95% dos internautas brasileiros usaram celular para acessar em 2016, diz IBGE

Mais de 10% dos lares com TV não tinham alternativa ao conversor digital

Pessoas utilizam celular na avenida Paulista, em São Paulo
Pessoas utilizam celular na avenida Paulista, em São Paulo - Danilo Verpa/Folhapress
São Paulo

Quase 95% dos brasileiros com dez anos ou mais usaram o celular para acessar a internet nos últimos três meses de 2016, de acordo com pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (20). 

A mais recente Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua sobre tecnologia da informação e comunicação mostrou que o segundo equipamento mais empregado foi o microcomputador (64%), seguido pelo tablet (16%). 

Mais de 138 milhões de pessoas tinham um celular para uso pessoal. Para 26% das pessoas que não o possuíam, o principal motivo foi o custo do aparelho.

"Além da velocidade, o celular permite acessar a internet por redes sem fio públicas ou gratuitas, sem exigir uma rede de transmissão de dados", disse Maria Lucia Vieira, gerente da pesquisa.

Cerca de 65% das pessoas, ou 116 milhões de brasileiros, usaram a web no quarto trimestre de 2016. Utilizaram a internet em torno de 85% dos jovens entre 18 e 24 anos, enquanto 25% das pessoas com 60 anos ou mais se conectaram.

A maioria das pessoas (94%) usou a internet para enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes do e-mail. Assistir a vídeos, inclusive programas, séries e filmes, foi o objetivo de 76% das pessoas.

A conexão à rede se dava em casa em 69% dos domicílios. 

Quase 75% dos brasileiros que não acessavam a internet no domicílio em 2016 não o fizeram por não saberem usá-la ou por falta de interesse. Em mais de 29% das residências em que a web não foi utilizada alegou-se que o serviço era caro. 

Mesmo em casa, o equipamento mais usado para se conectar à rede foi o celular. Em 97% dos domicílios conectados, o telefone móvel era utilizado para este fim, e em 39% deles, esse era o único meio conexão.

O microcomputador era usado para conexão com a internet em 58% dos lares, mas em apenas 2% deles o equipamento era o único meio de acesso.

Sobre o tipo de banda larga usada nos domicílios, a pesquisa mostrou que em 77% havia banda larga móvel (3G ou 4G), superando a banda larga fixa (71%). 

 

TELEVISÃO

Praticamente universalizada nos domicílios do país, a posse de televisão ficou estável em relação a 2015 —apenas 3% dos lares não a possuíam em 2016 e no ano anterior.

Emboras as TVs de tubo não sejam mais fabricadas no Brasil, esses aparelhos estavam presentes em 46% dos lares em 2016, independentemente de haver ou não a TV de tela fina (LED, LCD ou plasma).

A parcela daqueles com aparelho de tela fina chegou a 67%. Em 13% das casas com TV havia os dois tipos.

O número de lares que tinham apenas televisão de tela fina superou com folga aqueles que possuíam somente TV de tubo em quase todas as grandes regiões, exceto no Nordeste, onde os resultados foram praticamente iguais (45,7% e 45,8%, respectivamente). Ainda assim, houve redução na predominância de TVs de tubo na região, que chegavam a 54% em 2015.

A pesquisa mostrou ainda que havia televisão com conversor (integrado ou adaptado) para receber o sinal digital aberto, ainda que não o estivesse captando, em 71,5% dos domicílios com TV. Mais de 57% dos lares com televisão já estavam recebendo o sinal digital no último trimestre de 2016.

O acesso aos canais de televisão aberta por sinal analógico, transmitido por antenas terrestres, está em processo de substituição. Quando a transmissão analógica for inteiramente desligada, as televisões sem conversor ficarão sem acesso aos canais abertos, a não ser por TV por assinatura —presente em 34% dos lares com televisão– ou antena parabólica, em 35% das casas.

Os domicílios com televisão, mas sem uma alternativa ao conversor —ou seja, cidadãos que ficarão sem nenhum acesso aos canais após o desligamento do analógico— representavam 10% dos domicílios com TV. Em 2015, no entanto, eram quase 20%.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.