Saltar para o conteúdo principal
 
19/03/2010 - 19h23

Jornalista reconstrói tiroteio durante impeachment em Alagoas

da Livraria da Folha

Em setembro de 1957, deputados estaduais de Alagoas se reuniram em Maceió para votar o impeachment do então governador Muniz Falcão.

Divulgação
Mais de mil tiros metralhadora e de revólveres foram disparados nesse dia
Em aproximadamente 10 minutos, mais de mil tiros foram disparados

Oséias Cardoso, principal adversário político de Falcão, liderou a oposição composta por 21 deputados. Na época, a câmara contava com 35 parlamentares.

O grupo alegava irregularidades no poder executivo e brutalidade contra as opiniões divergentes ao governo.

Foi então que, em uma sexta-feira 13, no decorrer da votação, houve um tiroteio de aproximadamente 10 minutos. Resultado da contenda: um deputado morto e oito feridos.

O evento foi detalhadamente reconstruído pelo jornalista Jorge Oliveira no livro "Curral da Morte: O Impeachment de Sangue, Poder e Politica no Nordeste", produto inédito de 30 anos de pesquisa e coleta de informações sobre o caso.

Depois desse dia fatídico, os alagoanos nunca mais foram os mesmos. A barbárie prosseguiu por mais de 20 anos. O incidente é um marco para a história política do Brasil.

 
Voltar ao topo da página