Saltar para o conteúdo principal
 
01/10/2013 - 14h23

'Hoje, a cultura consiste em ofertas', diz Bauman

da Livraria da Folha

Há dois séculos, a cultura era vista como um agente de mudança, sua missão era educar, esclarecer e permitir novos pensamentos e criações. Segundo o sociólogo Zygmunt Bauman, a cultura se transformou em um objeto de moda, uma loja com prateleiras superlotadas.

"O 'projeto iluminista' conferiu à cultura o status de ferramenta básica para a construção de uma nação, de um Estado e de um Estado-nação", escreve Bauman em "A Cultura no Mundo Líquido Moderno". "Hoje, a cultura consiste em ofertas, e não em proibições; em proposições, não em normas".

Divulgação
Zygmunt Bauman rememora os deslocamentos históricos do conceito de cultura
Autor investiga os deslocamentos históricos do conceito de cultura

O que foi separado em "alta cultura", gosto médio ou "filisteu", característico da classe média, e "vulgar" não tem mais suas fronteiras tão delimitadas como era décadas atrás.

Para Richard A. Peterson, professor do departamento de sociologia da Universidade de Vanderbilt (Nashville, nos EUA), nos tornamos "onívoros" no que diz respeito ao consumo cultural.

"O princípio de elitismo cultural é onívoro --está à vontade em qualquer ambiente cultural, sem considerar nenhum deles seu lar, muito menos o único lar", conta Bauman.

"A Cultura no Mundo Líquido Moderno" traz uma reflexão sobre a dissolução das hierarquias num mundo marcado pela globalização e pelo imediatismo. Em uma cultura liquida, nenhuma tendência dura mais do que uma piscadela.

"Em suma", diz o autor, "a cultura da modernidade líquida não tem um 'populacho' a ser esclarecido e dignificado; tem, contudo, clientes a seduzir".

Entre outros títulos, Bauman, professor emérito das universidades de Varsóvia e de Leeds, é autor de "Danos Colaterais: Desigualdades Sociais numa Era Global", "Modernidade Líquida", "Amor Líquido", "O Mal-Estar da Pós-Modernidade", "Isto Não É um Diário", "Confiança e Medo na Cidade" e "Capitalismo Parasitário".

"A Cultura no Mundo Líquido Moderno", com tradução de Carlos Alberto Medeiros, chega ao Brasil no dia 10 deste mês. Leia um trecho.

*

"A Cultura no Mundo Líquido Moderno"
Autor: Zygmunt Bauman
Editora: Zahar
Páginas: 112
Quanto: R$ 30,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página