Saltar para o conteúdo principal
 
03/06/2011 - 13h00

Olhar cruel e divertido de menino revela Índia atual em ficção

da Livraria da Folha

Narrado com sensibilidade, sob o ponto de vista do filho de um casal de médicos na Índia, "Valores de Família" (Sá Editora, 2011), da escritora indiana radicada nos Estados Unidos Abha Dawesar, analisa o país natal da autora com a inocência, crueldade, escatologia e brincadeira do olhar infantil.

Divulgação
Menino observa o mundo a partir de consultório médico dos pais
Menino observa o mundo a partir de consultório médico dos pais
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Siga a Livraria da Folha no Twitter

Enquanto acompanha o cotidiano no consultório dos pais, o protagonista é confrontado com a realidade do local, cheio de tradições, com forte estratificação social e discriminação ao sexo feminino.

Com inocência, o menino percebe um mundo adulto cheio de pequenas e grandes desonestidades como o suborno, o tráfico de drogas, a corrupção e a ganância. Ele próprio tem seu lado cáustico e não perdoa a família vizinha --contrária à clínica médica--, que apelida de "Bosta de Vaca".

As descobertas feitas pelo pequeno herói ao observar o mundo adulto também se refletirão em seu corpo, com a gradual entrada da puberdade.

Abha Dawesar também é autora de "Babyji" (Sá Editora, 2009), que utiliza o mesmo olhar cínico e sensível para criticar o conservadorismo indiano, ao narrar as aventuras homoafetivas de uma adolescente indiana nos anos 1990.

Leia o escatológico trecho inicial de "Valores de Família".

*

Cercado pela doença e pela morte, o menino procura no dicionário as palavras referentes à doença que ouve: menstruação, histerectomia, parede uterina, trompas de Falópio, vagina. São palavras desinteressantes que não guardam segredo algum. As vozes que vêm consultar sobre esses problemas, as vozes femininas que acompanham tais preocupações, não são vozes sensuais. São histéricas, temerosas, lacrimosas, desanimadas e doentias. Vozes de pessoas pegas em um momento de contemplação da própria morte e putrefação, encarando seus órgãos e corpos como se fossem pedaços de frutas podres.

Ele está crescendo com a doença. Não só com a malária e as doenças de infância, como a catapora que o atacou, mas com os males dos outros: pedras nos rins, arritmia, leucemia, meningite, depressão, sangramento uterino e eczema. Ele está rodeado pelo fedor de mucosas e pela música da laringite. O som das mulheres que chegam hora após hora para se queixarem de seus períodos, "aqueles dias", como a maioria delas diz. O som esganiçado de porcas. Horas da infância contemplado a cor do xixi alheio. O xixi de outra pessoa, as fezes de outra pessoa, o catarro verde de outra pessoa, a urticária de outra pessoa ou o cocô amarelado do filho de outra pessoa ou o vômito pálido da filha desta mulher. Há freiras em trajes brancos flutuantes que fazem isso por pura bondade. E médicos - os pais do menino, por exemplo. Mas ele ainda não pensou em ser missionário ou médico.

Divisórias finas de compensado, que terminam a centímetros do teto, separam os cômodos do lugar. Ele defeca sabendo que as pessoas podem ouvi-lo do lado de fora, inclusive a menina do vômito pálido, se ela prestar atenção. Ele defeca e depois vem o som gorgolejante da descarga que os outros ouvem e sabem que ele terminou. A menina do vômito pálido pode até ter a idade dele. Quando não está aqui por que vomitou, ela brinca com outras crianças que brincam com ela quando não estão vomitando.

*

"Valores de Família"
Autora: Abha Dawesar
Editora: Sá Editora
Páginas: 240
Quanto: R$ 31,90 (preço promocional, por tempo limitado)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página