Saltar para o conteúdo principal
 
03/01/2014 - 14h42

Dinheiro é o 2º maior motivo de separação no mundo, diz livro

da Livraria da Folha

Se duas cabeças pensam melhor do que uma, um casal se sairia melhor em organizar as finanças familiares, certo? Errado. Divergências de interesses e prioridades podem criar problemas conjugais.

"Pesquisas mostram que assuntos relacionados ao dinheiro são o segundo maior motivo de separação no mundo, perdendo apenas para a infidelidade", escreve Gustavo Cerbasi em "Os Segredos dos Casais Inteligentes".

No livro, Cerbasi propõe estratégias para lidar com a renda familiar e planejar o futuro sem comprometer a qualidade de vida no presente. O título é um desdobramento "Casais Inteligentes Enriquecem Juntos", que vendeu mais de 1 milhão de cópias e inspirou o filme "Até que a Sorte nos Separe".

Gustavo Cerbasi é mestre em administração e finanças pela FEA/USP, formado em administração pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), com especialização em finanças pela Stern School of Business, da Universidade de Nova York e pela Fundação Instituto de Administração (FIA).

Ele leciona em cursos de pós-graduação e MBAs de instituições como Universidade de São Paulo, Fundação Instituto de Administração, Fundação Dom Cabral e Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Entre diversos títulos publicados, Cerbasi também é autor de "Dez Bons Conselhos de Meu Pai", "Mais Tempo, Mais Dinheiro", "Como Organizar Sua Vida Financeira", "Dinheiro: os Segredos de Quem Tem" e "Investimentos Inteligentes".

Abaixo, leia trecho de "Os Segredos dos Casais Inteligentes".

*

Introdução

Divulgação
Estratégias para garantir o futuro sem comprometer a qualidade de vida
Estratégias para garantir o futuro sem comprometer o presente

Enriquecer é uma arte. Como em qualquer vertente artística, colherá melhores frutos o artista que se dedicar mais, que for perseverante, inspirado, disciplinado e que não se acomodar com resultados obtidos no passado. Quem aparentemente não nasce com determinado dom artístico pode desenvolvê-lo educando-se com afinco. Se isso não der origem a uma obra brilhante, ao menos resultará em um trabalho competente.

Todos esses argumentos valem também para a arte de construir riquezas ao longo da vida. Na arte de enriquecer, alguns encontram mais facilidade do que outros - talvez por vocação, talvez por uma educação que tenha aberto as portas certas. Por trás de um processo de enriquecimento deve haver a busca de informações, a inspiração para a pesquisa, a perseverança perante as perdas e a disciplina para sustentar planos que demoram a acontecer. É ao nos envolver com o assunto que desenvolvemos a técnica, seja ela inata ou não.

Em algum grau, todos querem enriquecer, mas nem todos conseguem se organizar para efetivamente batalhar por isso. Acredito que enriquecer é uma questão de escolha, por isso vejo em cada ser humano a capacidade de praticar essa arte - a diferença é que alguns têm se dedicado mais que outros, seja por vontade, seja por terem descoberto os caminhos certos antes de muitos.

Porém, assim como nas artes, a união de duas pessoas inspiradas em seus projetos pessoais nem sempre resulta em um fantástico dueto. Os motivos? Podem ser vários, do egoísmo à ganância, da individualidade à ignorância, ou simplesmente a falta de planos adequados.

Por mais geniais que sejam os artistas, não basta uni-los. É preciso que eles se inspirem para construir um projeto comum caso realmente queiram ver sua obra de arte se tornar genial.

Não importa quão competente você é na arte de enriquecer. Teoricamente, lidar com o dinheiro deveria ser uma tarefa mais simples de se fazer em família do que individualmente. Afinal, duas cabeças pensam melhor que uma. Porém, a prática mostra que, de simples, essa tarefa não tem nada. O que funciona para um indivíduo não necessariamente funcionará para outro ou para a vida a dois, pois existe toda uma complexidade de sentimentos, hábitos e histórico familiar envolvidos. Isso se traduz em duas pessoas com vontades diferentes, expectativas de consumo diferentes, níveis de ansiedade diferentes, conhecimentos diferentes e habilidades diferentes, principalmente quando se trata de habilidades matemáticas ou econômicas.

Por isso não basta seguir um punhado de regras predefinidas.

Unir forças não é garantia de um conjunto mais forte, principalmente quando o assunto é riqueza. Quantos casamentos terminam em divórcio por causa de dinheiro? O mesmo acontece com parceiros de negócios, irmãos, comerciantes e clientes. O dinheiro é o meio que viabiliza nossas ambições, por isso mexe com nossas emoções.

Pense nos motivos que geram brigas entre casais que você conhece. Por exemplo, buscando seu bem-estar, alguém gasta dinheiro sem contar ao seu parceiro. Ou um dos dois perde o emprego, a renda combinada cai e eles não podem mais comprar certas coisas. Ou famílias não se entendem em razão de hábitos de consumo diferentes. E o que falar de casais que têm que lidar com a pensão de filhos de relacionamentos anteriores? Pesquisas mostram que assuntos relacionados ao dinheiro são o segundo maior motivo de separação no mundo, perdendo apenas para a infidelidade.

Sou muito feliz em meu casamento com a Adriana. Mas se você acha que é porque ganho muito dinheiro com o sucesso de meu trabalho, quero derrubar esse mito desde já. Em nosso relacionamento, nem sempre tivemos a tranquilidade e a disponibilidade financeira que temos hoje. Na verdade, problemas foram frequentes - e até mais frequentes do que na vida de muitos de meus amigos -, pois comecei a trabalhar tarde. No início de nosso namoro, nossa renda mal dava para a alimentação. Morávamos com nossos pais. Nosso luxo era jantar fora às sextas-feiras - com sorte, três semanas de hot dog ou comidinhas de padaria permitiam fechar o mês com um jantar mais romântico.

Aos 24 anos, eu ganhava menos do que a maioria de meus amigos. Acompanhar as amizades, principalmente quando todos começaram a celebrar seus casamentos, nos fez passar por algumas privações. E privar-nos de pequenas tradições quando ainda estamos na fase do namoro certamente não é a forma mais fácil de fortalecer uma relação. Porém, o hábito de fazer sacrifícios e compensá-los com recompensas logo passou a ser uma marca de nosso namoro. Apertávamos o cinto para alcançar projetos mais ambiciosos, como um fim de semana com amigos em uma pousada ou ingressos para um parque temático perto de casa. Conversávamos sobre casamento, que parecia um sonho distante para nossa renda. Mas a vontade de casar nos fez colocar a faca nos dentes e correr atrás de nosso desejo. Passamos a trabalhar mais, deixamos de jantar fora e passear, poupamos como poucas pessoas conseguem fazer e realizamos não só esse sonho, mas muitos dos que vieram depois.

[...]

*

OS SEGREDOS DOS CASAIS INTELIGENTES
AUTOR Gustavo Cerbasi
EDITORA GMT
QUANTO R$ 15,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

 
Voltar ao topo da página