Descrição de chapéu copom Selic juros

Selic atinge piso de 6,75% e BC sinaliza fim do ciclo de queda

Recuperação gradual e inflação comportada permitem Selic estável em 2018

Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central - Mateus Bonomi/AGIF
Flavia Lima
São Paulo

Os solavancos recentes no cenário externo não foram suficientes para mudar o curso já esperado para o juro básico da economia.

Em decisão unânime tomada na quarta (7), o Banco Central reduziu a taxa Selic em 0,25 ponto para 6,75% ao ano, sugerindo o provável fim do ciclo de cortes iniciado em outubro de 2016.

A definição marcou a 11ª queda consecutiva do juro básico que, assim, chega ao nível mais baixo pelo menos desde o início do regime de metas de inflação, em 1999.

Vale lembrar que a Selic funciona apenas como um parâmetro, mas os juros cobrados do consumidor são bem maiores do que isso.

Analistas avaliam que o cenário ainda bastante favorável para a inflação e o ritmo de aceleração gradual da economia permitem a manutenção dos juros nesse nível ao longo de 2018-- embora já apontem uma retomada do ciclo de alta no ano que vem.

"É provável que a inflação já em janeiro e fevereiro fique abaixo do que o Banco Central esperava no ano passado", diz Tatiana Pinheiro, economista do Santander.

Apesar de o comunicado ter deixado aberta a possibilidade de cortes adicionais, a percepção geral é que este tenha sido mesmo o último corte. "A economia já voltou a crescer, o que justifica a parada", diz Fernando Rocha, economista-chefe da gestora de recursos JGP.

Para Jankiel Santos e Flavio Serrano, do Banco Haitong, a autoridade monetária poderia optar por mais um corte na próxima reunião do Copom (o Comitê de Política Monetária) em alguns casos.

Dentre eles, uma valorização adicional da moeda brasileira com efeitos ainda mais positivos sobre os preços domésticos ou a aprovação de reformas institucionais.

"Honestamente, são coisas que parecem improváveis de se materializar nos 42 dias até a próxima reunião", dizem os economistas do Haitong.

Alta à vista

No curto prazo, chama atenção a relativa redução do peso dado por analistas à reforma da Previdência na trajetória de queda dos juros, em meio aos sinais do próprio governo de que ela deve mesmo ficar para o ano que vem.

"No curto prazo, a reforma pesa pouco para a queda dos juros. No médio prazo, ela seria importante, contribuindo para manter a taxa Selic baixa por mais tempo", diz Rocha, da gestora JGP.

Embora o mercado financeiro já considere alta do juro ao redor de 1 ponto neste ano-- o que pode ser observado na curva futura de juro, que reflete as taxas negociadas em títulos-- economistas são mais comedidos.

Segundo eles, só uma mudança inesperada no cenário de crescimento econômico global ou um aumento das incertezas provocadas pelo cenário eleitoral poderiam alterar o quadro atual de juros.

No ano que vem, no entanto, a retomada do ciclo de alta dos juros já é dada como certa. As estimativas colhidas pelo Banco Central apontam para uma taxa Selic em 8% no fim de 2019 e já há quem espere mais do que isso.

Pinheiro, do Santander, prevê que o juro comece a subir já no segundo trimestre de 2019, encerrando o ano em 8,5%, de forma a conter os riscos de uma alta mais forte dos preços em meio a uma expansão maior da economia.

Rodrigo Melo, da gestora Icatu Vanguarda, avalia que o processo de alta de juros deve levar um pouco mais de tempo para começar. "A dinâmica inflacionária segue favorável porque, mesmo com a economia voltando, o desemprego deve continuar em níveis altos", diz.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.