Saltar para o conteúdo principal
 
15/01/2016 - 18h45

Com base em descobertas inéditas, livro revela a identidade de Jack, o Estripador

da Livraria da Folha

Divulgação
Especialista conseguiu extrair traços do DNA do serial killer de xale, permitindo a empresário finalmente desvendar o nome de Jack, o Estripador
Especialista conseguiu extrair traços do DNA do serial killer de xale, permitindo a empresário finalmente identificar o assassino

O caso de Jack, O Estripador é considerado por muitos o maior mistério criminal de todos os tempos e intrigou criminologistas por mais de um século. A história do assassino de Whitechapel foi recontada e reinterpretada em inúmeros livros, filmes e séries de TV, além de ser tema de teorias bizarras.

Em "Desvendando Jack, O Estripador", o empresário Russell Edwards conta como conseguiu localizar e comprar um xale que supostamente teria sido deixado junto ao corpo de Catherine Eddowes, uma das vítimas do serial killer. Se fosse genuíno, o xale seria a única prova de evidência ainda existente do local do crime.

Obter o xale foi o começo de uma jornada de sete anos que o levou até o dr. Jari Louhelainen. O especialista conseguiu extrair traços do DNA do assassino do xale, permitindo a Russell finalmente desvendar o nome de Jack, o Estripador.

Abaixo, leia um trecho da introdução do livro.

*

Era sábado, 17 de março de 2007, dia de São Patrício. Não que eu soubesse que era o dia do santo: a data tinha um significado muito maior para mim. Foi o dia em que compareci a um leilão, o primeiro a que fui. Um dia que começou com grande emoção e determinação e terminou numa decepção desesperadora.

Por que aquele leilão era tão importante para mim? Para um obser vador casual, o catálogo elaborado pela empresa leiloeira Lacy Scott & Knight para a venda naquele dia em Bury St Edmunds, Suffolk, era bastante padrão: livros de antiguidades, cerâmicas, joias, relógios, pinturas, muitos móveis de mogno vitorianos e eduardianos. Em outra época da minha vida, quando tinha interesse por móveis antigos, eu teria gostado de examinar os lotes.

Porém naquele dia havia um único item pelo qual eu estava interessado, e sem sombra de dúvida era a sensação do dia; tinha uma página inteira do catálogo destinada a ele. Era um velho xale de seda danificado, meio rasgado. Eu fora vê-lo no dia anterior, e me impressionou pelo fato de ser muito bonito, muito mais do que eu havia esperado: a faixa central era de seda lisa, e em cada extremidade havia núcleos amplos, com uma estampa floral que se destacava, predominando ásteres dourados e vermelhos. De um lado ele era marrom com bordas estampadas, e havia uma beirada larga em cada extremidade, azul com estampa floral, e do outro lado era de um marrom mais claro com extremidades azuis. Até para meu olhar destreinado ele era evidentemente muito antigo.

No entanto o significado dele ia muito além de sua idade. Isto é o que constava na lista do catálogo:

Lote 235: Um xale de seda marrom do final do século XIX, com estampa impressa em serigrafia, decorado com ásteres, comprimento 2,5 m (com algumas partes puídas e rasgadas).

Diferentemente das tabelas e fotos que preenchiam o resto da lista, para esta peça não havia qualquer estimativa de preço. Simplesmente estava escrito: "Est: por favor, consulte os leiloeiros".

Eu havia feito exatamente isso. Quando vi o xale, no dia anterior, que é quando os leilões normalmente permitem que os compradores em potencial vejam os lotes, o leiloeiro havia me informado o preço de reserva, e eu fiquei surpreso com o fato de ele ser tão baixo: definitivamente, estava dentro do meu orçamento.

Em outra página, onde havia uma foto grande do xale, o catálogo dizia:

Procedência: De acordo com a história da família do vendedor, este xale teria sido removido do corpo de Catherine Eddowes, vítima de Jack, o Estripador, por seu tio-bisavô, Sargento Amos Simpson, que estava lotado perto da Mitre Square, no East End de Londres. No entanto há alguma controvérsia acerca da autenticidade dessa história, e aconselha-se aos interessados que façam sua própria pesquisa antes de darem um lance. O xale passou algum tempo no Museu do Crime (Museu Negro) da Polícia Metropolitana, e em 2006 foi objeto de uma análise forense sem resultados conclusivos, para um programa no Canal 5. A história do xale é discutida em profundidade no Apêndice Um do livro de Kevin O'Donnell, The Jack the Ripper Whitechapel Murders, baseado na pesquisa feita por Andy e Sue Parlour; uma cópia está disponível, a pedido, no escritório.

Então veja bem. Se fosse genuíno, este seria um dos poucos remanescentes físicos das cenas dos crimes cometidos por Jack, o Estripador, quando ele aterrorizou as ruas de Londres e abriu seu caminho para o psiquismo britânico. Todos já ouviram falar de Jack, o Estripador. Pouca gente conhece a história inteira, mas muitas pessoas têm uma impressão vaga de ruas escuras e enevoadas, na Londres vitoriana, com um serial killer enlouquecido à solta, atacando e mutilando com violência suas vítimas, todas prostitutas. É, talvez, a maior e mais famosa série de crimes não solucionados do mundo, que atrai turistas do mundo todo para as ruas do East End de Londres.

Naturalmente, quem elaborou o catálogo teve cuidado para que as afirmações sobre o xale fossem discretas. Não havia prova de que tivesse pertencido à vítima Catherine Eddowes, era apenas uma antiga história de família. Mas ainda assim havia uma boa chance. Eu tinha feito algumas pesquisas, eu acreditava que era genuíno, e eu queria que fosse. Eu o queria muito. Eu acalentava uma pequena informação sobre o xale, uma informação que só eu tinha - um segredo que o tornava muito mais importante para mim e que eu sabia que aumentaria de fato o pouco que sabemos sobre Jack, o Estripador.

Saí cedo para o leilão. Ele teria início às 10 horas, e minha esposa, Sally, e eu estávamos morando com nosso filhinho Alexander em Newmarket, a apenas 25 minutos de lá. Ela não foi comigo: ela não compartilha meu fascínio pela história do Estripador. Vesti-me de forma casual, não querendo chamar a atenção para mim mesmo, mas com elegância suficiente para demonstrar ser sério. Eu imaginava encontrar uma grande multidão, e estava certo: o imenso salão de leilões, do tamanho de um campo de futebol e repleto de móveis, estava apinhado de gente, e imaginei que ao menos algumas daquelas pessoas estavam ali pelo mesmo motivo que eu. Os jornais nacionais e locais tinham estampado matérias sobre o leilão, e assim seria de esperar um elevado nível de interesse. Antes que as vendas começassem, um assistente da empresa de leilões, perplexo, erguia bem alto o xale para que a multidão a sua volta o visse: ele claramente não conseguia entender o interesse maciço por aquele pano velho e danificado.

Eu sentia um misto de ansiedade e apreensão. O leilão começou e, depois de vários lotes, percebi que quase nada estava sendo vendido; claramente, não apenas algumas, mas boa parte das pessoas na sala lotada estava ali por causa do xale. Fiquei preocupado. Eu tinha certeza de que o preço iria ultrapassar bastante a reserva, e em minha mente eu o via alcançando a quantia de 150 mil libras ou até mais. Estaria eu preparado para ir tão longe? Sim, eu o queria tanto que teria pago o que fosse para tê-lo.

Enquanto a manhã se arrastava, notei que Stewart Evans, uma das maiores autoridades no caso do Estripador, e colecionador de itens ligados a crimes reais, estava ali. Eu o tinha visto na televisão, em entrevistas sobre o assunto para vários documentários, e então decidi perguntar-lhe qual sua opinião sobre o xale, sem revelar meu próprio interesse. Ele falou bastante sobre a história do Estripador, mas pareceu cético quanto à autenticidade do xale.

"Não é para mim", ele disse. "Estou aqui só para ver quem vai levá-lo. Não creio que será comprado."

Senti que ele podia estar blefando, tentando confundir a mim e a quem mais estivesse ouvindo. Ele me olhava com atenção, e eu tinha certeza de que estava me analisando para descobrir se eu seria ou não um rival nos lances.

[...]

*

DESVENDANDO JACK, O ESTRIPADOR
AUTOR Russell Edwards
TRADUTOR Martha Argel
EDITORA Seoman
QUANTO R$ 37,90 (preço promocional *)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página