Saltar para o conteúdo principal
 
10/04/2011 - 10h00

Fui uma filha péssima, admite Bruna Surfistinha

da Livraria da Folha

Rodrigo Capote/Folhapress
Raquel Pacheco, a ex-garota de programa conhecida como Bruna Surfistinha, posa em sala de cinema do espaço Unibanco no shopping Frei Caneca
Raquel Pacheco, a Bruna Surfistinha, posa em sala de cinema do espaço Unibanco no shopping Frei Caneca
Divulgação
Livro ganha nova edição com imagem do filme na capa
Livro ganha nova edição com imagem do filme na capa
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Siga a Livraria da Folha no Twitter

Autora de "O Doce Veneno do Escorpião", a ex-prostituta Raquel Pacheco, mais conhecida como Bruna Surfistinha, admitiu que foi uma "filha péssima". Ela deu entrevista para programa Móbile, apresentado por Fernando Faro na TV Cultura, a ser exibida neste domingo (10), às 23h.

A ex-garota de programa disse que hoje não mantém nenhum relacionamento com os pais. ""Eles não me aceitam, eu sei que fui uma filha péssima... A exposição nos afastou mais ainda... Eu não tenho contato com ninguém."

Divulgação
Deborah Secco em cena de "Bruna Surfistinha"
Deborah Secco em cena de "Bruna Surfistinha"

Raquel também falou sobre sua primeira relação sexual --com com um namorado virgem, entre 15 e 16 anos. Já seu primeiro programa como prostituta foi descrito como "tenso". "O cliente viu que eu estava nervosa, me acalmou e me deu bons conselhos para voltar pra casa, mas eu não usei."

A criadora de Bruna Surfistinha, que ficou famosa pelos relatos de suas transas em um blog, repetiu que já foi drogada e contou que saiu de casa porque era rebelde. "Deixei uma carta explicando tudo.... Nós (ela e a mãe) não estávamos nos falando, eu me despedi e ela não respondeu... Eu sei que se ela tivesse respondido eu não teria coragem."

"O Doce Veneno do Escorpião" foi adaptado para o cinema, com a atriz Deborah Secco no papel de Bruna. O filme é um sucesso de bilheteria.

 
Voltar ao topo da página