Saltar para o conteúdo principal
 
14/01/2014 - 17h30

Desejo pelo 'herói salvador' não mudou desde Hitler, diz historiador

FABIO ANDRIGHETTO
da Livraria da Folha

Crise econômica, violência urbana e instabilidade política são elementos que, historicamente, criam a conjuntura propícia para a ascensão de regimes totalitários. Quando isso acontece, as pessoas procuram por um herói salvador, alguém que tenha uma solução, que diga que a culpa é de outra pessoa, classe ou grupo.

Na Alemanha não foi diferente. "O desejo ardente pela salvação e redenção: nada disso mudou no mundo desde a morte de Hitler, em abril de 1945", escreve o historiador Laurence Rees em "O Carisma de Adolf Hitler".

Rees procurou compreender o fascínio que o líder alemão causava nas massas em rolos de filmes de arquivos da época, com discursos e aparições públicas. Entretanto, ele não encontrou carisma algum.

"Não senti nada porque não vivi aquela época como uma pessoa predisposta a aceitar o apelo carismático de Hitler", conta Rees. "Não passei fome, não me senti humilhado após a derrota da guerra, estando desempregado, temendo a disseminação da violência nas ruas, nem me senti traído por promessas não cumpridas pelo sistema democrático no qual eu vivia".

O Führer, que encontrou o ambiente propício para colocar em prática as suas ideias, também é fruto de seu tempo. "O Carisma de Adolf Hitler" é o resultado de duas décadas de estudos de Rees sobre o Terceiro Reich.

Divulgação
Como foi possível Hitler se tornar uma figura tão atraente para milhões de pessoas?
Como Hitler se tornou uma figura tão atraente para milhões de pessoas?

Rees entrevistou pessoas que trabalharam e assassinaram em nome da causa nazista. Conversou com sobreviventes do Holocausto e com aqueles que ajudaram a derrubar Hitler. "O que me disseram foi tão chocante quanto surpreendente".

As pessoas que ouviam os discursos de Hitler não estavam hipnotizadas. Elas estavam cientes do contexto, por isso, segundo o autor, o carisma do líder alemão não serve como justificativa para crimes de guerra e genocídio.

Hitler não era apenas carismático. Quando era contrariado, ele não hesitava em ameaçar, assassinar ou usar qualquer outro método para provocar o temor em seus adversários.

Laurence Rees, historiador e autor de documentários, é especialista em nazismo e Segunda Guerra Mundial.

*

O CARISMA DE ADOLF HITLER
AUTOR Laurence Rees
EDITORA LeYa
QUANTO R$ 46,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

 
Voltar ao topo da página