Saltar para o conteúdo principal
 
25/04/2011 - 11h00

"Jogo Sujo" expõe relação de Joseph Blatter com filho de Gaddafi

da Livraria da Folha

Divulgação
Jornalista narra as manobras suspeitas de cartolas da Fifa
Jornalista narra as manobras suspeitas de cartolas da Fifa

O nome de Andrew Jennings é dos primeiros na lista negra da Fifa. O jornalista britânico, repórter investigativo há mais de 30 anos, é até barrado nas coletivas de imprensa promovidas pela entidade. Parte da razão de tudo isso são as manobras duvidosas feitas por cartolas do futebol mundial narradas em "Jogo Sujo: O Mundo Secreto da Fifa", que a Panda Books lança no Brasil.

No livro, Jennings fala sobre a relação entre o atual presidente da Federação Joseph Blatter com o antecessor João Havelange e o mandatário da CBF Ricardo Teixeira, aborda as ligações suspeitas do suíço com os patrocinadores da entidade e de grandes clubes e seleções e revela esquemas de compras de votos e ingressos de Copas do Mundo, entre outras coisas.

No trecho abaixo, extraído do capítulo 26, intitulado "Sepp Blatter parte o coração de Mandela", o jornalista relata o imbróglio da escolha da África do Sul como sede da Copa de 2010. Em parte do texto, ele cita a relação do presidente da Fifa com Al-Saadi Gaddafi, filho do ditador líbio Muammar al-Gaddafi.

Al-Saadi, que na época também era jogador de futebol, defendia a candidatura da Líbia como sede da Copa de 2006 e, posteriormente, de 2010. Veja mais detalhes no trecho abaixo.

*

Perugia, agosto de 2003. "Blatter sabe que fomos apenas eu e Bin Hammam que o ajudamos a assegurar a cadeira de presidente da Fifa", contou vantagem o meio-campista árabe, magro e com uma barba rala. Depois de uma sessão de treinamento do Perugia, seu time da série A do campeonato italiano e que leva o mesmo nome de uma cidade medieval a 170 quilômetro de Roma - percurso que ele fazia voando em seu Ferrari -, Al-Saadi Gaddafi declarou à imprensa: "Blatter me procurou e pediu ajuda contra Hayatou. Bin Hamman e eu devemos ganhar o crédito por sua vitória nas eleições presidenciais".

O bilionário de trinta anos, que aceitara jogar sem receber salários, uma vez que seu clube corria o risco de rebaixamento, estava promovendo a candidatura de seu país como sede da Copa do Mundo de 2010, a primeira a ser prometida exclusivamente a uma nação africana. Depois que a Alemanha fora escolhida para sediar o torneio de 2006, Blatter e seu Comitê Executivo tinham decidido que no futuro haveria um revezamento de continentes; para 2010, somente países africanos poderiam se candidatar.

Mas qual escolher? Líbia, Tunísia, Marrocos, Egito e África do Sul queriam sediar a Copa. E Blatter queria que todos pensassem que tinham chance.

Os críticos achavam risíveis as pretensões da Líbia, país que não possuía um único estádio de nível internacional. Gaddafi insistiu: "Não se trata de infraestrutura. Trata-se de relações, e as nossas relações com o pessoal da FIFA são muito fortes. Afinal de contas, eles nos devem muito. Tenho certeza de que a Líbia vai vencer".

Seu pai, o coronel Muammar Gaddafi, ditador da Líbia desde que tomou o poder em 1970, tinha prometido gastar 14 bilhões de dólares em novos estádios e tudo que fosse preciso para agradar a seu terceiro filho, que era presidente da federação de futebol do país. E, a despeito da opinião dos analistas sobre as chances da Líbia, Blatter e seus amigos sempre ficavam felizes de conversar com o garoto.

"Acredito piamente que as minhas relações pessoais com figuras proeminentes da Fifa serão um impulso à nossa candidatura", afirmou o jovem Gaddafi. "Temos relações fabulosas com o sr. Blatter, Julio Grondona e Franz Beckenbauer. Isso será fundamental para a nossa campanha". O presidente Blatter chegou a viajar a Trípoli como convidado de honra em agosto de 2003, quando a equipe Juventus, clube do qual Al-Saadi possuía 5% das ações, venceu o Parma por 2x1 na decisão da Supercopa da Itália, partida da pré-temporada do campeonato italiano.

O técnico Francesco Scoglio levou a Seleção Líbia a uma série de impressionantes vitórias. Mas, depois, "Fui demitido porque eu não o deixava jogar [AL-Saadi]", relatou Scoglio ao jornal Corriere dello Sport. "E eu jamais o colocaria em campo, nem por um minuto. Ele é imprestável como jogador. Com ele no time, só perdíamos. Quando ele não jogava, ganhávamos."

*

"Jogo Sujo: O Mundo Secreto da Fifa"
Autor: Andrew Jennings
Editora: Panda Books
Páginas: 352
Quanto: R$ 42,40
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha.

 
Voltar ao topo da página