Saltar para o conteúdo principal
 
13/08/2013 - 10h01

No aniversário de Hitchcock, conheça o mestre do suspense

da Livraria da Folha

Divulgação
O cineasta Alfred Hitchcock observa os pássaros usados em seu filme "Os Pássaros", durante o Festival Internacional de Cinema em Cannes de 1963.
Hitchcock observa as aves usadas em seu filme "Os Pássaros", durante o Festival Internacional de Cinema em Cannes de 1963.

Filho de um vendedor de verduras, Alfred Hitchcock nasceu em Londres, no dia 13 de agosto de 1899. a obra de sir Alfred, nobilitado pela rainha Elizabeth, revelou um dos maiores artífices da história do cinema.

'Psicose' ganha nova edição no Brasil
Caixa traz 14 filmes de Hitchcock em Blu-ray

Em 54 anos de atividade, entre 1922 e 1976, ele dirigiu 53 longas-metragens. Começou no cinema mudo e teve de se adaptar ao falado; foi do preto e branco --a seu ver o mais adequado à linguagem visual do suspense-- ao colorido, e ainda realizou experiências pioneiras com o tecnicolor e a terceira dimensão.

Dos estúdios londrinos a Hollywood, Hitchcock fez de tudo: escreveu e desenhou letreiros de filmes mudos, foi assistente de direção, diretor de arte, roteirista, cenógrafo, figurante e diretor. Lançou ao estrelato jovens até então desconhecidos como Shirley McLaine e Anthony Perkins, e trabalhou com grandes estrelas como Grace Kelly, Ingrid Bergman, Cary Grant e James Stewart.

O diretor de "O Homem que Sabia Demais" criou truques e efeitos visuais para produzir cenas antológicas, como a de Cary Grant sendo perseguido por um avião num campo de trigo ("Intriga Internacional" ), a dos atores dependurados no alto da estátua da Liberdade ("Sabotador" ), e, sem dúvida, a mais famosa de todas, a cena do chuveiro em que Janet Leigh é esfaqueada ("Psicose" ).

Arte/Folha imagem

Nas entrevistas que concedeu a François Truffaut (1932-84), o diretor inglês discorre sobre inovações como o jogo de planos e contraplanos, o uso do zoom, as técnicas do "fade in" e do "fade out". E descreve em detalhes a façanha até hoje incrível de filmar "Festim Diabólico" num plano-sequência. Truffaut tem razão quando diz que o trabalho da câmera hitchcockiana é sempre o astro principal de seus filmes.

Hitchcock resgata ainda seus sucessos e fracassos, os scripts abandonados, as sequências irrealizadas, e às vezes deixa escapar comentários sobre sua vida íntima, tão bem guardada. Nunca sabemos se as anedotas que conta sobre astros e estrelas --e sobre si mesmo-- são verdadeiras.

Atualmente esgotado, "Hitchcock / Truffaut: Entrevistas" foi publicado pela primeira vez em 1986, e logo passou a ser disputado com sebos e bibliotecas. Uma aula fundamental, dada pelo cineasta de cabeceira de Truffaut.

Reprodução
Cena do filme "Psicose"
Cena em que Marion (Janet Leigh) é morta enquanto toma banho num hotel; filme é o maior sucesso de Hitchcock

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página