Saltar para o conteúdo principal
 
11/11/2015 - 09h25

FHC aponta intrigas e relata hesitações do cotidiano em 'Diários da Presidência'

da Livraria da Folha

Divulgação
Em pouco mais de 900 páginas, FHC relata as hesitações do cotidiano, tece comentários sobre o governo e aponta intrigas a seu redor
Em 900 páginas, FHC relata hesitações do cotidiano, tece comentários sobre o governo e aponta intrigas a seu redor

Durante seus dois mandatos como Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso manteve o hábito quase semanal de registrar, num gravador, o dia a dia do poder. Os relatos dos dois primeiros anos compreendem quase 90 horas de gravação, que foram decupadas a partir de 44 fitas cassete. O resultado é o livro "Diários da Presidência".

Em pouco mais de 900 páginas, FHC relata hesitações do cotidiano e os julgamentos duros de amigos próximos, tece comentários sobre o governo, reclamações da imprensa e aponta intrigas a seu redor.

Lançado pela editora Companhia das Letras, o livro é o primeiro de uma série de quatro volumes bianuais. O primeiro traz textos escritos entre 1995 e 1996. A editora planeja concluir a publicação dos diários em meados de 2017.

Os registros vão muito além de uma visão privilegiada da intimidade do poder; são, na verdade, uma poderosa ferramenta para a compreensão do Brasil contemporâneo.

Os áudios foram transcritos por Danielle Ardaillon, curadora do acervo da Fundação Instituto Fernando Henrique Cardoso. Todos os textos foram revistos pelo autor e pela editora.

Abaixo, leia um pequeno trecho.

*

TERÇA-FEIRA, 28 DE NOVEMBRO DE 1995 [...] Hoje veio a bancada do PFL de Minas tomar café da manhã comigo. Todos dizem que têm questões menores, que não querem conversar comigo, que eu designe quem tratará do assunto, e eles só querem umas nomeaçõezinhas, uns contratinhos, essas coisas, o beabá dessa política empobrecida.

Mas discutimos os grandes temas. Levantaram as dúvidas gerais, dei uma quase aula sobre a situação do Brasil, foi agradável. Não vai mudar nada enquanto não se fizerem as nomeações que estão desejosos de ter. [...]

SÁBADO, 9 DE DEZEMBRO [...] Tive uma longa conversa com Serra. Aí sim, fomos mais a fundo a respeito da nossa relação. Ele voltou a dizer que eu acho que foi contra o Plano Real, que não foi contra o Real, que ele não acreditava [na possibilidade política de o pôr em prática], eu sei que é isso. Voltei a explicar a ele o porquê de o Malan ser o ministro da Fazenda, Serra concorda comigo que é porque dá a sensação de estabilização. Disse-lhe o que esperava de cada um e que não adianta tentar resolver questões que não têm solução, não posso mexer agora com o Banco Central. [...]

DOMINGO, 24 DE MARÇO [...] Agora no fim da noite, encontrei a Dorothea. Estava aflita pelas notícias de que o ministério dela podia ser barganhado com o PPB. Expliquei que não era assim, isso cria um ânimo ruim, desmoraliza as pessoas que estão trabalhando no ministério. É uma coisa lamentável, a gente tem que fazer frente a essas fofocas que saem na imprensa e que levam a situações desagradáveis, de que eu não gosto, de incerteza. [...]

*

DIÁRIOS DA PRESIDÊNCIA
AUTOR Fernando Henrique Cardoso
EDITORA Companhia das Letras
QUANTO R$ 63,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página