Saltar para o conteúdo principal
 
14/07/2015 - 10h00

'O Mundo de Anne Frank' conta a história da adolescente judia durante o Holocausto

da Livraria da Folha

Em julho de 1942, Anne Frank e sua família se esconderam no Anexo Secreto. O lugar, que ainda não estava pronto para receber moradores, estava cheio de caixas, e imediatamente todos começaram a trabalhar e fazer cortinas para que os vizinhos não pudessem vê-los do lado de fora.

No Anexo Secreto, além da família Frank, viviam quatro outros judeus: Hermann e Auguste van Pels com seu filho, Peter, e Fritz Pfeffer. Quatro dos empregados de Otto Frank ajudaram todos a se esconder. O que se seguiu foi uma vida marcada pelo medo da descoberta e uma série de desentendimentos causados por oito pessoas vivendo em um espaço tão aperto, sem a possibilidade de visitar o mundo exterior.

Divulgação
Livro apresenta história da menina que se mantém até hoje como um dos principais símbolos contra o horror nazista
Livro apresenta história da menina que se mantém até hoje como um dos principais símbolos contra o horror nazista

Escrito pela jornalista Janny Van Der Molen, "O Mundo de Anne Frank" apresenta a história da menina que se mantém até hoje como um dos principais símbolos do horror do regime nazista.

Para escrever o livro, cuja pesquisa foi feita com o apoio da Fundação Anne Frank, a autora visitou a casa da família Frank na Alemanha, o esconderijo usado entre 1942 e 1944 em Amsterdã, hoje transformado em museu, e os campos de concentração de Westerbork, Auschwitz e Bergen-Belsen.

Romanceado, o livro contextualiza a história de Anne Frank para novas gerações, com ilustrações de Martijn van der Linden, e apresenta o mundo de Anne desde seu nascimento, no dia 12 de junho de 1929, até a sua morte, em 12 de março de 1945. A trajetória foi dividida em dez temas centrais: brincadeira, família, guerra, normas, medo, diário, sobrevivência, paixão, traição e horror. O título apresenta uma seleção de fotografias do acervo da família Frank.

Janny van der Molen é jornalista, escritora e teóloga. Nascida na Holanda, ela trabalhou na área de comunicação por muitos anos e agora se dedica a escrever livros infantis.

Abaixo, leia um trecho de "O Mundo de Anne Frank".

*

Fugindo dos nazistas

- Conseguimos, Edith!

Estavam em meados de novembro de 1938. Papai entrou na sala ainda de casaco. Tensa, mamãe olhou para ele. Parecia já saber sobre o que ele estava falando.

Papai fez que sim com a cabeça.

- Agora vou tentar trazer o Julius para cá também. E Walter. Mas não vai ser fácil.

Mamãe parecia ansiosa.

- Força, Edith. Não podemos perder a esperança - sussurrou papai.

- O que foi, mamãe? - perguntou Anne preocupada.

Mamãe não respondeu.

Papai chamou Margot, que estava no quarto.

- Sentem-se aqui, por favor - disse.

As duas meninas puxaram cadeiras e se juntaram à mesa com os pais.

- Tivemos notícias da vovó. Ela recebeu autorização do governo holandês para vir morar com a gente.

- Isso é maravilhoso! - disse Anne. - Quando ela chega?

- O mais rápido possível. Mas vovó ainda precisa resolver algumas coisas.

Anne estava feliz, muito feliz. Mas mamãe estava quieta.

- Você não está feliz, mãe? - perguntou Anne.

Papai respondeu por ela:

- Mamãe também gostaria que tio Julius e tio Walter saíssem da Alemanha. Mas é claro que está aliviada porque, pelo menos, a vovó vai poder vir.

Anne agora entendia a preocupação da mãe. Sabia que vovó, tio Julius e tio Walter estavam passando por grandes dificuldades na Alemanha. A todo momento, a menina perguntava o que estava acontecendo por lá, mas papai falava para ela não se preocupar, que não era assunto para criança. Contudo, Anne sabia que muitos dos problemas eram causados por aquele homem chamado Hitler, que agora governava a Alemanha.

Hitler odiava os judeus, e muitas pessoas concordavam com o ponto de vista dele. Anne também sabia que os nazistas tinham prendido seus tios e que apenas tio Julius fora solto.

Walter estava em algum campo de concentração na Ale - manha. Mamãe tinha contado isso a elas depois que as meninas perceberam seu aspecto cada vez mais preocupado.

- Bom, meninas, vão para o quarto, por favor. Assim posso conversar com mamãe sobre o que precisamos fazer - disse papai.

Anne e Margot foram para o quarto que dividiam, do outro lado do corredor. Margot fechou a porta, mas Anne, curiosa, apertou o ouvido contra a porta.

- Anne! - censurou-a Margot, chateada. - Quando papai e mamãe quiserem que a gente saiba de alguma coisa, eles nos dirão!

- Você é uma santinha do pau oco! - resmungou Anne, mas se afastou da porta.

No mesmo dia, o pai escreveu a uma organização que ajudava refugiados judeus, pedindo autorização para que tio Julius entrasse na Holanda. Na carta, dizia que a intenção de Julius era seguir para os Estados Unidos e que ele estaria na Holanda apenas de passagem. E que ele, Otto Frank, o hospedaria em sua casa. Não podiam fazer nada por tio Walter além de rezar para que fosse liberto logo. Depois, ele também seguiria viagem para os Estados Unidos. Pelo menos, era esse o plano.

Semanas se passaram sem novidades. Mas, no fim de dezembro de 1938, finalmente chegou uma boa notícia:

- Os nazistas soltaram Walter - contou papai, aliviado.

Mamãe começou a chorar de felicidade.

- Ele virá em breve para a Holanda - disse ele em seguida.

- Ele vem morar aqui, Pim? - perguntou Anne.

Papai disse que isso não seria possível. Na Holanda, tio Walter ficaria em um campo de refugiados.

- Mas por quê? - quis saber Margot.

- Ele não tem permissão para ficar no país - explicou papai. - O governo holandês acha que já está abrigando judeus alemães demais. Ele vai ficar lá até poder viajar para outro país.

- Então ele vai para outro tipo de prisão? - deduziu Anne.

Mamãe fez que não com a cabeça.

- É apenas temporário, Anne. Seus tios vão para os Estados Unidos.

- Para os Estados Unidos? - perguntou Anne. - Jura? Que bom!

Após alguns meses, veio o grande dia. Era março de 1939, e tio Julius chegou a Amsterdã. A organização holandesa para quem papai havia escrito tornou isso possível. Tio Julius foi autorizado a se hospedar na casa da irmã até viajar para os Estados Unidos. Tio Walter, infelizmente, ainda não recebera permissão para entrar nos Estados Unidos. Os planos mudaram. Agora tio Julius se estabeleceria primeiro e esperaria que Walter pudesse segui-lo em breve.

Depois de quase uma semana, vovó Holländer também chegou em Amsterdã.

- Vovó! - vibrou Anne quando ouviu o barulho da chave na porta da frente.

Mamãe e Margot já tinham ido até a porta. Papai entrou com vovó. Anne dava pulos de alegria. Vovó subiu os degraus da escada bem devagar. Levantou a cabeça e sorriu para Anne, que levou um susto. Vovó parecia tão velhinha! Muito mais velha do que da última vez que a vira.

Ela abraçou forte a avó.

- Que bom que a senhora chegou, vovó!

Mamãe também abraçou e beijou vovó e ajudou-a a tirar o casaco. Tio Julius estava aliviado que sua mãe havia chegado bem.

Margot ajudou papai a carregar as duas malas até o canto da sala, que agora fora transformado num quarto para ela.

- Olha, vovó! - Anne apontou. - Aqui está sua cama.

Vovó assentiu, agradecida, mas Anne percebeu uma grande tristeza em seu olhar.

- Meninas, deixem a vovó sozinha um pouco - pediu mamãe.

Anne e Margot entenderam o recado e foram para o quarto.

- Não entendo. A vovó não ficou feliz de estar aqui com a gente? - perguntou Anne.

- Ela teve que abandonar tudo, Anne - disse Margot, quase sussurrando.

Tudo?, pensou Anne. Tudo mesmo? Tio Julius e vovó tinham chegado com apenas algumas malas. Deixaram para trás móveis, livros, quadros e todo o resto? Ou chegariam depois?

De noite, Anne não aguentou e fez diversas perguntas ao pai. Ele respondeu calmamente:

- Preste atenção, Anne. Tio Julius vai para os Estados Unidos. Esperamos que tio Walter em breve se junte a ele. Vovó agora está conosco. Isso é o mais importante. Os três estão a salvo.

- Mas Pim...

- Acredite em mim, Anne. As coisas deles não são importantes.

- Mas... Papai balançou a cabeça. O assunto estava encerrado.

*

O MUNDO DE ANNE FRANK
AUTOR Janny Van Der Molen
EDITORA Rocco Jovens Leitores
QUANTO R$ 29,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página