Saltar para o conteúdo principal
 
13/05/2015 - 09h02

No Dia da Abolição, veja livros que contam a história da escravidão no Brasil

da Livraria da Folha

O Dia da Abolição da Escravatura no Brasil marca a aprovação da Lei Áurea de 1888, assinada pela princesa Isabel. As lutas dos negros pela liberdade, a pressão dos abolicionistas, a mudança de mentalidade e a interferência internacional da Inglaterra foram os verdadeiros responsáveis pelo fim da escravidão no país.

Cientista social analisa o preconceito por trás das piadas

Hoje nos horrorizamos com a possibilidade de cecear a liberdade de outro ser humano, mas a prática é pré-histórica e muito comum desde os primórdios da humanidade. É virtualmente impossível –independentemente de suas origens– que não exista um indivíduo que foi escravo, negro ou não, entre os seus ancestrais.

Divulgação
Livro debate a circulação de escravos, diferente do tradicional tráfico africano
Livro debate a circulação de escravos entre Portugal e Brasil

A cor da pele não era um fator decisivo em outras épocas. Os gregos e os romanos escravizavam os povos conquistados, muitos deles loiros de olhos azuis. Abaixo, veja alguns livros sobre o tema.

Escrito por Gilberto Freyre, "O Escravo nos Anúncios de Jornais Brasileiros do Século XIX" traz o exame dos anúncios de compra, venda, e fuga de escravos e mostra a riqueza dessas fontes documentais para nos aproximar do universo do cotidiano daquela época.

Freyre revolucionou a historiografia em 1933 com a publicação de "Casa-Grande & Senzala". Além de recriar detalhes do dia a dia, ele usou teorias das ciências sociais, dispensando o engessado registro cronológico tradicional.

O historiador Renato Pinto Venancio examina a circulação de escravos entre Brasil e Portugal no livro "Cativos do Reino". Venancio compara os escravos que representaram a principal força de trabalho e aqueles que eram apenas símbolo de status e poder.

Divulgação
Livro investiga o impacto do conflito norte-americano sobre os destinos da escravidão
Narra o impacto do conflito norte-americano na escravidão

Fundamentado em pesquisa realizada em arquivos de diversos países, o livro "O Sul Mais Distante", de Gerald Horne, apresenta as percepções que os ideólogos da escravidão no Sul dos Estados Unidos tinham do Brasil.

"O Navio Negreiro: Uma História Humana", escrito pelo historiador Marcus Rediker, relata o funcionamento do meio de transporte que possibilitou levar a grande parte da mão de obra africana para o Novo Mundo. O volume é fundamentado em mais de 30 anos de pesquisas em arquivos.

Procurando descartar os problemas gerados pela interpretação anacrônica da história, Orlando Patterson, historiador e colunista do "New York Times", associa a escravidão ao desenvolvimento de economias avançadas e aos ideais e crenças da tradição ocidental, como os conceitos de liberdade e propriedade. Um estudo comparativo que originou "Escravidão e Morte Social".

Para os otimistas, que imaginam a escravidão eliminada, "Pisando Fora da Própria Sombra" é capaz de tirar-lhes o sono. O título expõe a continuidade da prática em nosso país e traz um encarte com imagens de João Roberto Ripper, um dos maiores fotógrafos de imagens humanas.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

-

 
Voltar ao topo da página