China quer acabar com transações restantes em criptomoedas

Governo vai bloquear acesso a plataformas estrangeiras

Representação da moeda virtual bitcoin
Representação da moeda virtual bitcoin - Reuters
AFP

O governo de Pequim quer acabar com as últimas transações em criptomoedas, como o bitcoin, que ainda são feitas na China, ao bloquear o acesso às plataformas estrangeiras e retirar seus aplicativos das plataformas móveis locais.

O objetivo é, em nome da "estabilidade financeira", apagar os "últimos focos" das moedas virtuais na China e dar fim à arrecadação de fundos em criptomoedas, "que voltam a crescer", explicou neste domingo (4) a publicação oficial Jinrong Shibao, revista financeira do banco central chinês.

O regime já havia endurecido o tom contra as moedas eletrônicas no ano passado: as plataformas de comércio sediadas na China tiveram que interromper suas operações em setembro, e as autoridades proibiram estritamente qualquer arrecadação de fundos para criptomoedas (ICO) no país.

Como consequência, grandes plataformas chineses, que detinham em agosto mais de 20% do volume mundial de bitcoins, passaram a ter menos de 1% dos intercâmbios globais de criptomoedas, segundo o Jinrong Shibao.

Mas o entusiasmo de alguns investidores chineses lhes estimulou a buscar alternativas, como sites especializados no comércio de criptomoedas, as transações diretas pessoa a pessoa e os acessos a plataformas no exterior, em especial em Hong Kong e Japão, fora do alcance dos reguladores chineses.

CONSTELAÇÃO DE CANAIS

Nas redes sociais onipresentes chinesas (WeChat, QQ), ou russas (Telegram), foram criados fóruns de discussão para realizar transações de comum acordo, enquanto anúncios sobre moedas virtuais e operações de ICO proliferaram na internet chinesa.

É essa constelação de canais de intercâmbio, acessíveis a partir da China, que as autoridades querem encerrar, "reforçando sua supervisão de forma permanente", afirma o Jinrong Shibao.

De acordo com a publicação, os reguladores financeiros trabalharão com as autoridades de telecomunicações para fechar os sites de internet incriminados e bloquear os downloads de aplicativos que permitem o acesso a ICOs ilegais.

Também serão adotadas medidas não especificadas contra plataformas estrangeiras, e o banco central mandou os operadores de sistemas de pagamento chineses iniciarem uma campanha de "retificação", para garantir que o dinheiro que transita em seus sistemas não provém do comércio de criptomoedas.

Esse novo aperto da China acontece quando o bitcoin -—maior estrela das criptomoedas— está perdendo o brilho que tinha em 2017.

Nesta segunda-feira (5), ele era negociado a menos de US$ 8.000, depois de ter se aproximado, em dezembro, dos US$ 20 mil.

Esse mercado é afetado pelo endurecimento dos reguladores na Ásia, pelos problemas de algumas plataformas e por uma valorização excessiva.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.