Reguladores da UE alertam sobre "bolha de preços" em criptomoedas

Alerta foi solicitado pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis

Criptomoedas podem ser enganosas, diz relatório de órgão regulador da UE - Reuters
Londres

Moedas virtuais, como o bitcoin, apresentaram claros sinais de uma bolha de preços, e consumidores podem perder todo seu dinheiro, informaram nesta segunda-feira (12) os órgãos reguladores de bancos, títulos e seguros da União Europeia.

Os preços do bitcoin, criptomoeda mais conhecida, subiram mais de 1.000% em 2017, mas já perderam quase metade de seu valor neste ano em meio a crescentes pedidos de repressão regulatória em tais ativos.

Essas moedas virtuais são altamente arriscadas e são produtos não regulados que são inadequados como investimentos, poupanças ou produtos de planejamento de aposentadoria, informaram os órgãos em comunicado conjunto.

Informações para consumidores que querem comprar moedas virtuais "podem ser enganosas" e são, de acordo com alerta dos órgãos reguladores: "Na maioria dos casos são incompletas, difíceis de entender, não informam corretamente os riscos". 

"Moedas virtuais como o bitcoin são sujeitas a extrema volatilidade dos preços e mostraram sinais claros de uma bolha de preços. Consumidores comprando essas moedas devem estar cientes de que há um alto risco de que irão perder uma grande quantia, ou até mesmo tudo, do dinheiro investido", disseram.

O alerta foi solicitado pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, que disse no mês passado que o bloco precisa impedir que criptomoedas se tornem um "símbolo para comportamento ilegal".

Dombrovskis disse que haverá um encontro de autoridades-chave e do setor privado para discutir a situação a longo prazo para criptomoedas, além das atuais oscilações do mercado.

Na semana passada, a Alemanha e a França pediram para o Grupo das 20 maiores economias, o G-20, discutir uma possível regulamentação de criptomoedas em seu próximo encontro.

Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.