Saltar para o conteúdo principal
 
12/04/2010 - 19h21

Chico Xavier experimentou alucinógeno auxiliado por espírito, diz livro

da Livraria da Folha

Siga a Livraria da Folha no Twitter
Siga a Livraria da Folha no Twitter

Segundo o livro "As Vidas de Chico Xavier" (Planeta, 2003), escrito pelo jornalista Marcel Souto Maior, o médium mineiro (1910-2002) decidiu experimentar ácido lisérgico e recebeu apoio de Emmanuel, seu guia espiritual. Essa particularidade de sua biografia não aparece no filme.

Divulgação
Biografia editada em 2003 entra na lista dos livros mais vendidos
Biografia editada em 2003 entra na lista dos livros mais vendidos

A escolha de provar a droga tinha um sentido: Chico se sentia extremamente pessimista e deprimido. Ele acreditava atrair espíritos inferiores que provocavam diversos males aos seus familiares e amigos. Sua companhia acarretava em sofrimento para os outros.

Solitário e angustiado, pediu auxílio à virgem Maria, mãe de Jesus. Dias depois recebeu uma frase consoladora, mas o efeito foi passageiro. Por conta desse estado irreversível de tristeza, apelou para o alucinógeno, droga que se tornaria popular anos depois.

A biografia, publicada há sete anos, influenciou o filme de Daniel Filho e entrou na lista dos livros mais vendidos. Considerado santo por alguns, psicografou mais de 400 títulos e outra infindável quantidade de cartas, que consolava os vivos e pregava a paz.

Segundo o portal Filme B, o longa foi o filme nacional mais visto dos últimos 20 anos, considerando apenas a bilheteria de estreia (585 mil pessoas e faturou R$ 6,1 milhões em seu primeiro fim de semana).

Leia, abaixo, um trecho do livro.

Atenção: o texto reproduzido abaixo mantém a ortografia original do livro e não está atualizado de acordo com as regras do Novo Acordo Ortográfico. Conheça o livro "Escrevendo pela Nova Ortografia".

*

Em outubro de 1958, Chico tomou uma decisão surpreendente: iria experimentar o ácido lisérgico. Perguntou a Emmanuel se ele poderia fazer a experiência com amigos de Belo Horizonte. O guia se ofereceu para promover a "viagem". À noite, Chico se sentiu fora do corpo, Emmanuel se aproximou dele, colocou uma bebida branca num copo e explicou: era um alcalóide capaz de produzir o mesmo efeito do LSD.

Chico engoliu a bebida, um tanto amarga, e começou a se sentir mal, como se estivesse entrando num pesadelo. Animais monstruosos se aproximavam e cenas assustadoras desfilavam diante de seus olhos. Ele acordou com mal-estar. O sol parecia uma fogueira e o irritava, as pessoas o cercavam, desfiguradas. À noite, Emmanuel reapareceu com a lição psicodélica: o alcalóide refletia seu estado mental.

Chico quis saber como recuperar a tranqüilidade e escapar da ressaca. Receita: oração, silêncio e caridade, para colher vibrações positivas. Chico seguiu as dicas à risca. Começou a visitar doentes pobres, a atrair bons fluidos e, durante cinco dias, trabalhou para se refazer. No sexto dia ele se sentiu melhor. À noite, Emmanuel voltou e propôs repetir a experiência com o mesmo alcalóide. Mesmo desconfiado, o discípulo concordou. O efeito foi surpreendente: alegria profunda.

Teve sonhos maravilhosos, visitou uma Cidade de cristal, olhou para o céu como se ele fosse de vidro. Até a Fazenda Modelo ficou deslumbrante. Os livros pareciam encadernados por safiras e ametistas, luzes saíam do corpo dos companheiros, das plantas e dos animais. Chico sentiu vontade de abraçar todo mundo. Ficou assim, em êxtase, quatro dias seguidos, em estado de alegria descontrolada, insuportável. Emmanuel apareceu com as explicações:

- Você está vendo seu próprio mundo íntimo fora de você. Moral da história:
Nós estamos aqui para cumprir obrigações, não para gozar um céu imaginário nem para fantasiar um inferno que devemos evitar.

*

"As Vidas de Chico Xavier"
Autor: Marcel Souto Maior
Editora: Planeta
Páginas: 272
Quanto: R$ 28,00
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página