Descrição de chapéu imposto de renda

Receita Federal libera programa para declaração do IR de 2018

Contribuinte terá que prestar informações mais detalhadas sobre bens, como IPTU e endereço

Prédio da Receita Federal em Brasília
Prédio da Receita Federal em Brasília - Sérgio Lima/Folhapress
Anaïs Fernandes
São Paulo

A Receita Federal vai disponibilizar a partir desta segunda (26), em sua página na internet, o Programa Gerador da Declaração (PGD) para o contribuinte preencher o Imposto de Renda 2018 (ano-base 2017). 

O órgão estima que 28,8 milhões de declarações serão entregues —foram 28,5 milhões em 2017. O prazo para entrega vai de 1º de março às 23h59 de 30 de abril. O primeiro lote de restituição  está previsto para 15 de junho.

Neste ano, a Receita trouxe algumas mudanças na declaração. A primeira delas é que, a partir deste ano, o contribuinte deverá incluir o CPF dos dependentes com 8 anos ou mais. No ano passado, a exigência valia para dependentes com 12 anos ou mais. 

A Receita vem reforçando essa exigência ano após ano. Até 2014, o CPF era obrigatório para maiores de 18 anos. Em 2015, caiu para 16 anos. Em 2016, foi para 14 anos e, no ano passado, para 12.

Em 2019, a tendência é que todos os dependentes, independentemente da idade, sejam identificados por CPF.

“A Receita quer fiscalizar e evitar deduções em duplicidade”, diz Valdir de Oliveira Amorim, coordenador técnico de editorial da Sage IOB.

Ainda no que diz respeito a dependentes, o contribuinte poderá considerar seus dependentes filhos que ficarem sob sua guarda, em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente. 

Se a guarda for compartilhada, o filho poderá ser considerado dependente de apenas um dos pais. 

Outra novidade é a possibilidade de preenchimento de mais campos sobre os bens do contribuinte, como endereço dos imóveis declarados, matrícula e IPTU, entre outros. Para veículos, será solicitado o número do Renavam

“A Receita consegue cruzar dados e pegar divergências quando alguém erra informação, mas nem todo mundo declara, por isso o fisco está pedindo dados mais detalhados”, afirma Amorim.

Embora o preenchimento desses novos campos seja obrigatório somente a partir de 2019, Amorim orienta que os contribuintes comecem a preenchê-los neste ano. 

“Deixou a declaração mais complexa e vai dar mais trabalho, mas, como vai ser obrigatório, é melhor começar certinho desde já para não ter dor de cabeça.”

Dinheiro enviado para o exterior para fins educacionais, científicos ou culturais ou para cobrir despesas médico-hospitalares com tratamento de saúde está isento de imposto, de acordo com instrução publicada pela Receita  Federal em outubro do ano passado.

GASTOS MÉDICOS

O contribuinte que apresentar recibo médico sem endereço pode ter o documento rejeitado pelo Fisco. Mas a Receita indica que só a ausência dessa informação não impede que outras provas sejam utilizadas, entre elas a consulta aos sistemas informatizados do Fisco.

Ainda sobre despesas médicas, a paciente que fez procedimento de fertilização in vitro e guardou os comprovantes poderá deduzir os pagamentos a médicos e hospitais na declaração, assim como gastos com exames laboratoriais.

Não será possível deduzir as despesas médicas de anos-calendários anteriores. Ou seja, o contribuinte só poderá deduzir gastos médicos realizados em 2017 na declaração de 2018.

Outra mudança é que ganhos obtidos por desapropriação de imóveis decretados pelo poder público ou por interesse social estarão isentos de imposto.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.