

"Pier Paolo Pasolini" apresenta a trajetória do cineasta com indicações de interpretação para seu universo de ideias, como as fontes de inspiração dos filmes, retiradas de clássicos da pintura dos séculos 13 e 14.

France Presse
Cineasta italiano Pier Paolo Pasolini (1922-75)
Cineasta italiano Pier Paolo Pasolini (1922-75)

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página