Saltar para o conteúdo principal
 
22/02/2011 - 13h43

Almanaque reúne informações de todos os reality shows do Brasil

da Livraria da Folha

Os reality shows existem na televisão norte americana desde a década de 1970, mas foi nos anos 90 e 2000 que tornaram-se um fenômeno de público.

Há diferentes formatos, com diferentes regras e, até mesmo, variações de temas. No Brasil, o Big Brother, atualmente em sua 11ª edição, é o de maior sucesso entre todos. No entanto não é o único que já foi produzido no país.

Frederico Rozário/TV Globo
Wesley, Adriana e Rodrigão disputam o paredão triplo desta terça-feira no "BBB11"
Wesley, Adriana e Rodrigão disputam o paredão triplo desta terça-feira no "BBB11"

"Almanaque do Reality Shows no Brasil" faz um apanhado de todos os programas já produzidos e exibidos nos canais brasileiros. Karina Trevizan faz uma pesquisa que segue até o último reality show de 2010, a terceira edição de "A Fazenda".

A grande maioria dos programas exibidos nacionalmente são versões de formatos consagrados ou não em outros países.

Conheça alguns dos reality shows brasileiros:

*

Tudo começou em 1973. Uma família norte-americana expôs seus conflitos na televisão, na série An american family (Uma família americana), exibida pelo canal PBS. O público acompanhou o processo de divórcio de um casal e a descoberta de que um dos filhos era homossexual. Pronto! Estava iniciada a onda de reality shows que tomaria conta da audiência de diversos países. No Brasil, a febre começou com No limite, que estreou na Rede Globo em 2000.

Como o próprio nome já diz, reality show é a exibição da realidade. Logo, quem participa desse tipo de atração, ainda que precise seguir as regras de cada programa, age com naturalidade, sem roteiro. Dentro desse modelo, as atrações ainda podem ser divididas em algumas categorias:

Sobrevivência
As pessoas precisam buscar meios para sobreviver em ambientes hostis. Um exemplo exibido no Brasil foi o "No limite".

Talent show
Os participantes com algum talento artístico disputam um prêmio. Pertencem a essa categoria "Ídolos", "Fama" e "Dança dos famosos".

Disputa
Várias pessoas à procura da mesma coisa. Um exemplo é "O aprendiz", em que os participantes brigam por um emprego, ou "Acorrentados", em que pretendentes disputavam a preferência de um solteiro.

Confinamento
Desconhecidos são isolados do mundo real para os telespectadores se divertirem com as relações interpessoais, que vão dos romances aos barracos. O programa de confinamento mais famoso é o "Big Brother", mas há outros exemplos, como "Casa dos artistas", "A fazenda" e "Ilha da sedução".

"Ajuda de profissional"
Um indivíduo ou uma família com problemas recebe a ajuda de um especialista. Todo o processo é filmado e vira um show de TV. É o caso de "Supernanny" e "Dr. Pet". Também fazem parte dessa categoria os reality shows de mudança de visual, como o "Beleza renovada".

A vida como ela é
Tem a intenção de mostrar a vida das pessoas em ambientes reais, em casa ou no local de trabalho. É o caso de "Simple life - Mudando de vida" e "Troca de família". "Dr. Hollywood" é um caso especial de programa de ajuda profissional e a vida como ela é, pois mostra a mudança de pacientes submetidos a cirurgias plásticas e a vida pessoal do médico, o dr. Rey.

Os Reality Shows Exibidos no Brasil

10 anos mais jovem / Verdadeira idade / Beleza renovada
Inspirados no programa britânico 10 years younger, todos esses reality shows têm o mesmo formato: os participantes são homens ou mulheres que não cuidam de sua aparência e se vestem mal. Por isso, aparentam ser mais velhos do que são realmente. Foi criado até um momento em que as pessoas na rua comentam sobre a imagem do participante e chutam a idade que acham que ele tenha. Esses palpites sempre são mais altos que o número real. Então, um time de profissionais, entre dentistas, cabeleireiros, maquiadores e até psicólogos, ajudam a melhorar a aparência do participante que, depois, passa de novo pela avaliação nas ruas. Dessa vez, os comentários são bem diferentes.

  • 10 anos mais jovem - Esteve na programação do SBT de março a outubro de 2009, com apresentação de Lígia Mendes.
  • Verdadeira idade - Estreou em 2008 na Record como um quadro do programa Tudo é possível. Foi apresentado por Eliana até 2009, quando a função passou para as mãos de Ana Hickmann. Saiu do ar em 2010.
  • Beleza renovada - Estreou em 2009 no SBT como um quadro do programa Eliana.

20 e poucos anos
Estreou em 2001 na MTV brasileira a versão nacional para o Real world (Na real), produzido pela MTV norte-americana. A produção brasileira ganhou o nome de 20 e poucos anos. Oito jovens com personalidades e estilos de vida bem diferentes entre si eram filmados em suas atividades cotidianas durante a semana. Aos domingos, eles se encontravam para conversar sobre suas diferenças. A atração teve quatro temporadas. O tema de abertura era a versão da banda Os Raimundos para a música 20 e poucos anos, de Fábio Jr.

Acorrentados
Foi um quadro do programa Caldeirão do Huck, do apresentador Luciano Huck, da Globo. O jogo funciona assim: um homem solteiro fica acorrentado a um grupo de seis pretendentes. Eles permanecem presos por uma semana, no decorrer da qual o participante precisa ir eliminando as concorrentes. A última que restar é a escolhida para ser a namorada do rapaz. Teve três temporadas, uma em agosto de 2002, outra em outubro do mesmo ano (dessa vez com uma solteira acorrentada a homens) e a última em julho de 2005. A música de abertura foi composta por Supla (que participou de outro reality show, Casa dos artistas), em parceria com Roger, Andria Busic e Fábio Bopp.

Brazil's next top model
Foi a versão brasileira para o America's next top model, lançado em 2003 pelo canal Sony Entertainment Television. Brazil's next top model (BrNTM) foi transmitido em 2007 pelo canal pago Sony Brasil. A competição entre as garotas que participavam do programa era para decidir qual delas ganharia um contrato como modelo de uma agência. A apresentação da edição brasileira ficou por conta da top model Fernanda Motta.

Danilo Borges/Divulgação
As 20 participantes selecionadas para o programa "Brazil's Next Top Model"
As 20 participantes selecionadas para o programa "Brazil's Next Top Model"

Busão do Brasil
Estreou na Band em 2010 a versão brasileira do The bus, criado na Holanda. Vigiados por câmeras o tempo todo, os 12 participantes ficam dentro de um ônibus sem janelas, viajando pelo país. Em cada cidade visitada, eles cumprem provas. Os concorrentes vão sendo eliminados semanalmente e o último que ficar ganha o prêmio final. O apresentador escolhido para o programa foi Edgard Piccoli. Para cantar a música de abertura, a convidada foi a cantora Claudia Leitte. O vencedor foi o policial Mario, de Teresina, Piauí, que levou para casa o prêmio de 1 milhão de reais.

Dança dos famosos
Exibido pela Globo como um quadro do Domingão do Faustão, é a versão brasileira para o reality show britânico Strictly come dancing, que estreou em 2004 pela BBC. Foi ao ar pela primeira vez em 20 de novembro de 2005. Celebridades da emissora participam da competição acompanhadas por profissionais de dança. Os parceiros são fixos, e a cada semana os casais devem se apresentar com uma coreografia de um ritmo determinado. A nota é dada por um grupo de cinco jurados, a plateia do programa e os telespectadores. O casal que tiver a menor nota é o eliminado da semana.

Dr. Hollywood
Em dezembro de 2007, a primeira temporada estreou na Rede TV!, com apresentação de Daniela Albuquerque (mulher de Amilcare Dallevo Jr., presidente da emissora). O original norte-americano foi lançado em 2004 com o nome de Dr. 90210, transmitido no canal E!. O reality show mostra a vida pessoal e o trabalho de Roberto Miguel Rey Júnior, o dr. Robert Rey, que nasceu no Brasil e se tornou um dos cirurgiões plásticos mais badalados de Beverly Hills (de onde surgiu o nome vindo do CEP 90210). Na versão brasileira, o médico concede uma entrevista a Daniela a cada episódio

Esquadrão da moda
Estreou no SBT em março de 2009. A cada episódio, uma pessoa que tem gosto duvidoso para se vestir é ajudada pelos apresentadores, a modelo Isabella Fiorentino e o estilista Arlindo Grund, a melhorar seu estilo. O participante recebe 10 mil reais para renovar seu guarda roupa com a ajuda dos especialistas. O programa é a versão brasileira do What not to wear, da BBC.

Divulgação
Os consultores de moda Clinton Kelly e Stacy London, do "Esquadrão da Moda"
Os consultores de moda Clinton Kelly e Stacy London, do "Esquadrão da Moda"

Lar doce lar/ Construindo um sonho/ Sonhar mais um sonho
O "Lar doce lar" estreou em 2006 como um quadro do programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo. Os participantes são pessoas pobres que moram em casas em péssimas condições. Depois de cumprir uma gincana, a família ganha uma reforma completa na casa. Às vezes, o imóvel está tão deteriorado que a equipe do programa precisa demolir tudo e reconstruí-lo. O arquiteto responsável pelas reformas é Marcelo Rosenbaum. Como trilha sonora, foi escolhida a versão da banda Capital Inicial para a música A casa, de Vinicius de Moraes. A partir de 2010, a música passou a ser interpretada por Marcelo D2 e Arlindo Cruz.

No SBT, a atração começou a ser exibida em 2007 no programa Domingo legal com o nome de "Construindo um sonho". Foi apresentada por Gugu Liberato até 2009, quando ele foi substituído por Celso Portiolli. Já o "Sonhar mais um sonho" estreou em 2009 como um quadro do Programa do Gugu, da Rede Record. O participante selecionado ganhava uma reforma em sua casa, em seu carro ou estabelecimento comercial. A música escolhida como tema foi a mesma em "Construindo um sonho" e em "Sonhar mais um sonho": Sonho impossível, interpretada por Maria Bethânia.

Lata velha
A primeira temporada foi exibida em 2006.
A atração é um quadro do programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo. Uma equipe de profissionais reforma um carro que está em condições precárias, e ainda trata de customizar o automóvel. Em troca, o dono do veículo precisa cumprir um desafio, como ensaiar uma coreografia. O reality é a versão brasileira do programa Rides, do canal Discovery Channel. Quem canta o tema de abertura é o cantor Landau.

Simple life - Mudando de vida
O reality show estreou em 2003 nos Estados Unidos, com as socialites Paris Hilton e Nicole Richie. No Brasil, a atração foi exibida pela Record em 2007, com a atriz Karina Bacchi e a modelo Ticiane Pinheiro. No programa, duas patricinhas famosas da cidade grande são levadas para passar um tempo em um ambiente rural. Karina e Ticiane foram para um sítio em Analândia, no interior de São Paulo.

Supernanny
O reality show surgiu na Inglaterra em 2004. Uma pedagoga ajuda uma família desestruturada a se organizar, estabelecendo rotinas e impondo limites às crianças. No Brasil, essa função ficou para uma profissional argentina, Cris Poli. O programa, que estreou no SBT em 2006, já teve sete temporadas.

Divulgação
Cris Poli, que apresenta o programa "Supernanny", no SBT
Cris Poli, que apresenta o programa "Supernanny", no SBT

Troca de família
O programa é baseado nos modelos norte-americanos Trading spouses, da Fox, e Wife swap, da ABC. Estreou na Record em 2006. A cada episódio duas famílias desconhecidas enfrentam o desafio de trocar as esposas por uma semana. Cumprido esse prazo, as famílias recebem o prêmio de 25 mil reais. Teoricamente, a mãe substituta deixa uma carta dizendo o que a família que visitou deve fazer com o dinheiro. Mas, na prática, as famílias podem escolher a forma que quiserem para gastar a recompensa. A primeira temporada foi apresentada por Patrícia Maldonado, e as duas seguintes por Ana Paula Tabalipa. A partir da quarta edição, passou a ser um quadro do programa Tudo é possível, apresentado por Ana Hickmann.

*

Almanaque dos Reality Shows no Brasil
Autor: Karina Trevisan
Editora: Panda Books
Páginas: 168
Quanto: R$ 27,90
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página