Com alta na demanda, Gol voltará em novembro a voar para os EUA

Crédito: Sergio Moraes - 1º.jul.2015/Reuters Gol vai retomar rotas para Miami e Orlando, via Brasília e Fortaleza
Gol vai retomar rotas para Miami e Orlando, via Brasília e Fortaleza

JOANA CUNHA
DE SÃO PAULO

Quase dois anos depois de suspender seus voos para os EUA, a Gol vai retomar as rotas de Miami e Orlando no início de novembro.

Serão quatro operações diárias com partidas de Brasília e Fortaleza -cada origem com saídas para ambos os destinos americanos.

A Gol suspendeu as viagens para os EUA no início de 2016, num momento em que a crise abalava a demanda por passagens e as companhias aéreas tiveram de se adequar, reduzindo a oferta de assentos. Houve cortes generalizados de frequências de voos, interrupção de rotas e enxugamento de frotas de aeronaves.

Em 2016, as companhias brasileiras e estrangeiras registraram uma queda de mais de 7% na oferta, diante de um recuo de quase 4% na demanda, segundo dados da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).

No ano passado, a demanda pelos voos internacionais reagiu, com alta de 12,3% de janeiro a novembro ante o mesmo período de 2016.

Desde 2015, a Gol vem mudando sua malha aérea para expandir o centro de conexões de Brasília. Segundo a empresa, a escolha dos horários de saída do voos para os EUA foi pensada para viabilizar conexões de aproximadamente 30 origens por Brasília.

No aeroporto de Fortaleza, onde há poucos meses a Gol anunciou a criação de um centro de conexões com a parceria Air France KLM, será possível conectar passageiros de 13 destinos nos horários de voos determinados para Miami e Orlando.

As conexões devem ser feitas em no máximo 50 minutos, segundo a empresa.

No planejamento inicial não há perspectivas de criar novas rotas para os Estados Unidos com origem em outras cidades brasileiras.

Os novos voos serão operados com o Boeing-737 Max, aeronaves que a companhia começará a receber a partir de junho.

Com operação mais econômica e maior alcance, as novas aeronaves vão permitir que a empresa ofereça viagens sem escala e passagens com preços mais compatíveis com os da concorrência.

Será um avanço em relação aos voos suspensos em 2016, que tinham parada na República Dominicana.

Há seis anos, a Gol -que nesta segunda (15) completa 17 anos- tem uma parceria com a Delta Air Lines no Brasil, em que registra mais de 1 milhão de passageiros transportados entre o país e os EUA.

Hoje, elas ofertam voos compartilhados para cerca de 320 destinos em 60 países.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.