Saltar para o conteúdo principal
 
27/12/2014 - 09h20

Louis Pasteur revolucionou a qualidade de vida

da Livraria da Folha

Muitas descobertas e invenções passam despercebidas na correria cotidiana, o leite pasteurizado é uma delas. A pasteurização leva o nome do seu idealizador, Louis Pasteur, e foi criada no século 19. O processo consiste em aquecer o alimento por um tempo determinado –necessário para eliminar os microorganismos– e selá-los para evitar nova contaminação. Assim, o leite não se decompõe durante o transporte ou nas prateleiras dos supermercados.

Reprodução
Cientista propôs a utilização das vacinas de maneira preventiva
Cientista propôs a utilização das vacinas de maneira preventiva

O método famoso não foi a única contribuição do químico para a ciência e para a qualidade de vida. Ele se posicionou contrário a teoria da geração espontânea –também chamada de abiogênese. A hipótese sugeria que a vida "brotava" em condições materiais determinadas, ideia originada na antiguidade– e propôs a utilização das vacinas antes da manifestação das doenças, evitando-as, como se faz hoje.

Pasteur nasceu na França, no dia 27 de dezembro de 1822. Morreu aos 73 anos, em 28 de setembro de 1895. Suas notas em química, durante seu bacharelado em ciências, eram medíocres. Hoje, ele é considerado uma dos mais importantes cientistas do século 19, ao lado de Ignaz Semmelweis (1818-1865), Ferdinand Cohn (1828-1898) e Robert Koch (1843-1910), homens que revolucionaram o conhecimento científico.

Editado graças à cooperação entre a Fundação Oswaldo Cruz e o Instituto Pasteur, "Louis Pasteur e Oswaldo Cruz" traz a história da contribuição dos dois cientistas, além de um balanço atual das pesquisas.

O sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz (1872-1917) protagonizou a insurgência que ficou conhecida como "A Revolta da Vacina". Ocorrida em 1904, foi uma campanha popular conta a vacinação obrigatória, proposta pelo médico.

Segundo os livros "A História da Humanidade Contada pelos Vírus" e "A História e Suas Epidemias", as doenças são as verdadeiras protagonistas da história, dizimam populações, promovem êxodos e enfraquecem nações, uma guerra sem fim pela sobrevivência.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

-

 
Voltar ao topo da página