Saltar para o conteúdo principal
 
12/11/2010 - 15h20

Leia biografia do homem que lançou Chico Buarque como artista

colaboração para a Livraria da Folha

Um retrato da evolução do rádio e da TV no Brasil tendo como pano de fundo a paixão pelo futebol. Assim os jornalistas Tom Cardoso e Roberto Rockmann desenvolvem o enredo de "O Marechal da Vitória", que fala de Paulo Machado de Carvalho, fundador da Record e um dos maiores dirigentes esportivos do país.

Visionário, Paulo Machado de Carvalho marcou os anos dourados do rádio e também foi um dos primeiros a investir na televisão. Foi no programa "Esta noite se improvisa", da TV Record, na década de 1960, que Chico Buarque e Caetano Veloso começaram a se tornar conhecidos.

Era 21 de outubro de 1967. Nesse dia, aconteceu o que os críticos brasileiros batizaram de "melhor festival de todos os tempos", o 3º Festival de Música Popular Brasileira, da TV Record, no Teatro Paramount, em São Paulo. Os cinco primeiros lugares ficaram com: Edu Lobo (com Ponteio); Gilberto Gil e Mutantes (Domingo no Parque), Chico Buarque (Roda Viva), Caetano Veloso (Alegria, Alegria) e Roberto Carlos (Maria, Carnaval e Cinzas). Todos ainda garotos que sonhavam mudar o Brasil com suas músicas. E conseguiram.

Divulgação
Livro conta a história de Paulo Machado de Carvalho
Livro conta a história de Paulo Machado de Carvalho

Entre as décadas de 1950 e 1960, Paulo Machado de Carvalho era uma espécie de "Midas das Comunicações". Fez do rádio e da televisão de meros passatempos curiosos, a empresas lucrativas. E tudo começou com uma rádio empoeirada que ficava da praça da República, em São Paulo.

Até o início dos anos 1930, ninguém levara o rádio muito a sério, a não ser um médico e antropólogo carioca chamado Edgard Roquette Pinto, apaixonado pela radiodifusão e responsável pela inauguração da primeira emissora do país, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, em 1923.

Enquanto os americanos testemunhavam o apogeu da "Era do Rádio", com centenas de estações espalhando-se pelo país, o Brasil continuava tratando o meio de comunicação como uma invenção esdrúxula e sem importância

A origem da TV também foi igual. Mas graças ao espírito inovador de Paulo Machado de Carvalho, nos anos 1950 a TV Record conseguia competir de igual para igual com a poderosa Tupi, de Assis Chateaubriand. Na década seguinte, desbancou a concorrência, levando ao ar programas memoráveis, como o humorístico "Família Trapo", estrelado por Ronald Golias.

Paulo Machado chefiou a comissão técnica das seleções que ganhariam os dois primeiros títulos mundiais do futebol brasileiro, em 1958, na Suécia, e em 1962, no Chile.

Suas ideias profissionalizaram e mudaram para sempre a forma de planejar e organizar o esporte mais popular do país, razão pela qual o estádio do Pacaembu, em São Paulo, tem seu nome.

Leia trecho do livro "O Marechal da Vitória"

*

Paulo Machado de Carvalho parou em frente à porta do casarão da família, na rua das Palmeiras. Respirou fundo, tentou se acalmar, mas a ansiedade o perturbava. Ficou por alguns minutos na mesma posição, falando baixinho, criando coragem para contar as novidades à mãe. Aquela não era uma notícia qualquer. Ele acabara de empregar todas as suas economias na compara de uma rádio moribunda na praça da República, centro de São Paulo. Em 1931, ter uma rádio era como tocar violão - não dava futuro a ninguém, diziam. Ainda mais a um jovem de família quatrocentona, que abandonara a segura carreira de advogado sonhada pelo pai, morto há onze anos, para se aventurar em negócios arriscados"

Tomado de coragem, o empresário entrou em casa. Cumprimentou os empregados, beijou as irmãs caçulas, Maria Cecília e Ana Maria, e caminhou em direção à copa, onde a mãe, Brasília Leopoldina Machado de Oliveira, dava ordens à cozinheira, dona Inácia. Diante do olhar desconfiado da matriarca, Paulo Machado perdeu a pose. Sem jeito, decidiu ir direto ao assunto.

- Mãe comprei uma rádio.

- Comprou o quê? - Espantou-se Brasília.

- Uma rádio, mãe.

- Você enlouqueceu?

- Fica na praça da República, chama-se Record.

- Vá até lá e desfaça o negócio. O que você vai fazer com uma rádio? Morrer de Fome?

*

"O Marechal da Vitória"
Autores: Roberto Rockmann, Tom Cardoso
Editora: A Girafa
Páginas: 368
Quanto: R$ 12,90 (preço especial, por tempo limitado)
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página