Campanha 'contra Eletrobras' gera polêmica

Anúncio do Ministério de Minas e Energia publicado em redes sociais parece culpar a empresa

São Paulo | Reuters

Um homem de idade com uma boina e um olhar de reprovação manda o recado do governo brasileiro: "Você por acaso é sócio da Eletrobras? Preço justo já!".

O anúncio, publicado nas páginas do Ministério de Minas e Energia em redes sociais, parece culpar a maior empresa de energia do país, controlada pelo Estado, pela disparada das tarifas de eletricidade nos últimos anos.

A campanha, divulgada em um momento em que o governo tenta privatizar a Eletrobras, gerou revolta do representante dos empregados no conselho de administração da companhia e reações contrárias de especialistas.

"Eu fico impressionado com a falta de informação... a Eletrobras foi sacrificada para que não tivéssemos tarifas muito maiores do que estão", disse o consultor Roberto Pereira D'Araújo, do Instituto Ilumina, ex-conselheiro de Furnas, subsidiária da Eletrobras no Sudeste e Centro-Oeste.

A peça publicitária do governo sobre a estatal diz que o consumidor "sempre paga caro pela energia" e cita as bandeiras tarifárias, que elevam o valor da conta de luz quando a geração das hidrelétricas é menor --em épocas de pouca chuva, por exemplo.

"Com a modernização da Eletrobras, essa história de mudar a cor da bandeira vai acabar", promete a campanha.

A afirmação, porém, soa estranha porque o acionamento das bandeiras tarifárias é atribuição da Aneel (agência reguladora), assim como a definição das tarifas, diz a professora FGV e ex-diretora do órgão regulador, Joísa Dutra.

"Fiquei um pouco surpresa porque uma pessoa desavisada pode ser levada a entender errado", disse a especialista, que defende a privatização.

Procurada sobre o assunto, a Aneel afirmou que não vê relação entre a privatização da Eletrobras e as bandeiras tarifárias. Disse ainda que a revisão do sistema de bandeiras é anual e independe do processo de desestatização.

A economista Elena Landau, que presidiu o conselho de administração da Eletrobras e também é a favor da privatização, concorda com as críticas. "A propaganda está obscura, é difícil de entender a mensagem. [O governo] está perdendo uma oportunidade de explicar melhor os mitos e verdades da privatização", afirmou.

Procurado, o Ministério de Minas e Energia não comentou. A Eletrobras disse que não iria se pronunciar sobre a campanha do governo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.