Saltar para o conteúdo principal
 
30/07/2013 - 15h05

Definição de 'serial killer' do FBI é simplória, diz especialista

da Livraria da Folha

O "Manual de Classificação de Crimes" do FBI (Birô Federal de Investigações, em inglês) define a ação de um assassino em série, ou serial killer, como "três ou mais eventos separados em três ou mais locais distintos com um período de 'calmaria' entre os homicídios".

Segundo Harold Schechter, especialista em crimes do gênero, no livro "Serial Killers: Anatomia do Mal", o termo é cercado de confusão. Criado para descrever um tipo específico de criminoso, a classificação colocaria os assassinos de aluguel e em série na mesma categoria --se fosse seguida ao pé da letra.

Ed Gein (1906-84), homicida que inspirou Norman Bates, de "Psicose", Leatherface (face de couro, em inglês), de "O Massacre da Serra Elétrica", e Buffalo Bill, de "O Silêncio dos Inocentes", foi condenado por duas mortes. Ele também roubava túmulos, guardava pedaços dos corpos como troféu e criou uma "roupa" com peles de mulheres para tentar mudar de sexo.

Divulgação
Livro traz dados sobre a trajetória dos principais criminosos em série
Livro traz dados sobre a trajetória dos principais criminosos em série

Outro problema seria a localização dos crimes, que nem sempre ocorrem em lugares diferentes. "John Wayne Gacy, por exemplo, transformou o porão de sua casa no subúrbio em uma câmara privada de torturas e chegou a se desfazer dos restos mortais de suas vítimas escondendo-as sob o piso da casa --até ficar sem espaço", conta Schechter.

"A maior falha na definição do FBI, no entanto, é o que está faltando nela --ou seja, qualquer noção da natureza específica dos crimes". Para o autor, atos de sexualidade depravada, comum em todos os casos, não é mencionado na classificação do manual.

"Reconhecendo esse fato", diz, "alguns especialistas enfatizam as motivações sexuais por trás do assassinato em série, definindo-o como um ato praticado por depravados ultraviolentos, que obtêm prazer ao submeter suas vítimas a dores extremas e que continuarão a cometer suas atrocidades até que sejam detidos".

Em "Serial Killers: Anatomia do Mal", o autor defende que assassinos em série sempre existiram e pensar que eles são um fenômeno estritamente contemporâneo ou norte-americano é ingenuidade.

Publicado no Brasil pela editora Darkside, o livro apresenta a origem do termo e suas definições, os dez traços característicos de um assassino em série, os mitos, a história, as perversões sexuais que desenvolvem, os métodos e uma parte dedicada aos assassinos mais monstruosos dos Estados Unidos.

Leia um trecho do livro sobre o massacre do McDonald's.

*

"Serial Killers: Anatomia do Mal"
Autor: Harold Schechter
Editora: Darkside
Páginas: 448
Quanto: R$ 57,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página