Descrição de chapéu Mobile World Congress

Caixa-preta dos dados não pode continuar, diz engenheira

Nova legislação entra em vigor na Europa em maio e exigirá mais transparência 

Pessoa usa celular no Mobile World Congress, principal feira do setor de tecnologia, em Barcelona - Lluis Gene / AFP
Roberto Dias
Barcelona

Os dados pessoais poderão continuar sendo o petróleo da economia digital. Mas a maneira de trabalhá-los não deverá ser a mesma.

“Se eu quero usar seus dados, tenho que justificá-lo. As coisas estão mudando em benefício das empresas e dos consumidores”, afirmou Aurélie Pols, engenheira da OX3 Analytics convidada a falar no Mobile World Congress, principal feira do setor de tecnologia, que acontece nesta semana em Barcelona. “Essa sociedade na caixa-preta não é o caminho para o futuro.”

Uma nova legislação entra em vigor na Europa em maio. Batizada de GDPR, ela harmoniza as regras em todos os países da região e obriga as empresas de tecnologia que vendem serviços aos europeus a serem muito transparentes. Como ninguém irá dar as costas ao mercado da Europa, a regra acaba por afetar qualquer empresa que opere na internet, além de induzir outros governos a se mexerem, como já aconteceu com o Japão.

“Os indivíduos perderam o controle dos seus dados”, afirmou Clara Neppel, diretora do IEEE, entidade que congrega centenas de milhares de profissionais de engenharia e tecnologia. “O usuário poderá ver que decisão foi tomada com seus dados e terá como contestá-la e mudá-la.”

Além do faroeste comercial criado pelo uso sigiloso dos dados, existem também implicações éticas --pois, como disse Neppel, a tecnologia não é dada e sim moldada pelos humanos.

“A inteligência artificial diminuiu nossa responsabilidade. De quem é a responsabilidade quando o computador diz não?”, questionou Paula Boddington, professora da Universidade de Oxford.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.